Bolsonaro ‘pró-vacina’ busca se reaproximar da cúpula empresarial após ser acuado por Lula

O presidente Jair Bolsonaro em evento no Palácio do Planalto no dia 11, quando usou a máscara, que costuma criticar.
AFONSO BENITES – Brasília – 13 MAR 2021

Foto: O presidente Jair Bolsonaro em evento no Palácio do Planalto no dia 11, quando usou a máscara, que costuma criticar / UESLEI MARCELINO / REUTERS

 

Aparições com máscara facial, a divulgação da imagem de um Zé Gotinha com uma injeção em formato de fuzil e um novo lema: “A nossa arma é a vacina”.

A recente mudança de postura de Jair Bolsonaro, um presidente de viés negacionista, chamou a atenção ao longo desta semana.

Mas a atual precupação do mandatário brasileiro

Com a popularidade em queda e a volta do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ao cenário de 2022,

  • Bolsonaro escutou da rede que o cerca que as críticas às vacinas e os embates com os defensores da imunização já tinham chegado ao estágio máximo.
  • Foi alertado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, de uma conta óbvia:
  • sem imunização em massa dificilmente a combalida economia brasileira reagirá no próximo ano, justamente quando ocorrerá o pleito.
  • E uma crise financeira junto às centenas de milhares de mortes provocadas pela covid-19 derrubam suas chances de reeleição.

Já alertado desde ao menos a semana passada de que era preciso moderar o discurso,

Em seu discurso, na última quarta-feira Lula antagonizou com Bolsonaro e atacou a falta de gestão do atual presidente na crise provocada pela pandemia.

“Vocês sabem que a questão da vacina não é uma questão se tem dinheiro ou se não tem dinheiro. É uma questão se eu amo a vida ou amo a morte”, afirmou.

Em sua fala, o petista também fez acenos de que

  • voltará à cena com uma postura mais moderada, que agrada os mercados,
  • e que pretende voltar a circular pelo país assim que tomar a vacina —ele recebeu a primeira dose neste sábado—
  • um privilégio até então de Bolsonaro, que tem circulado pelo país como se o vírus altamente contagioso não existisse.
Os números de duas pesquisas de opinião feitas após a decisão que beneficiou Lula demonstram que, se a eleição fosse hoje, Bolsonaro teria dificuldades em se reeleger.
Levantamento da consultoria Atlas Político, divulgado na quinta, apontou que
  • em um eventual segundo turno entre os dois políticos,
  • o petista acabaria com 45% dos votos, enquanto Bolsonaro teria 37%.
  • A pesquisa XP Ipespe, publicada nesta sexta-feira, mostrou que a disputa garantiria 41% dos votos a Bolsonaro e 40% a Lula, um empate técnico.

O discurso do petista agradou o mercado. E para tentar reverter o quadro, Bolsonaro tentará se aproximar ainda mais do alto empresariado brasileiro.

  • Nos próximos dias, conforme seus assessores, ele pretende se encontrar com representantes da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp) e da Confederação Nacional da Indústria (CNI).
  • Quer tranquilizar o PIB de que seu Governo está empenhado em aumentar exponencialmente a imunização da população,
  • ainda que não haja mais tantos imunizantes a serem comprados
  • porque a maior parte da produção das farmacêuticas está comprometida com Governos que “reservaram” os produtos ainda no ano passado —o que não foi o caso do Brasil.

Como moeda de troca, Bolsonaro insistirá de que sua gestão estaria empenhada com a agenda de reformas econômicas. Apresentará como trunfo

  • a aprovação da proposta de emenda constitucional (PEC) emergencial, que deve ser promulgada na segunda-feira,
  • e o andamento da reforma tributária, que deve ocorrer na próxima semana.
  • Se essa caminhar, contudo, será mais por um empenho do Congresso Nacional do que, necessariamente, do próprio presidente, que pouco contribuiu para o debate.
O mascote da vacinação no Brasil, Zé Gotinha, com uma injeção com o formato de um fuzil.
O mascote da vacinação no Brasil, Zé Gotinha, com uma injeção com o formato de um fuzil.REPRODUÇÃO TWITTER @BOLSONAROSP

 

Apesar de ter dado sinais de que começa a entender a necessidade de moderar seu discurso anti-ciência, Bolsonaro ainda segue seu embate contra as medidas restritivas adotadas por governadores.

Ele tenta emplacar a tese de que

  • a crise financeira não foi provocada pelo Governo federal,
  • mas sim pelos mandatários estaduais, que restringiram o comércio e prejudicaram a economia,
  • ainda que estejam seguindo as recomendações de especialistas para tentar minimizar o colapso dos leitos de UTIs no país.

A medida, entretanto, pode começar a prejudicá-lo. Dados da pesquisa XP Ipespe apontam que

  • prefeitos e governadores responsáveis são mais bem avaliados  que o próprio presidente neste momento.
  • De maneira geral, governadores são aprovados (índices de gestão ótimo e bom) por 35% dos entrevistados e reprovados (ruim e péssimo) por 28%.
  • Os prefeitos receberam 43% de ótimo e bom e 18% de ruim e péssimo.
  • O Governo Bolsonaro atingiu 45% de ruim ou péssimo, 30% de ótimo e bom.
  • Além disso, a atuação de Bolsonaro no enfrentamento do coronavírus é reprovada por 61% dos entrevistados, que a consideraram ruim ou péssima.
  • Só 18% a classificam como ótima e boa.

Definição por partidos

Para a corrida de 2022, o presidente tem ainda precisa definir por qual partido concorrerá. Desfiliado do PSL que o elegeu em 2018, Bolsonaro fracassou em fundar a Aliança pelo Brasil.

Faltou-lhe liderança e empenho para colher as assinaturas de apoio. Ele definiu o mês de março —depois postergou para abril— como limite para a sua escolha partidária.

  • No radar estão o regresso ao PSL ou a filiação a outras legendas de centro direita,
  • como o Progressistas, o Republicanos, o Partido Trabalhista do Brasil, o Patriota ou o Partido da Mulher Brasileira (PMB).

A favor do PSL está o fato de que

  • ele tem a segunda maior bancada de deputados federais e, consecutivamente, o segundo maior fundo partidário e tempo de TV,
  • atrás apenas do PT de Lula.

Contra,

  • tem dezenas de parlamentares e dirigentes com quem ele rompeu porque não deixaram com que ele administrasse o diretório nacional da legenda.
  • As negociações para o retorno já começaram, ainda que o atual presidente do PSL, Luciano Bivar, negue e trabalhe para que o partido não o aceite de volta.

A dificuldade nos outros partidos também será a de Bolsonaro comandar suas executivas nacionais.

O PMB é um partido nanico. Enquanto o Patriota, que chegou a mudar de nome em 2017 para receber Bolsonaro e se frustrou,

  • diz estar confiante em recebê-lo,
  • desde que ele não queira assumir a direção da legenda.

“Bolsonaro não precisa só de tempo de TV de um partido ou de recursos para a campanha. Se ele escolher um partido médio, ele consegue uma coligação de cinco ou seis legendas e já estará na propaganda. E os recursos, qualquer arrecadação por vaquinha já o ajuda”,

disse o presidente do Psartido, Adoilson Barroso.

 

.

AFONSO BENITES

Fonte:  https://brasil.elpais.com/brasil/2021-03-13/bolsonaro-pro-vacina-busca-se-reaproximar-da-cupula-empresarial-apos-ser-acuado-por-lula.html

 

 

LEIA MAIS:

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>