Oposição a Francisco está enraizada na oposição ao Vaticano II

 

“Ou você está com a Igreja e, portanto, segue o Concílio, e, se você não segue o Concílio ou o interpreta a seu modo, como quiser, você não está com a Igreja”.

 

Resultado de imagem para Concilio Vaticano II

Michael Sean Winters – 09 Fevereiro 2021 – Foto: A12

Ele merece a atenção de todas as Igrejas locais porque mostra, eu acho, por que a oposição a Francisco está enraizada no desejo de colocar o “creme dental” do Vaticano II de volta para dentro do “tubo” pré-conciliar.

O comentário é de Michael Sean Winters, publicado por National Catholic Reporter, 08-02-2021. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

 

No discurso, o papa apresentou uma compreensão da catequese que está muito longe dos apelos secos a capítulos e versículos que tendem a caracterizar um certo tipo de cristianismo conservador e apologético.

“Graças à narração da catequese, a Sagrada Escritura torna-se o ‘ambiente’ em que podemos nos sentir parte da mesma história de salvação, encontrando as primeiras testemunhas da fé”, disse Francisco.

“A catequese é tomar o outro pela mão e acompanhá-lo nessa história. Suscita um caminho, no qual cada um encontra um ritmo próprio, porque a vida cristã não uniformiza nem homologa, mas valoriza a unicidade de cada filho de Deus.”

Compare essa abordagem com este artigo [em inglês] do então arcebispo, mais tarde cardeal, Raymond Burke sobre o cânone 915 e a negação da Comunhão a políticos pro-choice, postado na biblioteca online da EWTN.

Ele escreve que

“a questão relativa ao estado objetivo dos políticos católicos que, consciente e voluntariamente, mantêm opiniões contrárias à lei moral natural dificilmente pareceria mudar de um lugar para outro”.

No mundo de Burke, é fácil distinguir as ovelhas dos cabritos:

  • não há nuance, nem ambiguidade, nem senso dos misteriosos trabalhos da graça
  • que, às vezes, levam uma vida inteira para se concretizar.

Quem precisa de pastores? Basta distribuir o Catecismo, que aparentemente é autoexplicativo. Burke não é um protestante que prega “somente a Escritura”, mas um católico que prega “somente o Catecismo”.

Francisco não poderia ser mais diferente.

A segunda seção do discurso aborda a natureza da recepção do Vaticano II, e é uma questão candente. O Santo Padre citou seu antecessor, o Papa São Paulo VI, que em 1971 dirigiu-se ao primeiro Congresso Catequético Internacional, dizendo:

“É uma tarefa que renasce e se renova incessantemente para a catequese a compreensão destes problemas que surgem da coração do ser humano, para reconduzi-los à sua fonte oculta: o dom do amor que cria e que salva”. 

Francisco acrescenta:

“Portanto, a catequese inspirada no Concílio está continuamente à escuta do coração do ser humano, sempre com o ouvido estendido, sempre atento para se renovar”.

Renovação não é reinvenção.Concílio não caiu do céu. As reformas foram construídas sobre o ressourcement, o retorno às fontes da doutrina cristã,

  • as Escrituras em primeiro lugar
  • e, em segundo, os escritos dos Padres da Igreja.

Você pode identificar um seguidor do Concílio, independentemente da sua ideologia, com bastante facilidade:

  • como aqueles primeiros cristãos, ele demonstra admiração pela assombrosa afirmação no cerne da nossa fé: 
  • “O Crucificado vive, o túmulo está vazio”.

É por isso que Francisco é tão atraente, não é mesmo? Ele fala e age como alguém que acredita que o túmulo está vazio.

Francisco continua, e eu cito este parágrafo na íntegra:

  • “Isto é magistério: o Concílio é magistério da Igreja.
  • Ou você está com a Igreja e, portanto, segue o Concílio, e, se você não segue o Concílio ou o interpreta a seu modo, como quiser, você não está com a Igreja.
  • Devemos ser exigentes e severos nesse ponto. O Concílio não deve ser negociado para ter mais destes… Não, o Concílio é assim.
  • E esse problema que estamos vivendo, da seletividade em relação ao Concílio, repetiu-se ao longo da história com outros Concílios.”

É imperativo que todos nós, não só os catequistas,

  • pensemos eclesialmente, pensemos com a Igreja,
  • e isso significa beber profundamente nas fontes teológicas do Vaticano II.
  • Não há outro caminho a seguir que mantenha a Igreja unida e fiel a si mesma.

No imediato período pós-conciliar nos Estados Unidos,

  • foi a esquerda católica que se descontrolou, exercendo “seletividade em relação ao Concílio”
  • e muitas vezes sendo punida pela autoridade eclesiástica por causa disso.

Agora, são os católicos conservadores

  • que não apenas se encontram em desacordo com os ensinamentos do Concílio,
  • mas também que o depreciam abertamente ou o rejeitam diretamente.

No ano passado, o ex-núncio desonrado, o arcebispo Carlo Maria Viganò, deixou claro em uma carta aberta que

Os discursos de Viganò são publicados e celebrados em inúmeras mídias conservadoras, do LifeSiteNews à EWTN, desviando-se das relações pastorais e dos canais eclesiais normais de comunicação.

Devemos lembrar disto:

  • por trás da oposição a Francisco está a oposição ao Vaticano II.
  • A Igreja na América Latina de onde o papa veio tem sido o lócus da teologia mais fértil desde o Concílio.
  • Os bispos de lá receberam o Concílio de uma forma que não fizemos no Norte, e é hora de ouvirmos e aprendermos.
  • Eles nunca deixaram de colocar a questão: o que significa exercer uma opção preferencial pelos pobres?

Na terceira e última seção do seu discurso, o papa destaca a necessidade da comunidade. É uma bela reflexão, e eu os encorajo a lê-la.

Todas as três seções realmente apontam o caminho para os católicos:

  • precisamos continuar o processo de recepção do Vaticano II
  • e encontrar uma renovação e reforma genuínas na reflexão dialógica, sinodal e fiel sobre esses textos.

Na aula de história da Igreja, elas nos ensinaram que

  • leva cerca de 100 anos para receber um Concílio,
  • de modo que estamos apenas na metade do caminho.

Já tivemos alguns desvios. É hora de voltar a trabalhar, apropriando-nos desses magníficos textos e assumindo-os como nossos.

 

Michael Sean Winters

Fontes: http://www.ihu.unisinos.br/78-noticias/606640-oposicao-a-francisco-esta-enraizada-na-oposicao-ao-vaticano-ii

https://www.ncronline.org/news/opinion/distinctly-catholic/opposition-francis-rooted-opposition-vatican-ii

 

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>