O Papa Francisco e o desporto. 2

O desporto na vida e na mensagem do papa Francisco | Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura
Foto: Francisco recebe a camisa 10. / Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura

Papa Francisco é popular, também porque se assume como vindo do povo. Ele sabe da vida. Os pais eram imigrantes italianos na Argentina. Para pagar os estudos, trabalhou como guarda-nocturno de bares. Exerceu como técnico químico, pois os primeiros estudos foram de Química. Desde miúdo jogou à bola e afeiçoou-se ao desporto. E aí está agora com a “encíclica laica” – “Lo sport secondo Papa Francisco”, in: La Gazzetta dello Sport, 2 de Janeiro, 2021 – sobre o desporto e o seu significado na e para a vida. Não é visível que o desporto arrasta multidões e que a dimensão lúdica é constitutiva do ser humano?

 

O desporto pode e deve ser uma grande escola de virtudes. Mais: a vida é um grande jogo, é mesmo o jogo decisivo, pois nele decide-se a própria vida.

O jogo da vida está presente em todos os jogos, pois o que em todos os jogos se joga, também nos jogos económicos e políticos, é a vida.

  • Quem perde e quem ganha?
  • Quais são as regras e os critérios para este jogo?
  • Quem é o árbitro definitivo que vai julgar a vida de cada um, julgar as histórias e a História?

1 A bola de trapos e o guarda-redes. 

Francisco recorda o seu tempo de miúdo e a alegria com que ia com a família ao “Gasómetro”, o estádio do San Lorenzo, de que ainda continua adepto e fã. Lembra-se de modo especial do campeonato de 1946, quando o seu San Lorenzo ganhou.

“Recordo os dias que passei a ver os futebolistas a jogar e a felicidade nos nossos rostos, a adrenalina no nosso sangue. E tenho outra recordação, a da bola de trapos: éramos pobres, mas ela bastava para nos divertirmos e quase fazer milagres jogando na pequena praça perto de casa. Em miúdo gostava do futebol, mas eu não era dos melhores, pelo contrário, chamavam-me ‘perneta’. Por isso, punham-me sempre na baliza. Mas ser guarda-redes foi para mim uma escola de vida. O guarda-redes tem de estar pronto para responder a perigos que podem vir de todos os lados. Também joguei basquete, o que me deu prazer também.”

2 Diego Maradona. 

Diz Francisco:

“Encontrei-o por ocasião de um jogo a favor da Paz em 2014. Recordo com prazer tudo o que fez pela Scholas Ocurrentes, a fundação que se ocupa dos necessitados em todo o mundo. No campo, era um poeta, um grande poeta que deu alegrias a milhões de pessoas, tanto na Argentina como em Nápoles.

Também era um homem muito frágil. Tenho uma recordação pessoal do Campeonato do Mundo de 1986, que a Argentina ganhou graças a Maradona. Estava em Frankfurt a estudar, só soube da vitória contra a Alemanha no dia seguinte.

Recordo isso como a vitória da solidão, pois era o único argentino e não tinha ninguém com quem celebrar a alegria da vitória: a solidão faz que te sintas realmente só, porque o que torna bela a alegria é poder partilhá-la.”

Permita-se-me que lembre o que aqui escrevi recentemente sobre Maradona. Um ano antes de morrer, confessou que “não tinha sido exemplo para ninguém”, voltou à Igreja, pediu paz para o tempo de vida que Deus ainda lhe concedesse.

3 O desporto e a festa.

O desporto é também festa e celebração, uma espécie de liturgia, de pertença, observou o jornalista. “Sim, o desporto é tudo isso: esforço, motivação, assimilação das regras. E divertimento: penso nas coreografias nos estádios de futebol, nas bandeiras que se agitam, nas trombetas, nos foguetes, nos tambores: é como se tudo desaparecesse e o mundo ficasse suspenso naquele instante.

Quando é bem vivido, o desporto é uma celebração: ali, é o encontro, a gente alegra-se, chora, sente ‘pertencer’ a uma equipa. ‘Pertencer’ é admitir que sozinhos não vivemos bem, pertencer é exultar, festejar…”.

O ser humano é um ser festivo.

4 Ganhar e perder. 

Da dinâmica desportiva fazem parte a vitória e a derrota.

“Ganhar e perder são dois verbos que parecem opostos: todos gostam de ganhar, ninguém gosta de perder. A vitória contém uma emoção que é difícil de descrever, mas a derrota também tem qualquer coisa de maravilhoso. Para os que estão habituados a ganhar, é forte a tentação de se sentir invencível: a vitória pode por vezes tornar-te arrogante e levar-te a pensar que já chegaste.

Pelo contrário, a derrota favorece a meditação: leva-nos a perguntar porque é que perdemos, fazemos um exame de consciência, analisamos o trabalho realizado. Por isso, de certas derrotas nascem grandes vitórias, porque, uma vez identificado o erro, acende-se a sede de redenção. Eu diria que os que ganham não sabem o que estão a perder. Não é só um jogo de palavras. Perguntem aos pobres.”

5 Não desistir. 

“A tua desistência é o sonho do teu adversário: desistir é entregar-lhe a vitória. É sempre um risco: ‘”E se tivesse resistido mais uns instantes?!’ Também é verdade que há dias em que é melhor continuar a lutar e outros nos quais é sábio deixar perder. A vida assemelha-se a uma guerra: pode-se perder uma batalha, mas a guerra, não. Um homem não morre quando é derrotado: morre quando desiste, quando deixa de combater.”

6 Exercícios espirituais. 

Há relação entre os Exercícios Espirituais e o treino desportivo?

“Quando Santo Inácio escreveu os Exercícios, fê-lo pensando na sua história passada de soldado, feita de formação, exercícios, treinos. Intuiu que o espírito, como o corpo, deve ser treinado. Mais: exercitar-se requer disciplina, os exercícios são bons mestres. Exercitar-se para a bondade, para a beleza, para a verdade: ocasiões nas quais a pessoa pode descobrir dentro de si recursos inesperados. Que, depois, utiliza.”

 

Anselmo Borges

 

Anselmo Borges

Padre e professor de Filosofia.Escreve de acordo com a antiga ortografia

Fonte:  www.dn.pt/edicao-do-dia/16-jan-2021/o-papa-francisco-e-o-desporto-2-13235213.html

 

 

Comments are closed.