Biblia: CONTINUIDADE E RUPTURA

Conquista de Jericó

A Queda dos muros de Jericó: Imagem: www.parroquiasanmartin.com

Frei Bento Domingues, O.P. – 21/06/20

O recurso à diferença histórica não pode significar o culto da indiferença perante a violência seja de que época for.

Por outro, a presença da violência no AT é inquietante porque não gostamos de nos ver ao espelho: a violência percorre a história dos povos.

 

 

  1. Os incitamentos à violência em nome de Deus, no chamado Antigo Testamento (AT), espantam-nos por boas e ambíguas razões.
  • Por boas razões, porque a voz que pode ser escutada, em todos os tempos e lugares, no íntimo da consciência humana, consciência ética, não desresponsabiliza ninguém.
  • O bem é para fazer e o mal para evitar, como o próprio S. Paulo lembrou [1].

Por outro lado, o poema que abre a actual organização da biblioteca do povo de Israel

  • é um hino à bondade e à beleza do universo coroado pela harmonia do ser humano, masculino e feminino.
  • É o fruto da bênção criadora de Deus extasiado com o seu próprio poema cósmico [2].

Nesta perspectiva, dizer Deus

  • é evocar a infinita generosidade de fazer ser e de nos fazer uns para os outros, segundo o carisma de cada um,
  • incompatível com a força demoníaca da destruição.

O recurso à diferença histórica não pode significar o culto da indiferença perante a violência seja de que época for.

Mas a violência actuante no AT pode espantar-nos por ambíguas razões.

  • A mais ambígua de todas é a proclamação comunitária de salmos que invocam Deus para massacres diabólicos.
  • É também ambígua, porque uma desejável selecção dos salmos ou de parte de alguns salmos, para a oração comunitária — o que me parece desejável —,
  • poderia sugerir o projecto de uma Bíblia expurgada, mutilada.

Seria uma violência contra a história e um atentado contra a biblioteca de um povo.

Por outro, a presença da violência no AT é inquietante porque não gostamos de nos ver ao espelho: a violência percorre a história dos povos.

  • As matanças e as escravaturas, devido à vontade de dominação económica e política,
  • podem fazer-se em nome de Deus, da negação de Deus, do ateísmo ou da indiferença em relação ao valor da vida humana que não tem preço.
  • A tentação da inveja, do desprezo e do ódio à diferença do outro toma facilmente conta dos nossos desejos distorcidos.

 

  1. Foi por isso que, para enquadrar a crónica do passado Domingo [3], fiz uma alusão rápida a um longo estudo de Frei Francolino Gonçalves, O.P., que distingue dois iaveísmos no AT, o cósmico e o histórico baseado numa exacerbada política nacionalista que mata e manta matar.

Esse estudo exige outros textos fundamentais do mesmo autor acerca da importância que

  • o método histórico-crítico introduziu nos estudos bíblicos
  • que exige, por sua vez, outras abordagens ao serviço de uma interpretação
  • que não seja nem míope, nem onde vale tudo [4].

Durante muitos séculos, a leitura teológica da Bíblia foi, praticamente, a única. Até meados do século XIII, não se distinguia exegese e teologia. Formavam uma só disciplina.

Na segunda metade do século XVII, assiste-se ao aparecimento de uma nova leitura que começou por centrar-se no AT. Entre os seus pioneiros, devem mencionar-se o judeu de Amesterdão, de origem portuguesa, Bento Spinoza (1632-1677) e o católico francês Richard Simon (1638-1712).

  • Sem duvidar de que a Bíblia fosse a expressão da palavra de Deus em linguagem humana,
  • a nova abordagem não se confundia com a utilização que dela se fazia na elaboração da teologia sistemática.

Entretanto, muita água correu, debaixo e por cima das pontes, até ao dia de hoje. Francolino Gonçalves exerceu a abordagem histórico-crítica, condição para não se fazer do texto um pretexto para arbitrariedade das interpretações.

Em que consiste essa abordagem?

  • «O único objectivo da exegese histórico-critica é a inteligência do sentido originário dos textos.
  • Não pretende mais nada nem se arroga qualquer outra competência.
  • Estuda os textos bíblicos como estudaria qualquer outro texto antigo, sem ter em conta o estatuto religioso que os cristãos, os judeus e até os muçulmanos lhes reconhecem» [5].

Para o cristão, resta a tarefa indispensável da hermenêutica desses textos.

  • «O hermeneuta cristão aferirá o sentido dos textos pela bitola da coerência do conjunto das suas Escrituras e da sua Tradição.
  • Por exemplo, não poderá aceitar, sem mais, a ordem divina de exterminar os habitantes do país de Canaã (Dt 7,1-6)
  • nem a misoginia do que algumas exegetas chamam a “pornografia profética” (cf. Ez 16 e 23) para dar só dois exemplos» [6].

A Comissão Pontifícia Bíblica, à qual Frei Francolino também pertenceu, publicou um documento notável sobre A interpretação da Bíblia na Igreja (15/04/1993). Esse documento, além do método histórico-crítico,

  • que depois de vencer muitos obstáculos conseguiu direito de cidadania na exegese,
  • abre-se a outros métodos e abordagens que foram e vão surgindo na análise dos textos literários.
  • Recusa as leituras fundamentalistas porque, em nome de uma fidelidade total à palavra de Deus,
  • esquecem que esta se encarnou numa época precisa da história, num ambiente social e cultural bem determinado.

Quem desejar entendê-la deve aceitar a ajuda das ciências humanas disponíveis.

 

  1. Terminei a referida crónica com um correctivo: Jesus repudiou a violência do AT:
  • Ouvistes o que foi dito: Amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo.
  • Eu, porém, digo-vos: Amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem [7].

Preferiu ser morto a matar.

A Carta aos Efésios, atribuída a S. Paulo, mas de estilo muito diferente, afirma que somos poema de Deus em Cristo Jesus. Ele é a nossa paz.

  • Destruiu o muro de separação, o muro da inimizade.
  • Anulou, na sua carne, a Lei que contém os mandamentos em forma de prescrições.
  • A partir do judeu e do gentio, criou em si próprio um só homem novo, fazendo a paz.
  • Reconciliou-os com Deus, num só Corpo, por meio da cruz. (…)
  • Os gentios são admitidos à mesma herança, membros do mesmo Corpo e participantes da mesma promessa, em Cristo Jesus, por meio do Evangelho [8].

Estas referências, a que se podiam juntar muitas outras, apresentam o cristianismo em continuidade e em ruptura com o AT.

O interessante é que se tenha atribuído a Jesus de Nazaré, um judeu, a continuidade e a ruptura. A investigação de Frei Francolino sobre os dois iaveísmos, no AT, a que já me referi, permite perceber a razão que levou Jesus a não aceitar nem rejeitar tudo em bloco.

Tagore

«tal como o seu amigo Gandhi, que sabia de cor e recitava todos os dias as Bem-aventuranças, foi atraído pelo cristianismo e ambos consideravam que os Evangelhos deveriam ser considerados património universal da Humanidade» [9].

Não posso estar mais de acordo. Outra coisa foram os usos santos e perversos que os Evangelhos tiveram na história das Igrejas.

 

NOTAS:

[1] Rm 2,12-16.

[2] Gn 1—2.

[3] A Bíblia, Trump e a violência (14/06/2020).

[4] Cadernos ISTA: Estudos bíblicos hoje, nº 17, ano IX (2004), pp. 5-45; Mundos Bíblicos, nº 18, ano X (2005), pp. 7-34; A Dei Verbum, nº 24, ano XVI (2011), pp. 61-88.

[5] Cadernos ISTA, Nº 24, p. 78.

[6] Ib., p. 79.

[7] Mt 5, 43-44.

[8] Cf. Ef 2,8-16; 3,3-8. É importante ler estes textos na íntegra.

[9] Cf. Maria Eugénia Abrunhosa, 7Margens, 6 de Abril 2020.

 

 

Frei Bento Domingues

Fonte: https://www.publico.pt/2020/06/21/opiniao/opiniao/continuidade-ruptura-1921181

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>