Inimigos e rivais de longa data unem-se contra um adversário maior

A pandemia serve também para que rivais, inimigos ou “diferentes” colaborem uns com os outros e esqueçam divergências.

 

Judeu e palestiniano rezam juntos ao memso tempo; oração; covid-19 | 12 Mai 20

Avraham Mintz, de pé, voltado para Jerusalém, e o companheiro, Zoher Abu Jama, a rezar na direção de Meca: a consciência da mesma humanidade tem provocado gestos de reconciliação e proximidade entre países e povos desavindos. Foto: Direitos reservados

 

Ofertas de material hospitalar ou de protecção, troca de pessoal médico, um judeu e um muçulmano que param ao mesmo tempo para rezar juntos e uma música gravada para apoiar uma organização de voluntários judeus, muçulmanos e cristãos.

A pandemia serve também para que rivais, inimigos ou “diferentes” colaborem uns com os outros e esqueçam divergências.

  • Ainda estamos longe do cessar-fogo global pedido por António Guterres e pelo Papa Francisco,
  • mas já estivemos mais.

Seja por solidariedade, por interesse, ou uma mistura dos dois, a verdade é que

  • muitos países que até há alguns meses se encontravam em guerra ou de relações cortadas,
  • outros com rivalidades antigas,
  • decidiram unir esforços ou apoiar-se mutuamente na luta contra a pandemia.
  • China e Japão, Emirados Árabes Unidos e Irão, as duas partes da Irlanda… Exemplos não faltam a mostrar que estamos todos no mesmo barco”, e a remar no mesmo sentido.

Logo no início do ano, quando a epidemia de covid-19 atingiu a China,

  • o governo e diversas empresas japonesas
  • doaram milhares de equipamentos de proteção aos seus vizinhos e “eternos rivais”.
  • Nas caixas de máscaras oferecidas por uma das instituições, foi escrito um verso em chinês, que emocionou muitos e rapidamente se tornou viral nas redes sociais:

“Embora estejamos em lugares diferentes, estamos sob o mesmo céu.”

Em março,

  • os Emirados Árabes Unidos disponibilizaram um avião militar
  • para transportar médicos da Organização das Nações Unidas (ONU) e ajudar o Irão,
  • o país do Médio Oriente mais atingido pela pandemia.

Uma ajuda que é ainda mais surpreendente pelo facto de

  • o Irão estar em conflito com os EUA,
  • que por sua vez são grandes aliados dos Emirados Árabes Unidos.

O ministro do exterior do Irão, Mohammad Javad Zarif, agradeceu a ajuda, dizendo que a epidemia é

“um problema internacional que requer a vontade combinada de todos os países para superá-la.”

Um mês depois, um gesto raro aconteceu também na Irlanda do Norte.

  • A organização Ordem de Orange (que defende a permanência do território no Reino Unido e sob a coroa britânica)
  • recebeu um carregamento de equipamentos de proteção, que decidiu distribuir não apenas pelo Norte, mas também pelo sul da ilha.

Na esmagadora maioria das situações, os unionistas são muito resistentes a colaborar com os seus vizinhos do Sul, independentes e republicanos. Mas o ministro da Saúde da Irlanda do Norte, Robin Swan, membro de um partido unionista, aplaudiu e justificou a atitude: “Estamos diante de um desafio comum.”

No Chipre, outra ilha igualmente dividida e com as negociações de paz suspensas há três anos, mais uma surpresa:

  • o Governo de Nicósia enviou 4.000 equipamentos de proteção e 2.000 caixas de cloroquina
  • para a parte norte da ilha, invadida em 1974 pelo exército turco.

Tratou-se de um gesto de solidariedade realmente singular entre o membro da União Europeia e a República Turca de Chipre do Norte, reconhecida apenas por Ancara.

Michael Stephens, investigador do Royal United London Institute (RUSI), do Reino Unido,

  • considera que  “a ajuda diplomática é importante”,
  • mas considera que ela tem sido motivada principalmente pelos próprios interesses de cada país.
  • “A colaboração tem sido pragmática, mais do que qualquer outra coisa. Se os teus vizinhos têm o vírus, tu também estás na linha de frente”,

afirmou, em declarações à AFP, citado pelo jornal francês La Coix.

 

O judeu e o muçulmano que trabalham e rezam juntos

Avraham, um paramédico judeu, Avraham, e Zoher, seu colega de trabalho muçulmano, têm estado juntos na linha da frente do combate à pandemia.

  • Apesar de fazerem parte de povos que se combatem há décadas,
  • são ambos voluntários de uma ONG israelita, equivalente à Cruz Vermelha,
  • e enfrentam lado a lado, todos os dias, dezenas de situações de emergência.

Há mês e meio,

  • foi notícia a foto do momento em que ambos rezavam, feita por um colega de ambos
  • que a colocou a seguir na sua conta no Instagram, captou-os junto da ambulância que tripulam,
  • e correu mundo com o seu simbolismo de que, perante o novo coronavírus, a política e a religião deixam de ser, de facto, motivos de afastamento.

Na imagem, obtida na região de Be’er Sheva, no sul de Israel, vêem-se

  • Avraham Mintz, 43 anos, voltado para Jerusalém, tendo sobre os ombros o talled (lenço de oração) hebraico,
  • enquanto o seu companheiro, Zoher Abu Jama, muçulmano, de 39 anos, está ajoelhado no chão, sobre o seu tapete, orientado na direção de Meca.

“Quando chega o momento, paramos a ambulância durante alguns minutos. Cada um reza também pelo outro. Neste trabalho é normal deixar de lado a política, porque somos chamados a ajudar pessoas em dificuldade”, explicou Zoher à CNN, sublinhando que “esta é uma doença que não faz distinção de religião ou de outro género. As diferenças são postas de lado. Trabalhamos juntos, vivemos juntos. Esta é a nossa vida.”

Um Hallelujah aos socorristas

Na mesma lógica de apontar para a reconciliação entre os mesmos povos, desavindos,

  • vários artistas juntaram-se para gravar uma versão do icónico hino Hallelujah, de Leonard Cohen
  • e, com a iniciativa, irão apoiar uma organização de socorristas que, em Israel, junta judeus, muçulmanos e cristãos.

Nesta versão, a música é interpretada, em inglês, hebraico e árabe por

  • Dudu Aharon Rona-Lee Shimon, Layan Elwazani,
  • pela cantora e compositora irano-americana Chloe Pourmorady,
  • e ainda Adam Kantor, que tem neste momento um papel num musical da Broadway.
  • A eles juntam-se vários socorristas voluntários e pessoas cujas vidas foram salvas por voluntários judeus, muçulmanos e cristãos Hatzalah.

Saving Lives Sunday, o título dado à iniciativa, conseguiu um montante monetário de cerca de 924 mil euros, destinados a apoiar a organização de resposta de emergência United Hatzalah, de Israel, na luta contra a covid-19 – noticiou o Jewish News.

 

 

Fonte: https://setemargens.com/inimigos-e-rivais-de-longa-data-unem-se-contra-um-adversario-maior

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>