Hans Küng: 90 anos de teologia

 Andrés Torres Queiruga – 26 Março 2018
 Hans Küng “reconhece os problemas, expõe-nos com uma extraordinária clareza, tira sem medo as consequências e indica onde se abrem os caminhos do futuro”, escreve Andrés Torres Queiruga, teólogo espanhol, em artigo publicado por Settimana News, 22-03-2018. A tradução é de André Langer.

“Sua obra representa 90 anos de um ingente esforço teológico que deixa poucos problemas de fora, dedicado à busca de uma Igreja encarnada e de um cristianismo atualizado”, avalia.

Eis o artigo.

Hans Küng não se destaca pela energia criativa de um Karl Rahner, mas é um lúcido diagnosticador quando se trata de analisar a situação e as necessidades da teologia ao longo do tempo. Reconhece os problemas, expõe-nos com uma extraordinária clareza, tira sem medo as consequências e indica onde se abrem os caminhos do futuro.

Seus livros respiram atualidade nas questões e sinceridade na hora de reconhecer a necessidade de abordá-las. Ele não esconde onde pensa que está a solução e a expõe sem rodeios, mesmo quando nem sempre se dá o tempo para avançar até o fim na fundamentação ou para assinalar com cuidado os argumentos em apoio à continuidade.

Porque nenhum teólogo pode abarcar tudo, e talvez não seja esse o seu papel ou, como se diz no jargão especializado, o seu carisma.

No entanto, seus livros falam com eficácia única ao nosso tempo e são compreendidos por milhares de leitores em todo o mundo. São livros, na verdade, teologicamente atuais, que resistem ao teste do tempo com um frescor extraordinário.

Peguem Ser Cristão: escrito em 1974, há de mais de 40 anos, e verão que continua a nos falar como no primeiro dia. Aí estão os problemas que continuam a ser os nossos, enuncia-os sem rodeios e enfrenta-os com corajosa sinceridade, às vezes um pouco desafiante e outras, provavelmente, um pouco precipitada. Mas durante a leitura respira-se teologia viva, capaz de alimentar uma compreensão crítica da fé, em nossa cultura.

Sua obra representa 90 anos de um ingente esforço teológico que deixa poucos problemas de fora, dedicado à busca de uma Igreja encarnada e de um cristianismoatualizado. Rebelde, mas definitivamente fiel.

  • Sem ceder à tentação de abandonar a Igreja, apesar das duras exclusões,
  • sem cair nas banalidades de um pluralismo magmático ou de um espiritualismo sem carne de revelação
  • e sem entoar uma cantilena pela suposta morte de Deus (ou do teísmo caricaturizado).

Teólogo humano, com alguns traços demasiado humanos (quem está isento deles?); mas teólogo de corpo inteiro.

Em 1995, por ocasião da celebração dos 500 anos da Universidade de Santiago de Compostela, tive a honra de apresentar HansKüng na sua solene conferência de convidado. Naquela ocasião, referindo-me à sua inestimável contribuição para uma teologia que quer manter um diálogo sério e credível com o mundo, eu disse palavras que gostaria de repetir:

“Nesse diálogo, qualquer esforço será insuficiente para mostrar e demonstrar que não há reservas ou manipulações ‘clericais’ na busca comum da verdade; que o teólogo goza da mesma liberdade e pode ter a mesma paixão pela verdade que o filósofo ou o cientista; que busca o bem do homem e não a submissão; que busca o Reino e não apenas a Igreja”.

Continua a me parecer uma boa evocação da sua figura, empenhada em buscar dignidade para a teologia e credibilidade para a fé.

Resultado de imagem para Andrés Torres Queiruga

 

Andrés Torres Queiruga

Fonte: http://www.ihu.unisinos.br/577333-hans-kueng-90-anos-de-teologia-artigo-de-andres-torres-queiruga

 

.

Leia mais: 

 

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>