A herança de Bento XVI

Estudiosos avaliam papel incômodo de um Papa emérito no Vaticano - ISTOÉ Independente

Na presente crise gigantesca da Igreja, impõe-se continuar com a reforma que o Papa Francisco pôs em marcha.

Para ela, há que contar também com contributos e reflexões de Bento XVI, apesar das duras críticas que justamente se levantam contra ele.

Não se pode esquecer que a primeira herança a ter em conta é justamente Francisco. Repare-se em algumas dessas reflexões, que mostram não ser possível contrapor pura e simplesmente Francisco e Bento XVI.

Ficam aí alguns exemplos.

 

1. Ainda recentemente Francisco lembrou o seu antecessor, que dizia:

“A Igreja não faz proselitismo, cresce muito mais por atracção.”

Neste sentido, em 1969 o então professor de Teologia J. Ratzinger avançou com uma profecia:

“Da actual crise surgirá uma Igreja que terá perdido muito.

  • Será mais pequena e terá que recomeçar mais ou menos do início. Já não será capaz de habitar os edifícios que construiu em tempos de prosperidade.
  • Recomeçará com pequenos grupos. Será uma Igreja mais espiritual, Igreja dos pobres.”

Acrescentou:

  • mas então as pessoas descobrirão que vivem num mundo de “indescritível solidão e elas, que tinham perdido Deus de vista,
  • verão “esse pequeno rebanho de crentes como algo completamente novo:
  • descobri-lo-ão como uma esperança para eles próprios, a resposta que secretamente sempre tinham procurado.

Voltou à ideia em 1970 e 1971:

A Igreja

  • “tornar-se-á pequena.Com o número dos seus membros, perderá muitos dos seus privilégios…
  • Conhecerá também certamente novas formas de ministério e ordenará como padres cristãos que deram provas, que têm a sua profissão”.

Sobre o celibato:

  •  por um lado, a sua defesa;
  • por outro, a ordenação dos chamadosviri probati (homens de fé provada, casados ou não) parecia-lhe “ser o caminho para, com sentido e sem quebra da tradição, criar novas possibilidades.”

Nessa altura admitiu também, no quadro de certas condições, a possibilidade da comunhão para divorciados recasados.

 

2. Ele que carregou com o que terá constituído o seu maior pecado – a condenação de dezenas e dezenas de teólogos – também deixou escrito:

  • “Acima do Papa encontra-se a própria consciência, à qual é preciso obedecer em primeiro lugar; se fosse necessário, até contra o que disser a autoridade eclesiástica.
  • O que faz falta na Igreja não são panegiristas da ordem estabelecida, mas homens cuja humildade e obediência não sejam menores do que a sua paixão pela verdade,
  • e que amem a Igreja mais do que a sua comodidade da sua própria carreira.”

 

3. Contra uma Igreja centrada na Europa, confessou, já depois de ter abdicado e pensando na eleição de Bergoglio:

“Papa é o Papa, não importa quem seja”.

A eleição de um cardeal latino-americano

  • “significa que a Igreja está em movimento, é dinâmica, aberta, tendo diante de si perspectivas de novos desenvolvimentos.
  • É completamente claro que a Europa já não é o centro da Igreja mundial”

e é evidente que ela

  • “está a abandonar cada vez mais as velhas estruturas tradicionais da vida europeia e, portanto, muda de aspecto e nela vivem novas formas .
  • É claro sobretudo que a descristianização da Europa progride, que o elemento cristão desaparece cada vez mais do tecido da sociedade.
  • Portanto, a Igreia deve encontrar uma nova forma de presença. Estão em curso reviravoltas epocais.”

A teologia precisa de renovar-se e admoestou os cardeais para “renunciarem ao estilo mundanao de poder e glória”.

4. E não tinha razão quando, nas Últimas Conversas, depois de confessar que

“acreditar não é senão, na noite do mundo, tocar a mão de Deus e assim – no silêncio – ouvir a Palavra, ver o Amor”,

perguntou:

  • Qual é “o verdadeiro problema deste nosso momento da História?
  • Deus desaparece do horizonte das pessoas e, com a extinção da luz que vem de Deus”, a Humanidade é apanhada pela falta de orientação,
  • “cujos efeitos se manifestam cada vez mais”.

Pergunto: 

  • não consiste o desastre da presente situação de consumismo hedonista e de vazio no facto de já nem sequer se colocar a pergunta essencial, a pergunta pelo Fundamento, pelo Sentido último?
  • Sem essa pergunta, onde fundamentar a dignidade do ser humano, “fim em si mesmo e não simples meio”, como teorizou I. Kant?

De facto, só o Infinito é fim em si mesmo: para lá não existe mais nada.

O que tem o ser humano de infinito

  • senão precisamente a pergunta ao Infinito pelo Infinito,
  • em última análise, a pergunta por Deus, independenetemente da resposta que lhe dê,
  • pois, com honestidade, pode haver crentes, agnósticos e ateus?

5. Enfrentou a doutrina da “satisfação”:

  • Deus mandou o seu Filho Jesus ao mundo para, com a morte na cruz como vítima expiatória, reparar a ofensa infinita feita a Deus pela Humanidade.
  • Rejeitou a noção de um Deus colérico, sádico,

“cuja justiça inexorável teria exigido um sacrifício humano, o sacrifício do seu próprio Filho. Esta imagem, apesar de tão espalhada, não deixa de ser falsa”,

contradiz o Deus-Amor, revelado em Jesus.

 

6. Percebeu a necessidade, no contexto da interdependência de tudo e de todos, de uma Governança global:

“Urge a presença de uma verdadeira Autoridade política mundial,

  • que deverá ser reconhecida por todos,
  • gozar de poder efectivo para garantir a cada um
  • a segurança, a observância da justiça, o respeito dos direitos”.

7.Ficam para a História a denúncia da Cúria, um verdadeiro cancro da Igreja, e a resignação, que permitiu a eleição de Francisco, uma bênção para a Igreja e para o mundo.

 

.

Anselmo Borges

Padre e professor de Filosofia.
Escreve de acordo com a antiga ortografia

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>