História, movimento dos padres casados e política sinodal. Os desafios postos por Eduardo Hoornaert

José Alcimar de Oliveira – 18 Janeiro 2023

Foto: Grupo de Famílias de Padres casados em Manaus. Foto/ Reprodução

 “Nossa luta como movimento de padres casados passa pela ruptura radical com a ideologia do clericalismo. Estaremos perdidos se nessa luta não se fizer presente o protagonismo das mulheres“, escreve José Alcimar de Oliveira, padre casado, professor do Departamento de Filosofia da Universidade Federal do Amazonas, teólogo sem cátedra e filho do cruzamento dos rios Solimões, no Amazonas, e Jaguaribe, no Ceará.

 

Eis o artigo.

01.XXIII Encontro dos Padres Casados do Brasil, em Salvador, BA, de 14 a 18 de janeiro de 2023, foi impactado, neste domingo, 15, pela conferência-desafio apresentada por Eduardo Hoornaert, padre casado e historiador das origens do cristianismo.

Sob o título Significado do Movimento de Padres Casados para a política sinodal do papa Francisco, o texto de Hoornaert (um belo texto e ainda em construção, é preciso dizer)

  • dialetiza o devir histórico de duas torrentes em conflito nesses mais de dois mil anos de cristianismo:
  • movimento libertário de Jesus desde Nazaré da Galileia e o imobilismo clerical que, de Jerusalém a Roma, instalado no Vaticano, continua subtraindo ao Evangelho sua verdade libertadora.

02. Segundo a filósofa húngara Agnes Heller (1929-2019):“a história é a substância da sociedade”e mais, para alimentar nossa esperança cristã com as sábias palavras de uma mulher marxista e confessadamente não cristã:

  • Nenhum só valor conquistado pela humanidade se perde de modo absoluto; tem havido, continua a haver e haverá sempre ressurreição.
  • Chamaria a isso de invencibilidade da substância humana, a qual só pode sucumbir com a própria humanidade, com a história”.

Para Cícero, “a história é a mestra da vida, luz da verdade” (historia magistra vitae, lux veritatis…).

Mas a história só ensina a quem se dispõe, com mediações honestas, a fazer o difícil caminho da verdade, para assim voltar às origens

  • com generosidade dialética,
  • liberdade da inteligência
  • e espirito crítico.

É o que faz Hoornaert num texto em movimento,

  • que tensiona o presente a partir da força das origens,
  • e nos convida a fazer o caminho samaritano da volta ao movimento de Jesus,
  • de pensar, de acordo com o Papa Francisco, uma Igreja em Saída, Missionária, Itinerante.

03. O que Hoornaert nos aponta com visão de totalidade, espírito dialético e generosidade samaritana,

  • é que o beco sem saída em que se encontra a Igreja no século XXI remonta à formatação constantiniana do século IV,
  • quando o movimento de Jesus de Nazaré se imobilizou no modelo da cristandade medieval.

O século IV demarca a segunda morte de Jesus de Nazaré.  Nietzsche costumava dizer que o único cristão que existiu morreu na cruz.

  • O movimento de Jesus nos desafia a voltar à mal afamada Nazaré dos pobres e caminhar em busca do seu evangelho samaritano.
  • O caminho de Jesus é de Nazaré a Salvador, mais do que de Jerusalém a Roma e ao Vaticano.

Salvador, no Brasil, cidade de negra beleza, carrega na pele e na mente a presença desses dois modelos em conflito:

  • a resistência libertária da de Jesus e de sua pequena Nazaré
  • e a violência do cristianismo branco do colonizador europeu.

Mas a saída passa pela confraria entre Salvador e Nazaré.

04. A rota institucional imposta pelo modelo constantiniano, de Jerusalém a Roma e de Roma ao Vaticano, conduziu a Igreja ao regime da cristandade, clerical, machista, patriarcal, excludente.

Segundo Hoornaert,

  • “com Constantino não há jeito, como Dom Helder Camara disse de modo tão direto;
  • querer renovar a Igreja em Roma é como querer limpar as pirâmides do Egito com uma escova de dente”. 

 

Walter Benjamin, em suas Teses sobre a história, fala da necessidade de escovar a contrapelo o movimento da história.

  • Para sair do beco sem saída é preciso voltar à encruzilhada do século IV,
  • abandonar a rota hierarquizante que conduziu e conduz a Igreja à bancarrota
  • e retomar com entusiasmo, a alegria evangélica e militante de Jesus de Nazaré, que se definiu como Caminho, Verdade e Vida.

05. O caminho da libertação que nos cabe como movimento de padres casados se iniciou em Nazaré da Galileia.

  •  Política sinodal implica caminhar juntos, em parceria. Mulheres e homens.
  • Não somos a Igreja dos padres casados, mas um movimento, dentre tantos outros movimentos missionários,
  • que pode contribuir para pôr a Igreja em movimento, em espirito de saída, com a força e o cuidado da alma feminina, samaritana, com o espirito destemido de Maria Madalena, a Apóstola dos Apóstolos (Apostola Apostolorum), como bem a reconheceu o Papa Francisco.

Para  Hoornaert é preciso em reconhecer que

  • “a grande novidade”do movimento dos padres casados consiste
  • em “incluir seriamente a mulher na Igreja, em abandonar a clássica política da heteronomia e aderir à política, tipicamente feminina, da autonomia”.

06. Como sustentar o discurso da Igreja que se denomina Mãe, ou falar do rosto materno de Deus (Leonardo Boff)

  • numa instituição que insiste em atribuir às mulheres tarefas e postos secundários,
  • num inaceitável e detestável espírito de tutela e submissão.

Não haverá libertação do clericalismo, do machismo, da discriminação odiosa, das opressões que pesam sobre as mulheres, inclusive da parte de muitos padres casados, sem que como movimento evangélico e samaritano nos façamos parceiros na luta comum pelo reconhecimento dos direitos da mulher na Igreja.

É um equívoco pensar que a luta consiste em incluir a mulher na hierarquia. Seria reduplicar o poder e a opressão.

  • Nossa luta como movimento de padres casados passa pela ruptura radical com a ideologia do clericalismo.
  • Estaremos perdidos se nessa luta não se fizer presente o protagonismo das mulheres.

07. Por fim, frente aos desafios postos por Hoornaert, historiador com os pés no chão da vida e visão do tempo longo, penso que perdemos todas e todos se nossa atitude diante de seu destemido e crítico texto for a da indiferença ou da escuta protocolar.

Fazer avançar a história no Movimento dos padres casados exige a coragem e a ousadia de Maria Madalena:

  • sozinha e ainda de madrugada se levanta, vai ao túmulo de Jesus de Nazaré e passa do choro da morte à alegria de reconhecer pela fé que o Senhor havia ressuscitado.
  • A partir daquele momento luminoso, investida do poder apostólico por Jesus de Nazaré, Maria Madalena passa a anunciar aos discípulos e ao mundo: “Vi o Senhor!”.

Ela é pioneira na luta anticlericalista, e nos inspira a todas e todos, mulheres e padres casados, a fazer o movimento de volta às origens do Caminho aberto por Jesus de Nazaré.

 

O coronavírus e a linguagem da natureza - Amazônia Latitude

.

José Alcimar de Oliveira

Fonte: https://www.ihu.unisinos.br/625616-historia-movimento-dos-padres-casados-e-politica-sinodal-os-desafios-postos-por-eduardo-hoornaert

 

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>