Sínodo, Piero Coda: alegre, pobre, profética, assim eu vejo a Igreja do futuro

Presidentes das reuniões internacionais das Conferências Episcopais e coordenadores das forças-tarefas continentais com a Secretaria geral do Sínodo, novembro de 2022.

         Adriana Masotti – Vatican News – 19/12/2022 – Foto: Reprodução
Presidentes das reuniões internacionais das Conferências Episcopais e coordenadores das forças-tarefas continentais com a Secretaria geral do Sínodo, novembro de 2022.
Foto:  teólogo esboça uma ampla reflexão sobre a primeira fase do processo sinodal empreendida pela #Igreja com base no Documento “Amplie o espaço de sua tenda”, que dá início à etapa continental até março. Mas não poderia deixar de incluir uma lembrança grata do recentemente falecido Papa emérito. Dele ele diz:
“#BentoXVI foi até aquele que sempre amou. Homem de Deus e grande teólogo, ele deixa uma marca indelével na Igreja”.

“Grandes Papas guiaram a Igreja Católica neste último período de sua longa história: grandes pela estatura espiritual e testemunho de vida, pela sabedoria e cultura, pelo discernimento social e profecia. Entre estes, a pleno título está Bento XVI“.

Foi o que escreveu monsenhor Piero Coda – sacerdote e teólogo, secretário geral da Comissão Teológica Internacional – para a revista Città Nuova online, poucas horas após a morte do Papa emérito.

“Sua contribuição imperdível”, continua, “foi recordar com sua autoridade como homem de Deus e grande teólogo uma verdade decisiva: a obra de renovação iniciada pelo Vaticano II deve ser promovida em contato direto com o núcleo vivo do Evangelho de Jesus e dentro do marco da Tradição eclesial”.

A chave da interpretação de Bento XVI do evento conciliar, escreve ainda monsenhor Coda, está nesta expressão: “reforma em continuidade”.

A renúncia de Bento XVI, um gesto extremo a serviço da Igreja

A fé de sempre em Jesus é a “rampa de lançamento para um salto profético”, diz o teólogo, e o Papa Bento XVI não por acaso

“quis reservar três encíclicas às virtudes teologais: caridade, esperança, fé”.

Enfatizando fortemente a primazia da primeira, porque evoca o próprio nome do Deus que se revela em Jesus”.

Monsenhor Coda lembra algumas das intervenções mais significativas e clarividentes do Papa emérito, incluindo a encíclica social Caritas in veritate, e continua:

  • “mas paradoxalmente o testemunho mais incisivo de seu estilo evangélico, Bento XVI o deu no dia de sua inesperada renúncia.
  • Um gesto extremo, ponderado e sereno, amadurecido no desejo de obedecer a Deus apenas para servir a Igreja”.

Um gesto do qual surgiu

“um novo frescor no seio da Igreja, uma nova alegria, um novo carisma que chega aos homens”:

assim ele mesmo leu com os olhos da fé o ímpeto desencadeado pelo ministério do Papa

E para renovação e um novo frescor na Igreja, que olha para sua missão no meio do mundo, está orientado o caminho sinodal lançado em outubro de 2021 pelo Papa Francisco.

Após a primeira fase vivida em nível local, a fase continental já começou, a ser seguida em 2023 e 2024 pelas duas sessões da Assembleia dos Bispos no Vaticano.

  • Indicando a linha a ser seguida nos próximos meses, está o Documento de trabalho publicado pela Secreteria geral do Sínodo no site a ele dedicado.
  • Em cerca de 50 páginas, contém a síntese de todas as contribuições enviadas à Secretaria pelas Conferências Episcopais de todo o mundo,
  • fruto da partilha e da escuta vivida pelos grupos sinodais nas paróquias, grupos e associações.

Monsenhor Piero Coda é membro da Comissão Teológica do Sínodo. Nos microfones do Vatican News, ele comenta o Documento de Trabalho para a etapa continental, aprofundando alguns temas que surgiram e traçando a face da Igreja do futuro.

 

Monsenhor Piero Coda, “o Sínodo está avançando, podemos afirmar com entusiasmo há um ano da sua abertura”. Com estas palavras de alegria, satisfação e gratidão, começa o Documento de Trabalho para a etapa continental, contendo a síntese do trabalho realizado até o momento pelas Igrejas no mundo. O senhor que o acompanhou de perto, o que pode nos dizer sobre o trabalho realizado precisamente na primeira etapa sinodal?

A primeira etapa do processo sinodal, que representou a consulta do Povo de Deus em nível das Igrejas locais, das diversas expressões da vida eclesial, foi muito positiva em geral e isto não era para ser visto como garantido.

Permitiu a preciosa coleta de uma rica variedade de frutas, uma espécie de controle do estado de saúde do Povo de Deus espalhado pelo mundo, com suas dificuldades, suas provações, mas também com suas esperanças e alegrias.

Basta dizer que de 114 Conferências Episcopais, 112 enviaram o resumo dos resultados da consulta realizada em suas dioceses. Sem mencionar as famílias religiosas, associações e movimentos eclesiásticos. E ao ler estes relatórios deve ser dito que, como aconteceu comigo, não se pode deixar de sentir emoção e comoção, porque se pode ver o testemunho de um Povo de Deus que está vivo, vivo e caminhando.

Às vezes, até mesmo cruelmente provado pelo trabalho de um momento difícil de mudança, de incerteza, como para toda a humanidade, mas comprometido em viver este momento com fé, com amor, com esperança. Sente-se a alegria, e eu quase diria às vezes o entusiasmo de ouvir e sentir-se ouvido, a alegria de partir juntos, tanto que para mim, depois de examinar estes relatórios, vinha espontâneo no coração as palavras do Senhor atestadas por Isaias:

“estou fazendo uma coisa nova, neste momento está brotando, você não percebe? Portanto, temos que agradecer a Deus.

 

O Documento também aponta alguns aspectos negativos a mancha do abuso, por exemplo, a distância às vezes entre o clero e os leigos. No lado positivo, emerge uma nova consciência de ser todos protagonistas da missão da Igreja, a necessidade de ser mais inclusivo como comunidade, de colaborar com outras Igrejas e outras religiões…

Sim, certamente. O que emerge acima de tudo é a alegria e o desejo de encontrar Jesus vivo hoje e de segui-lo através da Igreja. Portanto, o desejo de uma Igreja coerente, autêntica e, portanto, o sofrimento por todas as manchas e dificuldades que devem ser superadas.

E é preciso coragem para identificá-las e superá-las. E então o desejo, a alegria certamente de participar, isto é, de viver a Igreja como uma família, em comunhão, daí a superação daquele clericalismo ou daquelas separações que estão lutando para morrer. E mais uma vez, como você mencionou, o desejo e o compromisso de ser inclusivo, ou seja, de estar aberto para compartilhar o dom da fé.

Aqui testemunhamos nas comunidades cristãs o crescimento de uma sensibilidade acrescida a todos aqueles que de alguma forma se sentem marginalizados da vida da comunidade cristã. Também, por exemplo, por razões morais, em referência aos padrões morais propostos pela Igreja. E depois uma grande preocupação com os pobres e excluídos.

Esta escolha preferencial dos pobres é, eu diria, uma dimensão cada vez mais adquirida na vida das comunidades cristãs. E também, certamente, a abertura ao diálogo, ou seja, a consciência de que o diálogo ecumênico expressa a unidade da fé no Batismo.

Menos perfilada, se você quiser, é a sensibilidade ainda para com os fiéis de outras religiões e também para com pessoas de outras convicções ou que buscam uma manifestação plena da verdade.

 

Em relação à própria marginalização que você mencionou, um tema recorrente em quase todas as sínteses diocesanas é a questão da mulher na Igreja e na sociedade…

Sem dúvida, esta é uma exigência essencial que emerge de todos os relatórios em todas as latitudes culturais e sociais da vida da Igreja de hoje: o reconhecimento e a promoção do carisma e a contribuição específica da mulher para a vida da Igreja.

Há necessidade de um sério salto qualitativo e isto manifesta a necessidade de uma conversão espiritual, cultural e também estrutural, para dar espaço, o lugar que está no plano de Deus, para a mulher na vida da Igreja.

Há também a consciência de que não devemos ceder à tentação de uma redução funcionalista do papel da mulher na Igreja, ou seja, que não devemos nos deixar esmagar por modelos de participação na vida e no governo da Igreja que prevaleceram até agora, que têm uma impressão mais masculina, para não dizer machista.

Os caminhos certos devem ser encontrados em todos os níveis, mas antes de tudo é uma questão de conversão do olhar, de ver a relação entre o masculino e o feminino de acordo com o olhar de Deus, o olhar de Jesus.

 

Muitos aspectos foram abordados, mas o medo também surgiu de alguns dos fiéis de que o Sínodo não levasse a uma mudança real, que fosse apenas uma fachada de escuta. O que você acha? Existe este risco?

Veja, o Sínodo não é um assunto tático, não tem nenhum motivo ulterior. É sem dúvida o desencadeamento de um processo que quer ser sincero, aberto, para tomar decisões importantes em relação à adaptação da vida e da forma da Igreja ao projeto original de Deus.

O risco é aquele que vem de não perceber o significado e o alcance de um processo como este, ou seja, de não perceber que aqui é Deus quem está falando à Igreja e pedindo um salto qualitativo na vida da Igreja. E se quisermos, o risco é daqueles que, com certa indiferença e superficialidade, se não com uma má consciência, pensam que querem administrar o processo sinodal para não mudar nada.

 

A etapa continental do Sínodo já começou. Ampliar o espaço de sua tenda” é o título do documento do qual estamos falando. Parece aludir a um esforço adicional de abertura na escuta, por exemplo. Pode nos ajudar a entender melhor o trabalho dos próximos meses?

O objetivo desta etapa continental, eu diria, é antes de tudo retornar às Igrejas locais a síntese dos relatórios que vieram de todas as dioceses, para que as diferentes Igrejas possam responder se se reconhecem na síntese que foi formulada, e também estar conscientes da riqueza dos diferentes sotaques que vêm das outras Igrejas locais, para que possa acontecer uma troca de dons entre as diferentes realidades eclesiais.

Depois há um segundo objetivo: realizar esta operação de discernimento em nível continental, ou seja, fomentar a comunhão de seus próprios caminhos entre as Igrejas locais da mesma região – neste caso, os cinco continentes, mais as Igrejas do Leste consideradas separadamente, também as Américas estão divididas em América do Norte e América do Sul -, portanto, no final temos 7 assembleias continentais.

Há algo comum dentro da mesma região em nível cultural e espiritual, eu diria que juntos devemos descobrir que vocação tem cada continente, porque no plano de Deus há uma semelhança e há também um chamado, e isto pode ser uma novidade no processo sinodal.

A partir daqui, finalmente, um novo enriquecimento do discernimento que já foi feito, em vista da elaboração do Instrumentum laboris com o qual será aberta a Assembleia Ordinária do Sínodo dos Bispos.

    Adriana Masotti

Fonte: https://www.vaticannews.va/pt/igreja/news/2023-01/sinodo-piero-coda-alegre-pobre-profetica.html

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>