Passada a sombria noite, tem lugar o sonho. Artigo de Leonardo Boff

“O oposto ao medo não é a coragem. É a  de que as coisas podem ser diferentes e que, organizados, podemos avançar.                            O Brasil mostrou que não é apenas bom no carnaval e no futebol. Mas pode ser bom na resistência  indígena, negra, na agricultura, na arquitetura, na música e na sua inesgotável alegria de viver”,

escreve Leonardo Boff, ecoteólogo, filósofo, ex-professor de ética e membro da Iniciativa Internacional da Carta da Terra, autor de diversos livros, entre eles Brasil: concluir a refundação ou prolongar a dependência?  (Vozes, 2018).

 

Eis o artigo.

Nos últimos quase quatro anos,

Mas agora, segundo um cântico famoso de Camões, dos Lusíadas, um novo tempo “traz serena claridade, esperança de porto e salvamento”. Por isso cabe esperar e sonhar. Eis alguns pontos de nossa positividade.

 

1. O povo brasileiro se habituou a “enfrentar a vida”e a conseguir tudo“na luta e na amarra”,quer dizer, superando dificuldades e com muito trabalho.
Por que não iria “enfrentar” também o derradeiro desafio de fazer as mudanças necessárias, para criar relações mais igualitárias e acabar com a exclusão e a corrupção, refundando a nação?
                                                                                                                                                                                                                                    
2. O povo brasileiro ainda não acabou de nascer.
O que herdamos foi a Empresa-Brasil com uma elite escravagista e uma massa de destituídos. Mas do seio desta massa, nasceram lideranças e movimentos sociais com consciência e organização.

 

3. Apesar da pobreza, da marginalização e da perversa desigualdade social, os pobres sabiamente inventaram caminhos de sobrevivência. Para superar esta antirrealidade, o Estado e os políticos precisam escutar e valorizar o que o povo já sabe e inventou. Só então teremos superado a divisão elites-povo e seremos uma nação não mais cindida mas coesa.

 

4. O brasileiro tem um  compromisso com a esperança. É a última que morre. Por isso, tem a certeza de que Deus escreve direito por linhas tortas.
  • A esperança é o segredo de seu otimismo, que lhe permite relativizar os dramas, dançar seu carnaval, torcer por seu time de futebol e manter acesa a utopia de que a vida é bela e que amanhã pode ser melhor.
  • esperança nos remete ao princípio-esperança de Ernst Bloch, que é mais que uma virtude; é uma pulsão vital que sempre nos faz suscitar novos sonhos, utopias e projeto de um mundo melhor.

 

5. O medo é inerente à vida porque viver é perigoso (Guimarães Rosa) e porque comporta riscos. Estes nos obrigam a mudar e reforçam a esperança.
  • O que o povo mais quer, não as elites, é mudar para que a felicidade e o amor não sejam tão difíceis.
  • Para isso, precisa articular constantemente a indignação face às coisas ruins e a coragem para mudá-las.
  • Se é verdade que somos o que amamos, então construiremos uma “pátria amada e idolatrada” que aprendemos a amar.

 

6. O oposto ao medo não é a coragem.
É a  de que as coisas podem ser diferentes e que, organizados, podemos avançar.
  • Brasil mostrou que não é apenas bom no carnaval e no futebol.
  • Mas pode ser bom na resistência  indígena, negra, na agricultura, na arquitetura, na música e na sua inesgotável alegria de viver.

 

7. povo brasileiro é religioso e místico.

  • Mais que pensar em Deus, ele sente Deus em seu cotidiano que se revela nas expressões: “graças a Deus”, “Deus lhe pague”, “fique com Deus”.
  • Deus, para ele, não é um problema, mas a solução de seus problemas.
  • Sente-se amparado por santos e santas e por bons espíritos como os orixás que ancoram sua vida no meio do sofrimento.

 

8. Uma das características da cultura brasileira é a jovialidade e o sentido de humor, que ajudam aliviar as contradições sociais.Essa alegria jovial nasce da convicção de que a vida vale mais do que qualquer outra coisa. Por isso deve ser celebrada com festa e, diante do fracasso, manter o humor que o relativiza e o torna suportável.O efeito é a leveza e o entusiasmo que tantos admiram em nós. 
                                                                                                                                        .
.
9. Há um casamento que ainda não foi feito no Brasil: entre o saber acadêmico e o saber popular.

  • saber popular é “um saber de experiências feito”,que nasce do sofrimento e dos mil jeitos de sobreviver com poucos recursos.
  • saber acadêmico nasce do estudo, bebendo de muitas fontes.

Quando esses dois saberes se unirem teremos reinventado um outro Brasil. E seremos todos mais aptos para enfrentar os novos desafios.

 

10. O cuidado pertence à essência do humano e de toda a vida. Sem o cuidado adoecemos e morremos. Com cuidado, tudo é protegido e dura muito mais.

O desafio, hoje, é entender a política como cuidado do Brasil, de sua gente, especialmente dos mais pobres e discriminados, da natureza, da Amazônia, da educação, da saúde, da justiça. Esse cuidado é a prova de que amamos o nosso país.

 

11. Uma das marcas do povo brasileiro é sua capacidade de se relacionar com todo mundo, de somar, juntar, sincretizar e sintetizar.

Por isso, em geral, ele não é intolerante nem dogmático. Ele gosta de conviver com o diferente. Estes valores são fundamentais para uma planetização de rosto humano.

Estamos mostrando que ela é possível e a estamos construindo.

Infelizmente, nos últimos anos, especialmente nas eleições presidenciais de 2022,

Mas se trata sempre de uma doença e não da sanidade das religiões, igrejas e movimentos. Mas isso, seguramente, passará e predominará a convivência mais tolerante e apreciadora das diferenças.

 

12. O Brasil é a maior nação  neolatina do mundo.

  • Temos tudo para sermos também a maior civilização dos trópicos,
  • não imperial, mas solidária com todas as nações,
  • porque incorporou em si representantes de 60 povos diferentes que para aqui vieram.

Nosso desafio é mostrar que o Brasil pode ser, de fato, uma pequena antecipação simbólica de um paraíso não totalmente perdido e sempre resgatável: a humanidade unida, una e diversa, sentados à mesa numa fraterna comensalidade, desfrutando dos bons frutos de nossa boníssima, grande, generosa Mãe Terra.

 

                                                                                        
                               
                            Leonardo Boff

Fonte: https://www.ihu.unisinos.br/623904-passada-a-sombria-noite-tem-lugar-o-sonho-artigo-de-leonardo-boff

 

 

Crédito das imagens:

1. Mapa – Gente do Brasil.gif
2. Crianças solidárias –  divulgação ubumtu
3. Balance-mirim.jpg

 

Leia mais:

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>