Xi da China adverte Putin a não usar armas nucleares na Ucrânia

CHINA-ALEMANHA-DIPLOMACIA
O presidente chinês Xi Jinping (D) recebe o chanceler alemão Olaf Scholz no Grand Hall em Pequim em 4 de novembro de 2022
Foto da piscina por Kay Nietfeld via Getty Images
POR STUART LAU – 4 DE NOVEMBRO 22 

O líder chinês Xi Jinping fez sua crítica mais direta até agora à guerra de Vladimir Putin contra a Ucrânia nesta sexta-feira,

  • alertando o presidente russo para não recorrer a armas nucleares
  • e convidando o chanceler alemão Olaf Scholz para pressionar por negociações de paz.

O alerta de Xi

  • vem pouco mais de um mês depois que Putin ameaçou a Ucrânia com um ataque nuclear,
  • um sinal de até que ponto as forças ucranianas abalaram o Kremlin com seus avanços contra invasores no leste.

A comunidade internacional, disse Xi, deve

“se opor conjuntamente ao uso ou ameaças de uso de armas nucleares”,

segundo um comunicado divulgado pela Xinhua, a agência de notícias estatal da China.

O mundo também deve

  • “advogar que armas nucleares não podem ser usadas,
  • uma guerra nuclear não pode ser travada,
  • a fim de evitar uma crise nuclear”

na Europa ou na Ásia, acrescentou Xi.

  • O líder chinês, que há apenas algumas semanas garantiu um terceiro mandato que quebrou as normas,
  • pediu à Alemanha e à Europa que

desempenhem um papel importante no apelo à paz e na facilitação das negociações”.

 Xi também pediu “melhorar a situação humanitária” nas áreas de crise, especialmente durante o inverno.

Ainda assim,

  • o líder chinês, que antes da guerra se referia a Putin como seu melhor amigo, não chegou a pedir a retirada da Rússia,
  • uma demanda importante para a Ucrânia e seus apoiadores ocidentais.

Ele também

  • não mencionou a recusa de Putin em honrar o acordo da ONU para facilitar as exportações de grãos ucranianos,
  • com seu primeiro-ministro defendendo a exportação de grãos chineses para ajudar a aliviar a crise alimentar.

 

Em setembro,

  • Putin reconheceu publicamente pela primeira vez que Xi tinha “perguntas” e “preocupações” sobre a guerra.
  • Pouco depois dessa reunião entre os líderes chinês e russo, Putin aumentou a aposta e levantou a noção de que armas nucleares poderiam ser usadas.

 “Para defender a Rússia e nosso povo, sem dúvida usaremos todos os recursos de armas à nossa disposição”, disse Putin. “Isso não é um blefe.”

 

“Não podemos permitir uma nova escalada”,

  • disse o primeiro-ministro chinês Li Keqiang, em entrevista coletiva.
  • Referindo-se a Scholz, que estava ao lado dele, Li disse:

“Nós dois… esperamos que a crise termine logo”.

Scholz quer negócios

A demonstração de oposição de Xi às ameaças nucleares de Putin foi saudada como uma grande vitória diplomática de Scholz, que enfrentou semanas de críticas por se aproximar demais de Pequim.

“Concordamos que ameaçar ataques nucleares é irresponsável e perigoso”,

disse Scholz a repórteres, referindo-se ao seu encontro com Xi.

“Disse ao presidente Xi a importância de a China exercer sua influência sobre a Rússia.”

  • Scholz trouxe consigo uma delegação de grandes empresas
  • e também aprovou recentemente um acordo de uma estatal chinesa para adquirir parte de um terminal no estrategicamente importante porto de Hamburgo.

 


Presidente chinês Xi Jinping e chanceler alemão Olaf Scholz no Grand Hall em Pequim | Foto da piscina por Kay Nietfeld via Getty Images

 

De fato, durante os discursos de abertura em sua reunião com Xi,

  • Scholz lembrou novamente sua carreira anterior como prefeito de Hamburgo,
  • enquanto instava Xi a aprofundar os laços comerciais com a Alemanha, a maior economia da UE.

Scholz citou alguns resultados,

  • além de um acordo para expatriados – não chineses locais – para tomar vacinas contra o coronavírus da BioNTech na China
  • e prometeu cooperação em mudanças climáticas e prevenção de doenças.

Tensões de Taiwan

Antes que a coletiva de imprensa chegasse ao fim sem uma única pergunta dos repórteres, Scholz trouxe à tona a crescente tensão no Estreito de Taiwan.

“Qualquer mudança no status quo de Taiwan só pode ocorrer por meio de um acordo mútuo e pacífico”,

disse ele, acrescentando que também levantou a questão dos abusos dos direitos humanos contra a minoria muçulmana da China em Xinjiang.

Scholz

  • aludiu à coerção econômica de Pequim contra a Lituânia
  • quando o país báltico buscou laços mais estreitos com Taiwan, dizendo: “também são inaceitáveis ​​para nós.”

 

Embora Scholz não tenha enfatizado o foco comercial de sua viagem,

  • seu anfitrião chinês fez questão de enviar uma mensagem clara às empresas alemãs,
  • que a China considera uma importante fonte de estabilidade nas relações UE-China.

“Continuamos preparados para ajudar a Alemanha a acessar nosso mercado”,

disse o primeiro-ministro Li a repórteres na coletiva de imprensa, pedindo um relacionamento “sólido e estável” com a Alemanha.

“Apoiamos um mundo multipolar, livre comércio e queremos encontrar nosso parceiro em pé de igualdade.”

 

Resultado de imagem para STUART LAU
Stuart Lau

 

LEIA MAIS:

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>