Ele é um psicopata?

.

.

 “Com sua chegada à Presidência, de certa forma, ele tornou a psicopatia socialmente aceitável e como uma normalidade.
Cercou-se de pessoas com as mesmas tendências – quem não as têm foi excluído – e incentivou muitas pessoas a soltar o lobo raivoso e destruidor que existe dentro delas. Fez vir à tona, aflorar, condutas antissociais e amorais dos ressentidos na sociedade, condutas misóginas, racistas, discriminadoras e violentas que antes estavam fervilhando sob a superfície do controle social“.

O artigo é de Hans A. Trein, pastor emérito da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB).

Eis o artigo.

sociedade brasileira teve quase quatro anos para conhecê-lo.

 

Os primeiros sinais apareceram publicamente em 2019, pois antes era quase desconhecido. De lá para cá ficaram muito evidentes. Veja abaixo as características da psicopatia, pesquise, e tire suas conclusões.

psicopatia é um distúrbio mental caracterizado pelo desprezo por outras pessoas. É um transtorno de personalidade também conhecido por sociopatia ou condutopatia.

 

A definição de psicopatia no dicionário Oxford Languages:

Distúrbio mental grave em que o enfermo apresenta

  • comportamentos antissociais e amorais sem demonstração de arrependimento ou remorso,
  • incapacidade para amar e se relacionar com outras pessoas com laços afetivos profundos,
  • egocentrismo extremo
  • e incapacidade de aprender com a experiência.

 

O psiquiatra forense Dr. Guido Palomba diz que a psicopatia está entre os distúrbios mentais mais difíceis de diagnosticar e detectar.

psicopata pode parecer normal e até mesmo ser encantador.

  • “Não apresenta sentimentos superiores de piedade, compaixão e altruísmo…
  • não há culpa nem remorso… culpa a vítima… tem desejo anormal…
  • Os condutopatas nascem, se desenvolvem e morrem condutopatas.”

 

psiquiatria distingue entre casos leves, moderados e graves de psicopatia.

  • psicopatia é uma doença refratária a tratamento.
  • Tratamento psicoterápico pode ajudar, mas a enfermidade é crônica: pode durar anos ou a vida inteira.psicopatia não tem cura: é um modo de ser.

 

Fazendo um levantamento, ele tem todos os indícios de psicopatia.

Vejamos alguns:

Empatia inexistente. Ele não sofre com o sofrimento alheio. Ele não entende o sofrimento alheio. “E daí?

Culpa a vítima, como foi o caso de Bruno Pereira e Dom Phillips, assassinados esse ano.

– É um homem permanentemente vaidoso que só pensa nele mesmo e, no máximo, em familiares mais próximos. Sua pretensão messiânica extrapolou tanto que, nos primeiros anos, era presidente e antipresidente, ao mesmo tempo.

– Os fins justificam os meios. Nada é sagrado, não há limites para instrumentalizar religião, Deus… a ética é utilitarista, ou seja, são apenas meios que servem aos seus próprios interesses.

– Advoga a liberdade sem limites, inclusive a liberdade de mentir e de ser violento. O efeito já é verificável nas estatísticas.

– Não aguenta o contraditório. Ele não aguenta alguém que discorde. Ele elimina essas pessoas da sua vida, do seu governo, de onde for, pois a pessoa dá trabalho, por discordar de suas ideias.

– Ele é compulsivo, fala qualquer coisa.

  • Arrota ignorância como se fosse sabedoria.
  • Não tem controle nenhum, nem da consequência.
  • Diz qualquer coisa, dias depois desdiz, tempos depois afirma que nunca disse, apostando na falta de memória e ofendendo a inteligência de cidadãos e cidadãs, apesar de estar tudo gravado.
  • Transformou a cadeira da Presidência numa mesa de bar.

– É turrão e tosco nas palavras. Fala o que vem na cabeça. Seus asseclas elogiam como “sinceridade” e “autenticidade”, entretanto.

– Quando o valor das palavras é banalizado,

  • a ponto de o pior poder ser dito por um candidato à Presidência da República, como se fossem apenas palavras ao ar,
  • perdemos a noção de que estamos escrevendo, com elas, nossa história.
  • Palavras corrompidas são como balas perdidas; um dia acharão corpos, os mais vulneráveis! (Eliane Brum)

– É afeito a exageros positivos para si mesmo (“melhor do mundo”), negativos para quem pensa diferente (“pior da humanidade”), por ele declarado como inimigo a ser eliminado.

– Ele não sente culpa de nada, e isso revela um traço muito sério do psicopata. Quando alguém faz algo errado, geralmente sente culpa. Ele não. Ele consegue dormir. Ele se acha absolutamente certo, e quem não acha… fora!

– O psicopata tem uma crueldade muito grande.

  • É uma pessoa maligna mesmo, transgressora, sem limites.
  • A vida inteira ele foi um transgressor.
  • O psicopata é cruel, porque sente prazer na dor alheia, isso lhe dá satisfação. Isso o nutre, isso lhe dá segurança.
  • E quanto mais inseguro ele fica, mais ele humilha, mais ele ofende covardemente as minorias.

– Ele não é um psicopata simples. Ele tem paranoia, vê coisas onde não existem.

 

Com sua chegada à Presidência, de certa forma ele tornou a psicopatia socialmente aceitável e como uma normalidade.

  • Cercou-se de pessoas com as mesmas tendências – quem não as têm foi excluído – e incentivou muitas pessoas a soltar o lobo raivoso e destruidor que existe dentro delas.
  • Fez vir à tona, aflorar, condutas antissociais e amorais dos ressentidos na sociedade, condutas misóginas, racistas, discriminadoras e violentas que antes estavam fervilhando sob a superfície do controle social.

Imagine-se gente seguindo o líder e replicando as características da psicopatia na sociedade!

Basta olhar o padrão de comportamento de seus seguidores, principalmente nas redes sociais – ali ainda protegidos por um manto de anonimato – e também de alguns mais fanáticos no cercadinho do Palácio da Alvorada, nos comícios e até mesmo no Santuário de Aparecida.

Uma última observação: as tragédias pessoais dos poderosos tornam-se muito perigosas quando elas se transformam em políticas públicas.

Aí está o peso do seu voto!

.

Hans A. Trein

pastor emérito da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB).

 

FONTE:  https://www.ihu.unisinos.br/categorias/623304-ele-e-um-psicopata

 

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>