O bolsonarismo sob fogo amigo

Foto: O Presidente  Bolsonaro em apuros| Sérgio Lima/Poder360 25.10.2021

.

Bolsonaro é emparedado por seus muy amigos, enquanto desesperadamente luta por votos. Guedes vaza plano de arrochar salários e aposentadorias — e Jefferson pisa fundo no terror de extrema direita. Será a pá de cal no pesadelo?

 

 

Nesta reta final da campanha eleitoral para o segundo turno do pleito presidencial, Jair Messias Bolsonaro está encontrando problemas sérios com alguns personagens políticos que ocupam papel estratégico em seu governo e na articulação do bloco de extrema direita que lhe presta apoio.

  • Para além dos tropeços em suas próprias trapalhadas, como o episódio em que deu margem às acusações de pedofilia,
  • o candidato tem gastado muito tempo e energia para apagar os estragos do fogo amigo em suas próprias bases.

 

O ato terrorista perpetrado pelo dublê de bandido – e coordenador informal de sua campanha – contra os agentes da Polícia Federal (PF)

  • é muito mais do que uma atitude impensada de um maluco,
  • como alguns analistas tentam justificar nos poucos órgãos da grande imprensa que ainda apostam na continuidade da barbárie por mais um quadriênio.

Roberto Jefferson é um agente estratégico nos espaços da extrema direita tupiniquim

  • e a decisão de dar tiros de fuzil e jogar granadas contra os agentes públicos que iam cumprir uma decisão judicial
  • nada mais significa do que colocar em ação as orientações violentas e carregadas de ódio que o bolsonarismo sempre apregoou.
.

Ocorre que ao cometer tais crimes, a poucos dias do último domingo de outubro, ele colocou o chefe em uma saia justa,

  • a ponto de Bolsonaro ter sido obrigado a condenar publicamente a ação do aliado de todas as horas
  • e mentir ao afirmar que não teria nenhuma relação com o condenado.

No entanto, em razão da cumplicidade política mais do que óbvia existente entre ambos,

  • o presidente da República ordenou ao ministro da Justiça que se dirigisse ao local dos fatos,
  • para intermediar a negociação de um criminoso que foi obrigado a se render às forças policiais.

Como diria Lula em outros tempos, nunca antes na história deste país!

 

Roberto Jefferson

Roberto Jefferson disparou mais de 50 tiros e explodiu três granadas contra a Polícia federal – Foto:  Reprodução/Instagram

Roberto Jefferson e Paulo Guedes: muy amigos de Bolsonaro

Mas, durante a mesma semana, a coordenação da campanha pela reeleição viu-se também obrigada a lidar com mais um imbróglio causado pelo superministro da Economia, Paulo Guedes.

  • O antes todo-poderoso, responsável pelo monstrengo criado pela junção em 2019 de várias pastas ministeriais estratégicas na Esplanada,
  • foi colocado em modo silencioso pelo chefe, desde que o projeto político-eleitoral pela recondução do capitão para mais um mandato foi colocado em movimento.

Afinal, o banqueiro foi muito importante para a vitória em outubro de 2018, quando abriu caminho para que Bolsonaro fosse mais bem aceito pelas elites do financismo.

Continuou prestando bons serviços ao govern

  • por manter um canal permanentemente aberto junto às classes dominantes
  • e por tentar levar em frente o projeto de destruição do Estado e de liberalização ampla de nossa economia.

Ocorre que a vida é mesmo muito complicada e Bolsonaro viu-se na necessidade de dar um cavalo de pau no discurso de uma nova forma de fazer política e na pregação da austeridade fiscal a qualquer custo.

Com o intuito de evitar o início do processo de impeachment na Câmara dos Deputados e facilitar a vida do governo no interior do Congresso Nacional,

  • o candidato à reeleição jogou-se de corpo e alma nos braços do fisiologismo do Centrão,
  • entregando seu principal ministério ao senador Ciro Nogueira (PP/PI), que passou a ocupar a chefia da Casa Civil.

Esta foi a senha para que a política de Teto de Gastos, tão cara a Paulo Guedes e aos representantes do financismo,

  • fosse colocada na geladeira e as despesas orçamentárias explodissem de forma irracional e descontrolada com o projeto eleitoral em curso.
  • Daí para a implementação da escandalosa proposta inconstitucional das emendas secretas e bilionárias do relator foi apenas um passo.

Submetido a esse tipo de constrangimento público,

  • Guedes aceitou de forma covarde e oportunista o tapa na cara dado pelo próprio chefe na frente de todas as forças políticas do país.
  • Na verdade, ele continua apostando todas as suas fichas nas promessas de Bolsonaro de que continuaria a ocupar o mesmo cargo em eventual segundo mandato.
  • Talvez tenha sido esse o motivo pelo qual ele tenha decidido romper o voto de silêncio e vindo a público com mais uma de suas tiradas desastradas.

Parece que se sentiu empoderado e resolveu arriscar alguns cacifes. Porém, mais uma vez, deu-se mal.

Proposta de Guedes é ruim e antiga

A “jogada magistral”desta vez foi a declaração de que

  • estaria preparando um projeto para eliminar a correção do salário mínimo,
  • bem como patrocinar a desvinculação dos valores dos benefícios pagos pela Previdência Social de tal obrigação constitucional.
  • Com isso, as aposentadorias, as pensões e o Benefício de Prestação Continuada (BPC) também sofreriam diminuição em seu poder de compra.

A notícia caiu como uma bomba nas hostes bolsonaristas, justamente no momento em que Lula colocava em pauta a necessidade de promover a volta da política de reajuste no salário mínimo acima da inflação, tal como era a regra em seu governo.

A favor de Guedes, devemos ao menos recordar aqui

  • sua coerência fiscalista,
  • sua obsessão liberaloide e sua obstinação pela eliminação de direitos dos mais pobres.

Afinal, lá nos idos de 2019, ele já anunciava sua disposição em levar a cabo sua estratégia dos chamados 3 Ds;

i) desconstitucionalizar;

ii) desvincular;

e, iii) desobrigar.

  • A questão do salário mínimo caía como uma luva em tal operação.
  • A redução dos direitos em geral e do poder real de compra dos rendimentos dos assalariados já estava em movimento por meio da reforma trabalhista.
  • No entanto, a inclusão em norma legal e constitucional de dispositivo desobrigando a política de reajuste do salário mínimo pela inflação teria um efeito ainda mais grave.

Além da consequência direta sobre as condições de vida dos trabalhadores,

  • atingiria também a sobrevivência dos beneficiários, diretos e indiretos, da Previdência Social.
  • Finalmente, seriam prejudicados todos aqueles servidores públicos federais, estaduais e municipais que tivessem sua remuneração fixada em um salário mínimo ou a ele vinculada.

Ora, esta proposta de Paulo Guedes não é exatamente uma novidade.

  • No entanto, ao trazer a medida equivocada, elitista e impopular para o centro do debate, em um momento de grandes dificuldades enfrentadas por Bolsonaro nas pesquisas de intenção de voto,
  • Guedes provoca mais um sincericídio.

Assim como as granadas e os tiros de Roberto Jefferson,

  • a artilharia do superministro termina por atingir a imagem do próprio chefe,
  • que luta desesperadamente por votos para superar a distância que ainda o separa de Lula.

Sincericídio de Guedes: pá de cal em Bolsonaro?

O banqueiro sempre teve por hábito soltar suas bravatas aos quatro ventos,

  • principalmente depois que foi apresentado pelo capitão como sendo o principal responsável pelo comando da Economia
  • e pelo anúncio de medidas da área.

Assim, foram

  • as declarações a respeito de privatizar todas as empresas estatais,
  • a proposta de eliminação do modelo histórico de previdência do INSS e sua substituição por contas de capitalização a serem geridas pelo sistema financeiro privado,
  • além do preconceito destilado contra os setores da base da pirâmide da injustiça social, como as empregadas domésticas.

No caso concreto, pouco importa se o anúncio de Guedes foi uma decisão pensada e planejada, ou se a declaração saiu como mais uma de suas conhecidas manifestações destrambelhadas.

O fato é que ela reflete exatamente o que pensam

  • setores expressivos de nossas elites, principais responsáveis pela manutenção de um modelo econômico e social profundamente injusto e desigual,
  • a verdadeira herança secular de uma sociedade escravista e colonial.

Em uma só tacada, Guedes

  • exprimiu o ódio que as classes dominantes sentem pelos que vivem de seu trabalho
  • e a raiva que manifestam pelo pouco que ainda sobrou de um ensaio de modelo de Estado de Bem-Estar Social tupiniquim.

Mas é possível que, por mais uma destas obras da ironia da História,

  • o mais recente exercício de sincericídio do aprendiz de liberal e admirador da ditadura sanguinária do general Augusto Pinochet no Chile
  • venha a se converter em uma das muitas pás de cal a serem utilizadas para enterrar o cadáver putrefato do regime bolsonarista.

.

Fonte: https://outraspalavras.net/crise-brasileira/o-bolsonarismo-sob-fogo-amigo/

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>