Religiões: “o direito à esperança, à beleza, ao céu”

.

Religiões do mundo, símbolos de religiões internacionais, ícones fotomural • fotomurais Bahai, Jain, batista | myloview.com.br

2 A Declaração conjunta tem como ponto de partida

  • “o facto imutável de que o Todo Poderoso criou todas as pessoas iguais,
  • independentemente da sua filiação racial, religiosa, étnica ou de outro tipo ou da sua condição social,
  • e, assim, a tolerância, o respeito e a compreensão mútua são a base de apoio de todo o ensino religioso.”

Mais:

“o pluralismo e as diferenças de religião, cor da pele, género, raça e língua são expressões da sabedoria da vontade de Deus na criação.”

Por isso, a Declaração acentua que as religiões só podem ser factores de paz:

“Cremos que o extremismo, o radicalismo, o terrorismo e todas as outras formas de violência e guerra, sejam quais  forem os seus objectivos, nada têm que ver com a verdadeira religião e devem ser rejeitados do modo mais enérgico.”

Também por isso, insiste encarecidamente com os governos nacionais e as organizações internacionais

“para que prestem uma assistência integral a todos os grupos religiosos e comunidades étnicas que foram e são objecto de violação de direitos e de violência por parte de extremistas e terroristas.”

Apela igualmente aos líderes mundiais para que

“abandonem toda a retórica agressiva e destrutiva que conduz à desestabilização do mundo e para que cessem os conflitos e o derramento de sangue em todos os quadrantes do nosso mundo.”

Em ordem à resolução dos conflitos, pede a colaboração dos líderes religiosos e dos políticos:

“Apelamos aos líderes religiosos e aos políticos de diferentes partes do mundo para que desenvolvam incansavelmente o diálogo em nome da amizade, da solidariedade e da coexistência pacífica”,

defendemos

  • “a participação activa desses líderes das religiões mundiais e tradicionais e das figuras políticas proeminentes na resolução de conflitos em ordem a conseguir a estabilidade a longo prazo.”
  • “a necessidade urgente de que os líderes espirituais e políticos trabalhem juntos para fazer frente aos desafios do nosso mundo.”

Não há dúvida nenhuma de que a religião pode contribuir para uma maior humanização, uma humanização integral, plena. Com uma condição: ser bem entendida. Reconhece-se que

“o Congresso de Líderes das Religiões Mundiais e Tradicionais desempenha um papel importante na realização de esforços conjuntos para fortalecer o diálogo em nome da paz e da cooperação, bem como dos valores espirituais e morais.”

Por isso, a Declaração adverte:

“Esforçamo-nos por desenvolver um diálogo com os meios de comunicação social e outras instituições da sociedade para esclarecerem a importância dos valores religiosos para promover a alfabetização religiosa, a tolerância inter-religiosa e a paz civil”,

continuando:

“Constatamos que as pessoas e as sociedades que desestimam a importância dos valores espirituais e as directrizes morais são susceptíveis de perder a sua humanidade e criatividade.”

Por isso, ao mesmo tempo que acolhem

“com satisfação os progressos realizados nos campos da ciência, da tecnologia, da medicina, da indústria e outros âmbitos”,

chamam a atenção para a necessidade da sua

“harmonização com os valores espirituais, sociais e humanos.”

 

Fundamental é

  • “aumentar o papel da educação e da formação religiosa para reforçar a coexistência respeitosa das religiões e as culturas e desterrar os perigosos preconceitos pseudoreligiosos.”
  • “Pedimos que se apoiem todas as iniciativas práticas para levar a cabo o diálogo inter-religioso e interconfessional, em ordem a construir a justiça social e a solidariedade entre os povos.
  • Solidarizamo-nos com os esforços das Nações Unidas e todas as outras instituições e organizações internacionais, governamentais e regionais, para promover o diálogo entre civilizações e religiões, estados e nações.”

A família e sua importância fundamental não foram esquecidas, os direitos da mulher também não.

  • “Prestamos especial atenção à importância de fortalecer a instituição da família.
  • Defendemos a protecção da dignidade e dos direitos das mulheres, a melhoria do seu status social como membros iguais da família e da sociedade.”

 

.
Anselmo Borges

Padre e professor de Filosofia

Escreve de acordo com a antiga ortografia

Fonte: https://www.dn.pt/opiniao/religioes-o-direito-a-esperanca-a-beleza-ao-ceu–15274813.html

 

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>