O presidente dos EUA, Joe Biden, e o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohamed bin Salman, em Jidá, 15 de julho de 2022

O presidente dos EUA, Joe Biden, e o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohamed bin Salman, em Jidá, 15 de julho de 2022© Bandar AL-JALOUD – AFP – Ontem 19:27
O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, irá “reavaliar” a relação com Riade, afirmou nesta terça-feira (11) a Casa Branca, depois de uma coalizão de nações produtoras de petróleo liderada pela Arábia Saudita tomar o lado da Rússia para reduzir a produção global.

A Opep+, que agrupa os 13 membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) liderada pela Arábia Saudita com seus 10 parceiros liderados pela Rússia,

  • irritou a Casa Branca na semana passada com sua decisão de reduzir a produção em dois milhões de barris por dia a partir de novembro,
  • aumentando os temores de uma disparada dos preços.

“Não vou entrar no que eu consideraria ou no que tenho em mente. Mas haverá… haverá consequências”,

disse Biden à CNN nesta terça-feira, quando pressionado sobre possíveis respostas em uma rara entrevista transmitida pela televisão.

  • O líder democrata não divulgou quais opções estavam sendo consideradas,
  • mas a Casa Branca havia deixado claro anteriormente que Biden estava reavaliando os laços entre os aliados.
Biden
“deixou muito claro que este é um relacionamento que precisamos continuar reavaliando, que precisamos estar dispostos a revisitar”,
disse o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, John Kirby, à CNN.

“Certamente, diante da decisão da Opep, acredito que essa seja a postura do presidente”, completou.

  • A decisão da Opep+ foi vista como uma derrota diplomática para Biden, que viajou à Arábia Saudita em julho para encontrar-se com o príncipe herdeiro, Mohamed bin Salman,
  • apesar de ter jurado tornar o reino um Estado “pária” internacionalmente em função do assassinato do jornalista Jamal Khashoggi, em 2018.

O desentendimento com a Arábia Saudita

  • acontece em um momento delicado para o Partido Democrata de Biden,
  • que encara eleições de meio de mandato em novembro com o aumento da inflação como um argumento-chave da oposição republicana.

Biden “está pronto para trabalhar com o Congresso para pensar como deveria ser essa relação no futuro”, acrescentou Kirby, esclarecendo que conversas formais sobre o tema ainda não foram iniciadas.

Kirby falou um dia após o democrata Bob Menendez, presidente do influente Comitê de Relações Exteriores do Senado, pedir a Washington o fim de toda cooperação com Riade.

  • Menendez disse que a Arábia Saudita decidiu “financiar” a guerra da Rússia na Ucrânia
  • com uma medida que denunciou como uma concessão a Moscou que prejudicaria a economia global.

– “Escolheram a Rússia” –

  • “Os Estados Unidos devem congelar imediatamente todos os aspectos de nossa cooperação com a Arábia Saudita,
  • incluindo vendas de armas e cooperação de segurança além do absolutamente necessário para defender o pessoal e os interesses americanos”,

disse Menendez.

“Como presidente do Comitê de Relações Exteriores do Senado, não aprovarei nenhuma cooperação com Riade até que o reino reavalie sua posição em relação à guerra na Ucrânia”, garantiu.

A cooperação entre Estados Unidos e Arábia Saudita foi selada após a Segunda Guerra Mundial, brindando ao reino proteção militar em troca de acesso americano ao petróleo.

A estratégica relação, salpicada de crises

  • foi retomada pelo antecessor de Biden, o republicano Donald Trump,
  • em cujo mandato Riade representou um quarto das exportações de armas dos Estados unidos,
  • segundo o Instituto Internacional de Pesquisa para a Paz.

A aproximação continuou com Biden.

  • Em agosto, o Departamento de Estado anunciou a compra por parte da Arábia Saudita de caças e de 300 sistemas de mísseis Patriot MIM-104E,
  • usados para derrubar mísseis balísticos e de cruzeiro de longo alcance, no valor de US$ 3,05 bilhões.

A Arábia Saudita enfrentou recentemente ameaças de foguetes lançados pelos rebeldes huthis do Iêmen, que recebem armamento e tecnologia iraniana.

Biden afirmou na semana passada que buscaria alternativas para evitar aumentos do preço da gasolina.

  • Isso pode incluir a liberação de mais petróleo da Reserva Estratégica americana
  • , potencialmente mais perfurações internas,
  • bem como medidas mais drásticas, incluindo limites às exportações.

O pedido de Menendez para congelar a venda de armas tem o apoio de vários parlamentares democratas, como o senador de Connecticut Chris Murphy, que disse à CNN que Washington deu carta branca a Riade por muito tempo.

“Durante anos olhamos para o outro lado enquanto a Arábia Saudita esquartejava jornalistas, participava de repressão política massiva, por um motivo: queríamos que, quando as coisas fossem mal, quando houvesse uma crise global, os sauditas nos escolhessem ao invés da Rússia”, declarou.

“Bem, não o fizeram. Escolheram a Rússia”, completou.

Deustsche Welle

aue-ft/to/ad/am/mvv