Francisco recorda Artêmides Zatti, “migrante, parente dos pobres”

 

O Papa entrando na Sala Paulo VI. Ao lado de Francisco, um retrato de Artêmides Zatti
                                                                                                                                                                                .
                                             Manoel Tavares – Vatican News; 09 outubro 2022
Foto: O Papa entrando na Sala Paulo VI. Ao lado de Francisco, um retrato de Artêmides Zatti  (Vatican Media)
Aos cerca de mil peregrinos recebidos na Sala Paulo VI, em vista da canonização do leigo professo salesiano, o Papa destacou a missão de uma vida inteiramente dedicada aos doentes, aos abandonados, aos descartados: sempre com um sorriso reescreveu um página do Evangelho na Patagônia.

 

O Santo Padre recebeu na manhã deste sábado (08/10), no Vaticano, os peregrinos da grande família Salesiana, que vieram a Roma para a canonização de Artêmides Zatti, que se realizará neste domingo na Praça São Pedro.

Em sua saudação aos numerosos peregrinos, Francisco agradeceu a presença do Conselho Geral, Cardeais e Bispos Salesianos e, de modo particular, os fiéis de Boretto, cidade natal de Artêmides Zatti, como também o agraciado pelo milagre do novo Santo e os provenientes da Argentina e Filipinas.

Em seu discurso, o Santo Padre falou sobre a vida de Artêmides Zatti, Irmão salesiano italiano, que recebeu a cidadania argentina, beatificado, em 2002, pelo Papa João Paulo II.

Opção pela vida Salesiana

Ao recordar a figura do novo Santo, o Papa partiu de quatro pontos de vista: migrante, parente de todos os pobres, salesiano coadjutor e intercessor das vocações.

Falando sobre o primeiro aspecto, Artêmides como migrante, 

Francisco recordou a chegada dos Salesianos à Argentina, em 1875, onde se dedicaram, de modo especial, à comunidade de emigrantes italianos.

Artêmides conheceu os Salesianos em Bahía Blanca, aonde, em 1897, chegou com sua família da Itália.

 

  • “Infelizmente, disse o Papa, muitos migrantes perderam os valores da fé, devido aos vários trabalhos e problemas de adaptação.
  • Mas, a família Zatti, foi uma exceção: participou da vida da comunidade cristã, manteve boas relações com os sacerdotes, rezavam em família e a frequência aos Sacramentos não faltou”.

Neste âmbito, Artêmis amadureceu a opção pela vida Salesiana.

 

Encontro do Papa com a família salesiana para a canonização de Artêmides Zatti

Vida a serviço dos enfermos

Aqui, Francisco explicou o segundo ponto de vista da sua reflexão: Artêmides, parente de todos os pobres“:

  • A tuberculose que o acometeu, aos vinte anos, parecia ter acabado com seus sonhos. Mas, graças à cura, obtida por intercessão de Maria Auxiliadora, Artêmides dedicou toda a sua vida aos enfermos, sobretudo, mais pobres, abandonados e excluídos.
  • Os hospitais locais eram os únicos recursos para a saúde, mas, o heroísmo de Zatti os tornou lugares de irradiação do amor de Deus e de salvação, onde atuou como Bom Samaritano”.

Assim, os hospitais e as casas dos pobres foram as bases da sua missão, graças à sua profunda união com o Senhor, oração constante, adoração Eucarística prolongada e reza do terço.

O Papa na Sala Paulo VI com a Comunidade Salesiana
O Papa na Sala Paulo VI com a Comunidade Salesiana

Viver a missão em comunhão

Dito isso, o Papa passou ao terceiro aspecto da vida de Artêmides: Salesiano coadjutor, ao recordar seu testemunho e cura:

  • “Se estou bem e saudável é graças ao Padre Evásio Garrone, missionário salesiano, que, ao ver minha saúde precária, como tuberculoso, pediu para eu fazer uma promessa a Maria Auxiliadora:
  • “Se ela o curasse, estaria sempre em união com ela e cuidaria dos enfermos”.

Assim, por intercessão da Virgem, foi curado”.

  • Tendo recuperado a sua saúde, dedicou-se completamente aos pobres.
  • Deste modo, o Papa destacou os três verbos da vida do Salesiano coadjutor: “acreditar, prometer e sarar”.

Assim, Artêmides viveu sua missão em comunhão com os seus coirmãos salesianos.

 

Carisma alimentado pela oração e o trabalho

Por fim, Francisco explicou a quarta e última característica da vida de Artêmides Zatti:

  • intercessor pelas vocações,partindo da sua experiência pessoal, quando era Provincial dos Jesuítas na Argentina.
  • Ao conhecer a história deste novo Santo, Jorge Bergoglio fez-lhe o pedido para obter do Senhor, santas vocações de vida consagrada para a Companhia de Jesus.
  • Graças à sua intercessão, os jovens coadjutores aumentaram de modo impressionante.

Partindo deste seu testemunho, o Papa destacou a importância da vocação Salesiana, de modo especial dos Irmãos coadjutores:

  • Os Irmãos têm um carisma especial, alimentado pela oração e o trabalho, e fazem tanto bem à Congregação: são piedosos, alegres e trabalhadores;
  • não têm complexo de inferioridade, por não serem sacerdotes ou diáconos.
  • Eles estão conscientes da sua vocação peculiar”.

O Santo Padre concluiu seu pronunciamento com uma exortação aos Irmãos coadjutores:

“Sejam sempre gratos pelo dom da sua vocação e busquem dar um testemunho especial da vida consagrada e proponham aos jovens esta forma de vida evangélica a serviço dos pequeninos e mais pobres”.

 

Manoel Roque Tavares

.

 

Manoel Tavares – Vatican News

Fonte: https://www.vaticannews.va/pt/papa/news/2022-10/papa-francisco-artemides-zatti-audiencia-salesianos-vaticano.html

 

 

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>