Ativistas de Belarus, Rússia e Ucrânia ganham o Nobel da Paz

SOCIEDADEGLOBAL

 

Símbolo do Nobel da Paz

.

Deutsche Welle – 07 outubro 2022 – Foto: DW

Segundo organizadores, prêmio deste ano quis honrar ativistas da democracia e da coexistência pacífica nos três países vizinhos.

O ativista de direitos humanos de Belarus Ales Bialiatski, o grupo russo de direitos humanos Memorial e a organização ucraniana Centro para Liberdades Civis ganharam o Prêmio Nobel de Paz deste ano. Segundo anunciaram os organizadores da premiação nesta sexta-feira (07/10), o trio foi escolhido “pelo direito de criticar o poder” e por “denunciar crimes contra a humanidade.
  • “O comitê do Prêmio Nobel quis honrar três campeões dos Direitos Humanos, da democracia e da coexistência pacífica nos países vizinhos Belarus, Rússia e Ucrânia.
  • Eles honram a visão de Alfred Nobel sobre paz e convivência, uma visão tão necessária no mundo hoje”,

declarou o comitê.

 

 Ales Bialiatski
Ales Bialiatski está atualmente preso em Belarus – Foto: Vit Simanek/CTK/dpa/picture alliance

 

Ales Bialiatski, 60 anos, atualmente preso em Belarus, fundou a organização Viasna (Primavera) em 1996, para ajudar presos políticos e as suas famílias, na sequência da repressão do regime do presidente Alexander Lukashenko.

Bialiatski, segundo os organizadores da premiação

“foi um dos fundadores do movimento democrático que surgiu em Belarus em meados da década de 1980 e dedicou a vida a promover a democracia e o desenvolvimento político no país de origem”.

A organização russa Memorial

  • foi criada em 1987, para investigar e registrar crimes cometidos pelo regime soviético,
  • mas tem denunciado violações de direitos humanos na Rússia.

O comitê no Nobel lembrou que a entidade coletou e verificou informações sobre abusos e crimes de guerra perpetrados contra a população por forças russas e pró-russas.

“Em 2009, a chefe da filial do Memorial na Tchechênia, Natalia Estemirova, foi morta por causa desse trabalho.”

O Centro de Liberdades Civis foi criado em Kiev em 2007, com o objetivo de promover os direitos humanos e a democracia na Ucrânia.

  • “Ele assumiu a posição de fortalecer a sociedade civil ucraniana e pressionar as autoridades para tornar a Ucrânia uma democracia de pleno direito”, observa o comitê.
  • O centro ucraniano “tornou-se uma fonte importante para documentar crimes de guerra cometidos pela Rússia e desempenha um ‘papel pioneiro’ na responsabilização dos culpados”.

“Prêmio não é referência a Putin”

O comitê do Nobel norueguês

  • pediu a libertação de Bialiatski, que está preso desde 2021 em Belarus,
  • e insistiu que seu prêmio não foi direcionado ao presidente russo, Vladimir Putin, que lançou uma invasão da Ucrânia em fevereiro.

“Eles fizeram um esforço notável para documentar crimes de guerra, abusos de direitos humanos e abuso de poder. Juntos, demonstram a importância da sociedade civil para a paz e a democracia”,

disse a repórteres a chefe do Comitê Nobel da Noruega, Berit Reiss-Andersen.

  • “Este prêmio não se dirige ao presidente Putin”, ressaltou.
  • “Nem por seu aniversário nem por qualquer outro motivo.
  • Nós sempre damos o prêmio a alguém por alguma coisa, não contra ninguém.
  • Mas seu governo e o de Belarus representam regimes autoritários que suprimem a direitos humanos”,

ponderou Reiss-Andersen, respondendo a uma pergunta sobre a coincidência de o prêmio ser anunciado no mesmo dia do aniversário do presidente russo.

O prêmio será entregue em uma cerimônia em Oslo em 10 de dezembro, aniversário da morte em 1896 do criador do prêmio, o inventor e filantropo sueco Alfred Nobel.

Reiss-Andersen disse ter esperança de que Bialiatski possa comparecer.

 “Esperamos que ele possa vir a Oslo e receber a honra que lhe foi concedida”, disse ela.

O Prêmio da Paz é o único Nobel concedido em Oslo, com as outras disciplinas anunciadas em Estocolmo.

No ano passado, os jornalistas Maria Ressa e Dmitri Muratov receberam o Nobel da Paz pela sua luta pela liberdade de expressão nas Filipinas e na Rússia, respectivamente. Em 2020, Programa Alimentar Mundial da ONU, maior agência humanitária do mundo, foi agraciado com o prêmio.

O Prêmio Nobel é entregue em Estocolmo por desejo do inventor sueco Alfred Nobel, morto em 1895.

  • O criador da honraria também exigiu que o prêmio tivesse um montante em dinheiro além da medalha de ouro.
  • Na cerimônia de entrega do prêmio, geralmente realizada no dia 10 de dezembro (aniversário da morte de Alfred Nobel), o vencedor recebe 10 milhões de coroas suecas, o equivalente a cerca de R$ 4,8 milhões.

Premiados neste ano

Seguindo a tradição, o Prêmio Nobel da Paz é o quinto anunciado todos os anos, após os de Medicina, Física, Química e Literatura.

Neste ano,

  • o Nobel de Medicina premiou o biólogo sueco Svante Pääbo por suas descobertas sobre a evolução humana,
  • enquanto o Nobel de Física foi para o francês Alain Aspect, o americano John Clauster e o austríaco Anton Zellinger por estudos de mecânica quântica.
  • Os americanos Carolyn Bertozzi e Barry Sharpless e o dinamarquês Morten Meldal levaram o Nobel de Química pelo desenvolvimento de uma ferramenta para a construção de moléculas.

Annie Ernaux /Wikipedia

Já a escritora francesa Annie Ernaux, de 82 anos, ganhou o Nobel de Literatura. Ela recebeu o prêmio pela

“coragem e acuidade clínica com que revela as raízes, estranhamentos e inibições coletivas da memória pessoal”,

afirmou a Academia.

Ernaux é conhecida por seus romances autobiográficos e livros de memórias, em geral bastante curtos e baseados em experiências de classe e gênero. Ela é autora de mais de 20 livros.

cn/md (EFE, AFP, Lusa, ots)

 

Deutsche Welle

Fonte: https://www.dw.com/pt-br/nobel-da-paz-vai-para-ativistas-de-direitos-humanos-de-belarus-russia-e-ucrania/a-63367368

 

 

 

1 comment to Ativistas de Belarus, Rússia e Ucrânia ganham o Nobel da Paz

  • Irene Maria Ortlieb Guerreiro Cacais

    Para os Bolsominions são todos comunistas.

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>