A Igreja dos EUA não entende o Papa Francisco

Vídeo-mensagem de Francisco aos Bispos de toda América

Mike Davis – 19 Agosto 2022

 Alguém tem que dizer isso publicamente: a Igreja Católica nos Estados Unidos não entende o Santo Padre e está causando um grande mal a si mesma.

O comentário é de Mike Davis, publicado por Where Peter Is, 16-08-2022.

 

Mike Davis é escritor e designer gráfico de Maryland, tendo trabalhado por muitos anos em publicações católicas. Ele é marido, pai de quatro filhos e católico de longa data. Ele é ativo em sua paróquia e comunidade. Ele é o editor-chefe fundador da Where Peter Is.

 

Esta frase não é inteiramente original. É o inverso da linha de abertura de um artigo de junho de Jayd Henricks em First Things, que afirma que o Papa Francisco tem uma compreensão distorcida da situação na Igreja dos EUA.

Especificamente,

  • ele se opõe à declaração do papa em maio (publicada em 14 de junho em La Civilta Cattolica)
  • de que há muitos católicos aqui que estão obstruindo a implementação do Concílio Vaticano II.

Francisco disse a uma reunião de editores de jornais jesuítas europeus:

  • “O Restauracionismo veio para amordaçar o Concílio.
  • O número de grupos de ‘restauradores’ – por exemplo, nos Estados Unidos há muitos – é significativo.”

 

Henricks opina em seu artigo:

“As observações do Santo Padre são desconcertantes para qualquer pessoa, exceto os ideologicamente cegos, que conhecem a Igreja nos EUA”.

Henricks então apresenta uma litania de exemplos destinados a refutar a declaração do papa.

  • Ele argumenta que nenhum bispo dos EUA e muito poucos padres rejeitam o concílio.
  • Ele sugere que extremistas de direita como o Pe. James Altman e aqueles afiliados ao Church Militant também não o rejeitam.
  • Ele continua ressaltando que a liturgia reformada é celebrada 99% das vezes, e com música contemporânea

– como se isso fosse uma evidência do amplo sucesso e implementação do Concílio nos Estados Unidos.

 

Muitas de suas afirmações banalizam o que significa abraçar e implementar o Concílio.

  • Ir a uma missa de violão todos os domingos não transforma ninguém em Henri De Lubac ou Cardeal Bea.
  • Tampouco apenas prestar homenagem ao Concílio da boca para fora significa que alguém abraçou seus ensinamentos e propósitos.

E, apesar do que Henricks afirma,

  • a lista de “restauracionistas” entre os católicos proeminentes é longa e crescente.
  • Inclui um grande número de antigos “católicos JP2” que desde então se tornaram redpilled no tradicionalismo reacionário.

Eles incluem Philip LawlerTony Esolen e Eric Sammons, cada um dos quais orgulhosamente declarou que são de fato restauracionistas após a publicação das palavras do papa.

 

Além disso, uma simples pesquisa no Google teria confirmado que o Pe. Altman de fato registrou sua oposição ao Concílio, pelo menos em parte, dizendo em uma reunião em White Bear LakeMinnesota:

“Você sabe (eles provavelmente não gostam que eu diga isso), mas houve uma mudança na ordenação de um bispo [de] antes do Vaticano II? Passou de uma ordenação – uma consagração à plenitude do sacerdócio para ser uma ordenação de, tipo, um executor (não tenho a palavra exata), mas passou de ser “um de nós, mas com esta grande graça, a plenitude” para ser um tirano.

E vimos como isso aconteceu desde o Vaticano II. Você pode olhar para os documentos do Vaticano II… As pessoas dizem, bem, não há nada de errado com os documentos do Vaticano II.

Bem, em primeiro lugar, Nostra Aetate – más notícias, más. E eu acho que nos números de 15 a 18 em Lumen Gentium… há algumas coisas esboçadas lá que deixam (o documento) tão amplo, tão ambíguo que está aberto para interpretação.”

 

  • É verdade que praticamente nenhum dos bispos dos EUA está publicamente declarando sua oposição à legitimidade do Concílio Vaticano II
  •  (com a possível exceção do bispo emérito de Corpus Christi, de 99 anos, René Gracida, que aparentemente escreveu o prefácio de um livro intitulado Vaticano II: O lançamento na apostasia escrito por um David Martin, que é descrito como adepto das condenadas aparições marianas em BaysideNova York, nas quais a Mãe Santíssima supostamente declarou que as crianças nascidas como resultado de fertilização in vitro não têm alma e que o Papa Paulo VI foi substituído por um dublê de corpo em 1975).

Dito isso, muitos na Igreja dos EUA, incluindo bispos e padres,

  • apoiam abertamente o arcebispo Carlo Maria Viganò, que rejeita o concílio,
  • e o bispo auxiliar do Cazaquistão Athanasius Schneider, que argumentou que os documentos do Vaticano II contêm erros doutrinários.

 

Henricks também afirma:

“Certamente há um tradicionalismo vivo que é atraente para alguns, mas nada que se oponha ao Concílio. Essa abordagem mantém a beleza atemporal das principais expressões da fé, mas não rejeita nada do Vaticano II”.

Isso é manifestamente falso, como apontamos neste site muitas vezes.

E, como observamos inúmeras vezes, muitos desses tradicionalistas radicais recebem regularmente plataformas das paróquias e dos principais meios de comunicação católicos.

Este é um movimento que pode crescer fora de controle enquanto o episcopado dos EUA está ocupado demitindo jornalistas profissionais e gastando milhões de dólares para um congresso eucarístico em Indianápolis, do qual ninguém se lembrará três meses depois de terminado.

 

O que Henricks faz em seu artigo

  • é combinar o reconhecimento da legitimidade do Vaticano II
  • com um compromisso genuíno de implementar o Concílio – um processo contínuo que vai muito além das mudanças litúrgicas.

Não, este não é um nebuloso “Espírito do Vaticano II”, que Henricks descreve como

“A Igreja de 1978, sua experimentação litúrgica e confusão moral”.

O que grande parte da Igreja dos EUA rejeita

  • é a implementação de iniciativas postas em movimento pelo Concílio que continuam a se desenvolver na Igreja global,
  • mas que nos últimos anos encontraram oposição de líderes poderosos e influentes nos Estados Unidos,
  • tanto na hierarquia quanto em organizações bem financiadas voltadas para o público.

 

Posso entender por que muitos católicos americanos têm dificuldade em entender o Papa Francisco e o acham confuso.

  • Para aqueles de nós que passaram muito tempo no meio “católico conservador dos EUA” (e eu sou/fiz parte dessa cena),
  • a mudança de Bento para Francisco foi extremamente chocante.

Embora eu não ache que as diferenças nas mensagens centrais desses dois papas (exceto, talvez, na área da liturgia) sejam tão dramaticamente diferentes quanto alguns acreditam, eles têm diferenças claras de prioridades, abordagem e estilo.

O Papa Francisco testa os católicos conservadores dos EUA e nos tira de nossas zonas de conforto. Isso é inegável. Eu mesmo experimentei.

 

Como alguém com essa formação,

  • acredito que realmente chegar a um acordo com o papado do Papa Francisco requer um pouco de fé.
  • Mais uma vez, estou falando por experiência própria.
  • Infelizmente, muito poucos estão dispostos a fazê-lo.

Aqueles que não deram o salto (incluindo bispos e clérigos) tendem a achá-lo desconcertante e geralmente se opõem aos ensinamentos e decisões mais importantes do Papa Francisco.

Mesmo que eles não rejeitem o Concílio em si, eles certamente rejeitam a interpretação do papa sobre ele.

  • Em muitos casos, eles se permitiram ser arrastados para a toca do coelho de “reconhecer e resistir”.
  • Em outros casos, eles se resignaram a manter a boca fechada sobre o Papa Francisco e estão apenas esperando que seu papado termine.

Os prelados que mais apoiam o papa (como McElroyCupich e Gregory) são vistos como discrepantes na conferência dos bispos.

 

Os movimentos restauracionistas estão “engasgando” o Concílio?

  • Acho que o papa tem um bom argumento, pelo menos no sentido de que ele está tentando implementar o Concílio
  • e grande parte da Igreja dos EUA parece completamente inútil quando se trata de participar do que ele está tentando fazer.

Ele enfrentou resistência dos católicos nos EUA em todas as grandes iniciativas de seu papado (incluindo Laudato Si’Amoris Laetitia e os Sínodos sobre a Família e a Sinodalidade).

No mínimo, não se pode dizer que eles estão ajudando a situação.

 

Mike Davis

Fonte: https://www.ihu.unisinos.br/621380-a-igreja-dos-eua-nao-entende-o-papa-francisco

 

Leia mais:

 

1 comment to A Igreja dos EUA não entende o Papa Francisco

  • Herminia Braulio

    Não se pode esquecer que a colonização norte-americana tem origem Inglesa pós cisão com Roma, fazendo-se presente no meio das populações norte-americanas iniciais o Anglicanismo, Calvinismo e Lutranismo. A relação dos chamados protestantes históricos com o dinheiro guardam muitas peculiaridades que os diferenciam da “economia católica”, haja vista os crassos equívocos de Paul Marcynkus.
    Diante de um Papa Sul Americano, sem vivência de guerra, porém com forte experiência em regimes ditatoriais, com sólida formação permeada por fundamentos e metodologias jesuíticas, falta à sociedade norte-americana códigos de um mesmo idioma sensorial relevante. Junte-se a tudo isso uma histórica dificuldade linguística com o latim. Que o aprofundamento na formação em sua própria língua pátria seja chave de leitura para uma melhor interpretação dos documentos do Concílio Vaticano II.

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>