A Igreja alemã envia a Roma as primeiras conclusões de seu ‘Caminho Sinodal’

Para que “o Evangelho continue a ser anunciado com credibilidade”  A Igreja alemã envia a Roma as primeiras conclusões de seu ‘Caminho Sinodal’

 

igreja alemanha

Jesus Bastante | 10 agosto 2022  | Foto: igreja na Alemanha

A Igreja é “uma instituição que define mas não escuta. E o faz porque quer “que o Evangelho continue a ser anunciado de forma credível”. realidade

A Igreja alemã lamenta o declínio da Igreja a partir do pontificado de João Paulo II e a posterior secularização, com a consequente diminuição de fiéis, renda, sacerdotes e colaboradores pastorais

“Há temas tabus que não podem ser abordados, há limites à liberdade de expressão na Igreja”

 

A Conferência Episcopal Alemã enviou à Secretaria Geral do Sínodo as primeiras conclusões do ‘Caminho Sinodal’, mostrando que,

  • apesar das dúvidas de alguns setores do Vaticano (não o Papa, como ele próprio se encarregou de esclarecer sobre o retorno do Canadá),
  • os católicos do país querem continuar participando do processo de reforma da Igreja universal.

Não, eles não estão sozinhos, apesar de admitirem nas sínteses enviadas a Roma

  • que a Igreja é “uma instituição que define, mas não escuta”.
  • E o fazem porque querem que “o Evangelho continue a ser anunciado de forma credível”.

E para isso são necessárias reformas, discutidas, discutidas… e concretizadas na realidade.

Aplicar Vaticano II

O documento que chegou ao Vaticano consta de duas partes :

  • a primeira, na qual reflete sobre as experiências sinodais na Alemanha;
  • e um segundo com um resumo das reações das dioceses do país ao ‘Vademecum’ proposto pela Santa Sé.

 

Igreja Católica da Alemanha
Igreja Católica da Alemanha

 

Assim, depois de recordar os sínodos de Würzurg e Dresden, a fim de aplicar as decisões do Concílio Vaticano II“,

  • que moldaram “a cultura de colaboração entre bispos, sacerdotes e leigos e permitiram ampla participação”,
  • a Igreja alemã lamenta o revés da Igreja desde o pontificado de João Paulo II e a posterior secularização,
  • com a consequente diminuição de fiéis, rendimentos, sacerdotes e colaboradores pastorais.

 

Acobertamento “sistêmico” de abusos

Mas o verdadeiro ponto de virada foi a eclosão do escândalo dos abusos sexuais , que – os bispos admitem – mostrou que

“não se tratava de fracasso pessoal, mas de razões sistêmicas que favoreciam o abuso sexual na Igreja e seu encobrimento”.

Daí surgiu o Caminho Sinodal Alemão,

  • que (apesar das dificuldades e das tentativas de boicote dos setores ultraconservadores da Cúria)
  • levanta questões “que devem ser submetidas ao debate com a Igreja universal”. 

 

É por isso que

  • “os católicos na Alemanha olham com esperança para o Caminho Sinodal da Igreja universal”
  • como uma oportunidade para integrar as experiências sinodais e dar a sua própria contribuição.

 

A Igreja alemã concorda em pedir ao Papa para "relaxar" a regra do celibato para os padres

A Igreja alemã concorda em pedir ao Papa para “relaxar” a regra do celibato para os padres 

Deixe a Igreja sair de sua zona de conforto

Essas contribuições devem ser integradas no Sínodo Mundial, assegura o documento enviado a Roma, que pede à Igreja

  • que “saia da zona de conforto do papel de anfitriã
  • para se tornar uma convidada na vida das pessoas”.

A Igreja  do futuro “será composta por pequenas comunidades nas quais os leigos têm um papel de liderança”.

Apesar de tudo, as conclusões denunciam

  • que bispos, padres e líderes pastorais “não ouvem o suficiente” os fiéis,
  • que a Igreja é “uma instituição que define, mas não ouve “,
  • e que, se o faz, não é um ouvindo”. 

“Há temas tabus que não podem ser abordados, há limites à liberdade de expressão na Igreja”,

conclui o documento.

 

jesus bonito

Jesus Bastante

Fonte:https://www.religiondigital.org/mundo/alemania-Iglesia-Roma-conclusiones-Camino-Sinodal-reformas-participacion-sinodo-papa-obispos_0_2476852301.html#menu

 

 

 

Jesus Bastante

Fonte:

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>