Medo do Opus Dei?

Opus Dei

Opus Dei

Antonio Aradilhas – 

Tradução: João Tavares

Opus é o objeto e sujeito do medo. “Mexer” com a Opus, ou não seguir as orientações informativas segundo os critérios dos responsáveis, equivalia a algo como assinar uma sentença de prisão perpétua, na profissão de jornalista

Nas dioceses, às vezes também no Governo Civil e, claro, na Cúria Romana, o Opus não se coibiu de ser e agir como o “todo-poderoso” com todas as suas consequências divinas e humanas “

Não poucos sofreram marginalização e séria frustração em suas respectivas profissões ou ofícios, com a imperdoável necessidade de buscar a ajuda de profissionais de psiquiatria ou ciências afins

Começando pelo princípio, que acaba por ser a forma e a fórmula essenciais de qualquer abordagem que se orgulhe de ser lógica e inteligível, recorrendo ao dicionário RAE , revela-se que o termo “medo” corresponde aos significados de

“perturbação angustiante do espírito devido a um risco ou dano real ou imaginário”,

bem como

“medo ou apreensão que alguém tenha de que lhe aconteça algo contrário ao que deseja”.

E acontece que

  • no meu tempo de aprendiz de informante religioso no jornal madrileno Pueblo -a velhice é um grau e não uma vergonha como alguns “hitlers” dogmatizam sem perder a cara de vergonha-,
  • um colega, também informante religioso no Vaticano, alertou-me para a possibilidade, embora bastante remota, de estar nas minhas mãos entrevistar D. Escrivá de Balaguer , cujo avião em que viajava para o México teria de fazer escala técnica em Barajas (Madrid (NdR)

Um “exclusivo” com Escrivá

Com o fotógrafo de plantão, apareci, embora sem a anuência do chefe da assessoria de imprensa, muito pelo contrário, que era o guardador-zelador e distribuidor  “oficial” e de notícias para os meios de comunicação que julgava oportunos.

 Nos mesmos degraus da escada do avião de onde descia o fundador da Obra, de braços sempre aos meus leitores, com as correspondentes fotos da “exclusiva”.

A informação era do agrado do gabinete do Opus Dei, com a única exceção de que poderia e deveria ter sido oferecida aos leitores não em página par, mas em página ímpar , e pintada de vermelho.

 

Escreva

Josémaria Escrivá

 

Eu entendo que não poucos, colegas ou não, tenham tido ou tenham medo do Opus.

  • Com a correspondente rejeição e evidências fornecidas por eles,
  • compreendo que em várias ocasiões as razões para sustentar seus medos foram e continuam sendo seguras e válidas.

O Opus é o objeto e sujeito do medo.

  • “Meter-se” com o Opus, ou não seguir as pautas informativas segundo os critérios dos seus responsáveis,
  • equivalia a algo como assinar uma condenação vitalícia na profissão de jornalista, com suas honras e emolumentos,
  • visto que grande parte de seus meios de comunicação estava em suas mãos ou nas de seus amigos mais próximos e gratos.

Nas dioceses, e, às vezes também no Governo Civil e, claro, na Cúria Romana, o Opus não se esquivava de ser e de agir como o “todo-poderoso” com todas as suas consequências divinas e humanas .

 

Marginalizados e frustrados pelo Opus

Sim, Opus ainda é assustador.

Para o Opus Dei, as gestões dos seus membros mais qualificados, com a certeza acrescida de que

  • “a única coisa que anima e justifica a sua actividade é o serviço à “Obra de Deus” por excelência,
  • à qual se entregaram com alma, vida e coração”, renda e meios econômicos pessoais e familiares,

os  “extra” ou “contra” Opus,

  • não poucos sofreram marginalização e sérias frustrações em suas respectivas profissões ou ofícios ,
  • com a indesculpável necessidade de buscar a ajuda de profissionais em psiquiatria ou ciências relacionadas.

Contudo, já em algumas -poucas- esferas da própria Obra,

  •  percebia-se a sensação de que, apesar de tudo, suscitar medo de per si e pela vocação-profissão religiosa,
  • não tranquilizava a consciência de todos aqueles que haviam escolhido ser reeducados no “Caminho”. ”,
  • como a única, verdadeira e confiável solução para conseguir a salvação eterna e de seus entes queridos.

O medo não está no Evangelho

E é esse medo -mesmo se o enfeite com o atributo de “Santo Temor de Deus”, não está registrado no Evangelho.

 Jesus, suas mensagens e seus mensageiros,

  • com exceção de algumas de suas raras passagens como as protagonizadas pelos chamados “filhos do trovão”,
  • jamais se comportaram como partidários do cultivo do medo e dos medos em nenhum dos territórios de cultivo humanos e divinos que teriam de abonar com suas evangelizações.

O medo não é obra de Deus. Ao máximo, é obra do Diabo

“Ave, María Purisima”!- com o complemento interjetivo de “Concebido sem pecado” como mandam os cânones.

Evangelho e medo nunca poderiam se casar “até que a morte nos separe”. O medo é religiosamente anticristão .

  • Do verdadeiro sentido e conteúdo de quem quer que seja que , por ofício ou ministério, se dedique a proclamá-lo,
  • e mais ainda com palavras bíblicas ou patrióticas, de conotação cristã,
  • confessa não ter lido o Santo Evangelho, nem ouvido nenhuma das afirmações do Papa Francisco. .

 

Opus Dei

Opus Dei

 

Medo e ainda mais no Opus? 

É uma frase murcha condenada a ser retirada dos vocabulários cristãos ou de aspirantes a sê-lo ,

  • com exceção de palavras semelhantes a “RumaSA” ou “MateSA”, cuja última sílaba -SA- contém e expressa inequívocas lembranças econômicas
  • e nunca as de qualquer santo ou santo no calendário litúrgico.

Estaria à beira da aberração pensar que o Opus em sua totalidade, ou qualquer de seus afiliados ou afiliadas,  pudessem produzir medo, sabendo positivamente que, sobre a laje que cobre o corpo na igreja romana do Fundador, sobressaem apenas as apenas as palavras O PAI 

 

Homenaje a Antonio Aradillas por sus 90 años y 90 libros | Hoy

.

Antonio Ardillas

Fonte:https://www.religiondigital.org/opinion/Miedo-Opus-Dei_0_2474752503.html

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>