Por que Trump tem futuro?

Projeto da reeleição vira pesadelo - ISTOÉ Independente
 “Pesquisas como as realizadas pelo Pe Forum e outros institutos especializados confirmam unanimemente que o ex-presidente continua interceptando o “voto de Deus”, o de quem frequenta regularmente uma igreja. Mas o que leva evangélicos devotos e fervorosos a votar em um presidente cuja conduta moral e ideais parecem ter bem pouco a ver com o modelo puritano do cristão rigoroso e comprometido?”,
indaga o sociólogo italiano Paolo Naso, em artigo publicado por Reforma, semanário das igrejas evangélicas Batista, Metodista e Valdens, 17-06-2022.
A tradução é de Luisa Rabolini.

 

Eis o artigo.

 

Tentativa de golpe“. Sem meios termos, o presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito sobre o levante de 6 de janeiro de 2021Bennie Thompson, acusa os manifestantes que invadiram o Capitólio de agirem sob mandato do presidente derrotado nas eleições, Donald Trump.

E assim,

  • enquanto ele continua a falar de eleições “roubadas”,
  • é publicamente desmentido pelo seu ex-ministro da Justiça, William Barr,
  • que testemunha ter-lhe dito repetidamente que não havia elementos para rejeitar a resposta das urnas.

 

Impiedoso também

  • é o depoimento de Ivanka Trump, filha do magnata que subiu à Casa Branca em 2016, também alinhada nas mesmas posições:
  • gostando ou não do resultado, as eleições de 2020 foram regulares.

A fraude e, portanto,  oroubo

  • são produto da fantasia do presidente derrotado,
  • invenção que colocou em movimento uma gigantesca máquina de manipulação que levou algumas centenas de extremistas a tentarem o assalto ao lugar símbolo da democracia estadunidense.

Ainda mais explícita é Liz Cheney, uma republicana de longa data,

  • segundo a qual  Trump tinha elaborado um plano de sete pontos para derrubar o resultado eleitoral,
  • contando com a cumplicidade do vice-presidente Pence, que poderia ter invalidado a votação.
  • Como se sabe, o ex-vice-presidente nunca concordou com esse projeto, acabando por abandonar Trump ao seu delírio pós-eleitoral.

As audiências da Comissão Parlamentar estão apenas começando, mas, se for verdade que quando algo começa bem vai terminar bem, o juízo da Comissão poderia agravar as já pesadas responsabilidades do ex-presidente.

 

No entanto, este caso político e judicial

  • poderia não terminar com o final feliz da verdade que triunfa sobre a mentira e da justiça que vence as maquinações da pior política.
  • Aconteça o que acontecer, de fato, existe um EUA irredutivelmente trumpiano
  • que, apesar de cada sentença, nutre a firme convicção de que as eleições presidenciais de 2020 foram resolvidas com a fraude mais clamorosa da história das democracias.

Um EUA que espera que seu herói retorne à Casa Branca em 2024 e está trabalhando para atingir esse objetivo.

 

Em novembro há votação e, desde sempre, as eleições “de meio de mandato” em que se renova parte substancial do Congresso, são o bicho-papão do partido do presidente em exercício:

  • longe demais da lua de mel, o consenso benevolente que todo estadunidense concede ao presidente eleito mesmo quando ele pertence a um partido diferente daquele em que ele votou,
  • as eleições do midterm levam às urnas principalmente os descontentes e desapontados.
  • Aqueles que confiam no presidente em exercício, seja republicano ou democrata, tendem a ficar em casa.

 

As eleições de novembro serão, portanto, uma oportunidade de revanche

E, olhando as pesquisas, não são poucos.

  • Além disso, o Grand Old Party Republicano ainda não se livrou do fardo de um ex-presidente dotado de uma poderosa máquina midiática,
  • que ainda hoje consegue condicionar a seleção de vários candidatos locais
  • e, obviamente, credencia sua imagem de vítima dos poderes fortes de Washington, da odiada imprensa liberal, dos lobbies LGBT.

 

É um EUA provinciano,

  • temeroso de qualquer mudança social e cultural,
  • tranquilizado pelas armas à vista acima da lareira na sala,
  • polarizado pelas batalhas pró-vida e emocionado pela recente decisão da Suprema Corte que em alguns estados limitou drasticamente a possibilidade de aborto.

 

Pesquisas como as realizadas pelo Pew Forum e outros institutos especializados confirmam unanimemente que o ex-presidente continua interceptando o “voto de Deus”, o de quem frequenta regularmente uma igreja.

Mas o que leva evangélicos devotos e fervorosos a votar em um presidente cuja conduta moral e ideais parecem ter bem pouco a ver com o modelo puritano do cristão rigoroso e comprometido?

 

Unholy: How White Christian Nationalists Powered the Trump Presidency, and the Devastating Legacy They Left Behind | Amazon.com.br

Foto: Amazon/Reprodução

Tenta responder a Sarah Posner, em um livro, Unholy, com o subtítulo “Por que os evangélicos brancos adoram no altar de Donald Trump”.

A resposta é complexa.

Por um lado, the Donald abraçou toda a agenda da direita religiosa:

  • não ao aborto, nenhuma concessão ao movimento LGBT,
  • sim à oração nas escolas, mais incentivos às famílias “tradicionais”, menos politicamente correto no pluralismo religioso e mais ênfase nos valores da América cristã;
  • em nome da liberdade religiosa, ele também piscou para os no vax.

 

Ao mesmo tempo, cercou-se de pregadores da direita religiosa:

  • do inoxidável Ralph Reed, ex-diretor da Coalizão Cristã e depois consultor de George W. Bush,
  • à excêntrica Paula White, ícone e apóstola de uma teologia da prosperidade totalmente coerente com a ética trumpiana;
  • a telepregadores das megaigrejas, como o texano Robert Jeffres, que lidera uma comunidade de 14 mil membros.

 

Nenhum deles afirmaria que Trump é um santo e um ícone da piedade cristã,

  • mas estão convencidos de que Deus está se servindo dele.
  • Como o rei persa Ciro, que ajudou os judeus exilados a retornar a Jerusalém e reconstruir o templo,
  • Trump será o que será, mas – afirmam com genuína convicção os evangélicos que o apoiam– ele é o homem que Deus chamou para restaurar a América cristã.

 

Le religioni sono vie di pace". Falso! - Paolo Naso

.

Paolo Naso

Fonte: https://www.ihu.unisinos.br/619558-por-que-trump-tem-futuro

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>