Aquelas perguntas do Papa sobre a paz

Andrea Tornielli – 02 Mai 2022 – Pregrinos e visitantes na praça de S. Pedro em Roma neste Domingo -Foto: DAQUI

No Regina CoeliFrancisco levanta a questão da vontade real de se deter a violência militar e verbal para se chegar a um acordo.

A reportagem é de Andrea Tornielli, publicada por Vatican News, 01-05-2022.

 

“Pergunto-me se há uma busca real pela paz…”

O Papa Francisco escolheu apresentar sob forma de perguntas as dúvidas de muitas pessoas  que acompanham o aumento da violência militar na Ucrânia.

Uma escalada preocupante para um conflito

  • sempre mais devastador,
  • com custos altíssimos para a população civil inerme
  • e que cresce de acordo com a ameaças verbais,
  • com a total demonização do adversário e com a simulações sobre possíveis ataques nucleares.

A prossecução da guerra de agressão perpetrada pelo exército russo contra a Ucrânia, a corrida para o rearmamento e a falta de iniciativas incisivas em nível internacional

  • fazem com que se afirme sempre mais o pensamento de quem considera inelutável o conflito armado,
  • a volta ao passado e aos antigos “esquemas” de guerra que desejávamos superados.

“Enquanto se assiste a um macabro retrocesso de humanidade – disse o Papa– pergunto-me, junto a outras pessoas angustiadas,

  • se há uma busca real pela paz;
  • se há vontade de evitar uma contínua escalada militar e verbal,
  • se está sendo feito todo o possível para que se calem as armas”.

É particularmente evidente a dificuldade de responder afirmativamente aos quesitos de Francisco.

“Todos queremos a paz”,

é a resposta dos líderes do mundo.

  • Mas esta vontade com as palavras – se expressada – não se transforma em determinação criativa e em autêntica vontade de negociar.
  • Fala-se de paz e se continua a aplicar o que o Papa definiu como “esquema de guerra”.

Nos dias passados, o cardeal Pietro Parolin, auspiciando uma nova Conferência de Helsinque, disse:

  • “Olhar para aquilo que aconteceu nas últimas décadas deveria no convencer sobre a necessidade de confiar mais nos organismos internacional e em sua construção, buscando torná-los uma ‘casa comum’, onde todos se sintam representados. Ao mesmo tempo,
  • nos deveria convencer sobre a necessidade de construir um novo sistema de relações internacionais, baseado não mais na contenção e na força militar: é uma prioridade.
  • E o é porque se não refletirmos sobre isso, se não trabalharmos para isso, estamos destinados a correr para o abismo da guerra total”.

Por isso, o Sucessor de Pedro repetiu a sua súplica, pedindo para “não se render à lógica da violência, à perversa espiral das armas” e para empreender finalmente o caminho do diálogo e da paz.

 

.

Andrea Tornielli

Fonte: https://www.ihu.unisinos.br/618180-aquelas-perguntas-do-papa-sobre-a-paz#

 

Leia mais:

 

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>