Queda de QI, empobrecimento da linguagem e ruína do pensamento por Christophe Clavé *

O QI médio da população mundial diminuiu nos últimos vinte anos | Christophe Clavé |

.

Christophe Clavé – Foto: DAQUI

O efeito Flynn, batizado com o nome de seu criador, prevaleceu até a década de 1960. Seu princípio é que o Quociente de Inteligência (QI) médio continua a aumentar na população. No entanto, desde a década de 1980, pesquisadores da ciência cognitiva parecem compartilhar a descoberta de uma reversão do efeito Flynn e uma queda no QI médio.

A tese ainda é debatida e muitos estudos estão em andamento há quase quarenta anos sem conseguir acalmar o debate. O QI médio da população mundial, que sempre aumentou desde o pós-guerra até o final dos anos 90, diminuiu nos últimos vinte anos …É a inversão do efeito Flynn.

Parece que o nível de inteligência medido pelos testes diminui nos países mais desenvolvidos.Pode haver muitas causas para esse fenômeno.

A essa queda ainda contestada do nível médio de inteligência soma-se o empobrecimento da linguagem. São muitos os estudos que demonstram o estreitamento do campo lexical e um empobrecimento da língua.

  • Não se trata apenas da redução do vocabulário utilizado,
  • mas também das sutilezas da linguagem que permitem elaborar e formular um pensamento complexo.

O desaparecimento gradual dos tempos verbais

  • (subjuntivo, passado simples, imperfeito, formas compostas do futuro, particípio passado, etc.)
  • dá origem ao pensamento no presente, limitado ao momento,
  • incapaz de projeções no tempo.

A generalização da familiaridade, o desaparecimento das letras maiúsculas e da pontuação são golpes fatais.

Retirar a palavra “senhorita”

  • não é apenas abrir mão da estética de uma palavra,
  • mas também promover a ideia de que entre uma garotinha e uma mulher não há fiferenças.

Menos palavras e menos verbos conjugados significam

  • menos capacidade de expressar emoções
  • menos possibilidade de desenvolver um pensamento.

Estudos mostraram que parte da violência na esfera pública e privada decorre diretamente da incapacidade de colocar emoções em palavras.

Sem palavras para construir um raciocínio,

  • o pensamento complexo caro a Edgar Morin fica tolhido, impossibilitado.
  • Quanto mais pobre a linguagem, menos existe o pensamento.

A história está cheia de exemplos

  • e há muitos escritos de Georges Orwell em 1984 a Ray Bradbury em Fahrenheit 451
  • que contaram como ditaduras de todas as convicções atrapalhavam o pensamento
  • reduzindo e distorcendo o número e o significado das palavras.

Não há pensamento crítico sem pensamento. E não há pensamento sem palavras. 

  • Como construir um pensamento hipotético-dedutivo sem dominar o condicional?
  • Como conceber o futuro sem conjugação com o futuro?
  • Como apreender uma temporalidade, uma sucessão de elementos no tempo, sejam passados ​​ou futuros, bem como sua duração relativa, sem uma linguagem que faça a diferença entre o que poderia ter sido, o que foi, o que é, o que poderia acontecer, e o que será depois que o que poderia acontecer aconteceu?

Se hoje se ouvisse um grito de guerra, seria aquele dirigido aos pais e professores:

faça com que seus filhos, seus alunos, seus alunos falem, leiam e escrevam.

Ensine e pratique o idioma em suas mais variadas formas, mesmo que pareça complicado, principalmente se for complicado. Porque nesse esforço está a liberdade. 

Aqueles que explicam o tempo todo que

  • é preciso simplificar a ortografia,
  • purgar a linguagem de seus “defeitos”,
  • abolir gêneros, tempos, nuances, tudo o que cria complexidade
  • são os verdadeiros arquitetos do empobrecimento da mente humana.

Não há liberdade sem exigências. Não há beleza sem o pensamento da beleza.

 

Christophe Clavé –

* Professor de Estratégia e Gestão INSEEC SBE

Fonte: https://temoignagefiscal.com/baisse-du-qi-appauvrissement-du-langage-et-ruine-de-la-pensee-par-christophe-clave/

 

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>