Tenebrosas transações no ministério da Saúde

 

Lucas Scatolini – 28 março 2022

Diretor do DataSUS entregou à Amazon dados da rede pública com informações sensíveis da população. Depois virou gerente da gigante tecnológica, gerando suspeita de grave ingerência privada no SU

Segundo o Brasil de Fato,

  • Jacson Barros, então diretor do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DataSUS), do ministério da Saúde,
  • firmou uma parceria com a empresa em abril de 2020 para migrar os dados da rede pública, com informações sensíveis de toda a população brasileira,
  • para serem administrados pelo serviço de nuvem da gigante tecnológica.

Hoje, ele trabalha para a corporação.

Barros ainda permaneceu no cargo por mais um ano, quando em 7 de agosto do ano passado,

  • foi convidado a um podcast da empresa para explicar a função do órgão
  • e a importância dos serviços de armazenamento digital na Saúde.

Quatro dias depois, foi exonerado do cargo;

  • menos de um mês depois, assumia o posto de Gerente de Desenvolvimento de Negócios Estratégicos da Amazon Web Services.
  • Mesmo que não haja uma ilegalidade expressa, especialistas acham que o caso deveria ser analisado por órgãos competentes, e ser questionado pelo claro conflito de interesses.

“Um servidor assumir um cargo na empresa que tem relação com o ministério em que atuava, logo após sua saída do governo, pode atentar contra os princípios da administração pública”,

afirmou à reportagem o advogado Martim Arantes, que tem experiência na relação entre poder público e sociedade civil.

Além disso,

  • o governo ignorou a estrutura pública, como a do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) e da Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência (Dataprev),
  • com expertises em processamento de dados e ampla experiência na gestão de informações digitais da população.

Deixando de lado a questão da ética questionável,

  • é importante observar que a entrega da estrutura pública para os serviços privados
  • pode impactar a população, ainda mais quando o país atravessa uma pandemia.

Em dezembro do ano passado, por exemplo,

  • um ataque cibernético derrubou o site do ministério da Saúde e o aplicativo ConecteSUS – responsável por fornecer o Certificado Nacional de Vacinação Covid-19.
  • O ataque ocorreu na infraestrutura de nuvem privada contratada pela empresa Primesys,
  • sob um acordo com o governo brasileiro que não incluía serviços de segurança, apenas hospedagem.

E a crise de apagão caiu como uma luva para as intenções negacionistas de Bolsonaro, que adiava a aprovação da exigência de passaporte vacinal às pessoas enquanto o mundo enfrentava uma nova onda causada pela variante ômicron, como mostrou o Outra Saúde.

 

Lucas Scatolini

Fonte: https://outraspalavras.net/outrasaude/tenebrosas-transacoes-no-ministerio-da-saude/

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>