Ucrânia, um grande desafio para o Ocidente. Entrevista com Andrea Graziosi

.

Simonetta Fiori – 04 Março 2022

Foto: O medo a escuridão e a esperança de fugir de Kherson cidadfe ucraniana conquistada pelos russos / DAQUI

Amazon.com: Andrea Graziosi: Livros, biografia, blog, audiolivros, Kindle

“A guerra de Putin na Ucrânia é um divisor de águas cuja dimensão histórica é equiparável ao colapso da União Soviética em 1991. E, ainda mais do que a dissolução da URSS, ela representa um desafio para o Ocidente que hoje deve se reinventar”

Autor de livros sobre a URSS traduzidos em todo o mundo, fellow do Harvard Ukrainian Research InstituteAndrea Graziosi é o historiador italiano que estudou o genocídio ucraniano por obra de Stalin, a quem é dedicado o livro “Lettere da Kharkov” (Foto: Reprodução) , publicado em 1991 pela editora Einaudi.
.
A entrevista é de Simonetta Fiori, publicada por La Repubblica, 01-03-2022. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

 

Eis a entrevista.

Andrea Graziosi | Ukrainian Research Institute at Harvard University

Andrea Graziosi /Foto: Daqui

Por que a guerra na Ucrânia marca um ponto de virada?

Ela nos obriga a olhar para a realidade. E a sair da bolha em que várias décadas de bem-estar e de paz nos encerraram. Putin é um “louco” movido por um plano lúcido, mas preferimos ignorá-lo. Em vez disso, bastava ouvir o seu “discurso”.

 

Qual é essa narrativa?

Há pelo menos 15 anos, ele vem teorizando a reconstrução de uma grande potência eslava dominada pela Rússia e baseada na ordem, hierarquia, ideologia iliberal e desprezo pelo Ocidente corrupto.

A sua retórica se alimenta de pedaços da história muito diferentes.

  • Por um lado, ele remonta ao nacionalismo grão-russo anterior a 1914.
  • Por outro recupera a herança de Stalin ao escolher a vitória soviética na Segunda Guerra Mundial como o evento legitimador do novo Estado russo: uma guerra de libertação dos nazistas, certamente;
  • mas também – como Vasily Grossman nos contou – uma guerra de opressão dos povos do Leste Europeu.

A essas raízes históricas,

  • acrescenta-se a retórica da humilhação que o povo russo teria sofrido depois do colapso da URSS.
  • O mito da nação humilhada move as guerras. Basta pensar no uso que Hitler fez delas.

 

Você está dizendo que havia todas as premissas para uma nova guerra imperial?

agressão da Ucrânia nasce dentro desse “discurso” de czar refundador.

  • Desde 2014, Putin tenta conquistar um país ao qual não reconhece a autonomia:
  • para ele, os ucranianos são russos liderados por um governo ilegal construído pelos ocidentais após a expulsão do seu emissário Yanukovych.
  • Daí a retórica oficial segundo a qual ele manda os tanques para libertar o povo dos governantes “drogados” e “nazistas”.

Mas a resistência dos ucranianos desmentiu a sua ideologia: já se viu algum libertador rejeitado desse modo?

  • Outra verdade demonstrada por esta guerra é que, para existir, você deve resistir.
  • Ucrânia já existia antes, mas até que ponto ela era realmente reconhecida pelos europeus?

De fato, éramos culturalmente subalternos à propaganda de Putin: só víamos a Rússia e, relegado em um canto, “o país das cuidadoras”.

A resistência à agressão colocou a Ucrânia de volta no mapa mental daEuropae além.

Esta guerra teve o efeito de nos precipitar novamente no século XX: por um lado, o tirano; por outro, as democracias ocidentais.

Na realidade, ela nos leva de volta ao início do século XX, a uma época histórica anterior à Grande Guerra,

  • quando existiam as grandes potências
  • e as relações internacionais ainda não tinham conhecido o wilsonismo e o princípio da autodeterminação.
  • Rússia e a Turquia permanecem prisioneiras desse esquema, de uma política de anexações e divisões.

Hoje, sobre a mesa de negociações, quer-se a divisão da Ucrânia.

Um salto para trás além do século XX?

Por 70 anos, a Rússia viveu separada da Europa. Quando a URSS entrou em colapso, esperávamos que pudesse haver uma nova convergência com a Europa e os valores do Ocidente. Mas esse processo fracassou por enquanto: a ferida provocada por 1917 não cicatrizou.

Nos últimos dias, tanto Putin quanto o presidente Zelensky usaram uma palavra do século XX como “genocídio”. Que traços culturais e psicológicos o genocídio de Stalin deixou na Ucrânia de hoje?

Em 1932, Stalin usou a fome para esmagar a construção nacional ucraniana iniciada nos anos 1920. E, na memória contemporânea dos ucranianos, o Holodomor é a experiência que define o seu século XX, além de ser o fundamento da reconstrução estatal de 1991.

A partir dessa escolha, a Ucrânia foi forçada a se apresentar como uma nação aberta, inclusiva, não étnica. Não é por acaso que o presidente é judeu.

  • E é interessante a contraposição dessa memória vitimista
  • e a memória russa, que, como vimos, se baseia na exaltação do poder.

Você defende que a guerra ucraniana representa hoje um desafio maior do que em 1991. Por quê?

  • Naquela época, parecia que havia um Ocidente sólido: bastava estar do lado certo do mundo para resolver todos os problemas.
  • Mas hoje não existe mais um modelo confiável: nos Estados Unidos havia Trump, na Europa sopram os ventos soberanistas.

Hoje temos que reconhecer que

  • o Ocidente nascido em 1945 a partir de uma Europa pequena e do gigante americano não existe mais: é um objeto histórico deteriorado.
  • Então, é preciso inventar um novo Ocidente.

Esta guerra nos dá a oportunidade para repensá-lo. E eu espero que dê aos italianos um renovado senso de realidade de que precisamos em matéria de energia, assim como de demografia ou dos grandes planos econômicos lançados antes da guerra, em condições já distantes.

 

Intervista a Simonetta Fiori | Mangialibri dal 2005 mai una dieta

.

Simonetta Fiori

Fonte: https://www.ihu.unisinos.br/616608-ucrania-um-grande-desafio-para-o-ocidente-entrevista-com-andrea-graziosi

Leia mais:

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>