Putin e os europeus unidos no paradoxo. Artigo de Alberto Negri

.

Alberto Negri – 24 Fevereiro 2022 – Foto: DAQUI

“O motor da economia europeia está nas mãos de Putin e o dinheiro europeu está financiando o esforço bélico russo. Sairemos disso?”, escreve Alberto Negri, filósofo italiano, em artigo publicado por Il Manifesto, 23-02-2022. A tradução é de Luisa Rabolini.

Eis o artigo.

 

Mesmo quando se tornou independente em 1991, Ucrânia continuou ausente do imaginário europeu até 2014. Uma Europa não totalmente Europa.

Ao reconhecer as repúblicas do DonbassPutin conseguiu uma operação magistral: torná-la uma nação “mártir”, apesar dos componentes fascistas e neonazistas.

  • Um país de duvidoso conteúdo democrático,
  • com governos manobrados por oligarcas e uma administração corrupta,
  • hoje é o símbolo da nova fronteira europeia.

Uma nação que se destaca por ter na consciência um milhão e meio de judeus exterminados com os nazistas durante a Segunda Guerra Mundial e que nunca sequer processou um criminoso de guerra.

No entanto,

  • esta é a nova Europa,
  • onde o Dia da Memória foi arrancado do calendário
  • e a secular língua russa foi excluída dos idiomas oficiais.

Não é uma Europa bonita, aliás, é bastante minguada em princípios e valores,

  • que Putin, no entanto, com suas decisões
  • tornou aceitável e digna de ser defendida,
  • negando em seu discurso sua existência como nação soberana.

Ele criticou, como Tommaso Di Francesco apontou ontem, até mesmo Lenin, sem perceber que o despertar da Ucrânia não havia sido inventado por ele, mas já existia há tempo na história e no mito.

Putin hoje é atribuída a maior culpa, mas a guerra ou a “quase guerra” é um crime com cúmplices.

  • Em primeiro lugar, os Estados Unidos, que permitiram que as relações com a Rússia se degradassem ao máximo:
  • já se passaram quase três anos desde que se retiraram do tratado sobre mísseis intermediários na Europa
  • e se recusaram a negociar outro acordo que levasse em conta uma Rússia bem diferente daquela em esfacelamento de trinta anos atrás.

As próprias exigências de Moscou para conter a expansão da OTAN  foram tratadas com desprezo,

  • como se os EUA e a Aliança Atlântica tivessem empilhado gloriosas vitórias militares
  • em vez de uma série de derrotas, do Afeganistão ao Iraque, da Síria à Líbia,
  • para terminar recentemente com o Mali, onde Bamako preferiu se aliar à Companhia de mercenários russos Wagner em vez dos ex-colonialistas franceses e da Europa.

No entanto, os EUA haviam sido advertidos por George Kennan, o artífice da política de contenção da URSS, em 1997:

  • “A ampliação da OTAN é o erro mais grave da política estadunidense desde o fim da Guerra Fria …
  • essa decisão despertará tendências nacionalistas e militaristas antiocidentais
  • … forçando a política externa russa na direção oposta à que queremos”.

E este péssimo resultado foi alcançado

  • com a crise ucraniana,
  • a implantação de mísseis nas fronteiras da Rússia,
  • mas também com o caso da OTAN no Kosovo em 1999 e os ataques a Kadafi na Líbia em 2011:
  • em ambos os casos, a OTAN e os EUA não se limitaram a “proteger” a população como prometido,
  • mas implementaram mudanças de regimes e status político de regiões inteiras, afundando outras no caos.

Mas talvez o pior tenha ficado para a Europa.

Sendo impalpável uma política externa da União – Borrell é uma espécie de ectoplasma – a OTAN sobrepôs-se completamente a Bruxelas.

  • Os países europeus seguiram como um rebanho o cão pastor estadunidense cujas iniciativas aceitaram,
  • terminando, como no Afeganistão, por compartilhar com os EUA um desastre orquestrado essencialmente por Washington.

Afinal, o objetivo dos estadunidenses nesta crise é enviar aos europeus duas mensagens:

1) eles devem pagar cada vez mais a conta da OTAN 

2) eles devem parar de comprar gás russo.

E aqui chegamos ao paradoxo:

  • hoje somos nós, europeus, que financiamos os esforços bélicos da Rússia para impor sua esfera de influência.
  • De fato, estamos nas mãos de Putin, que por sua vez conta conosco como clientes de primeiro escalão.

Desde que Moscou anexou a Crimeia em 2014, a dependência da Europa do gás russo foi aumentando.

  • Em 2014, a União Europeia importou 30% de suas necessidades de gás de Moscou,
  • mas a incidência subiu para 44% em 2020 e para 46,8% em 2021.
  • Os dados para a Itália estão substancialmente alinhados com as médias europeias.

Putin sabe isso perfeitamente, tanto que Moscou apressou-se a tranquilizar os europeus, principalmente a Alemanha e a Itália, sobre o fornecimento de metano essencial para o funcionamento de suas economias.

É por isso que, apesar das sanções decididas em Londres e Bruxelas, respira-se um ar constrangedor nas capitais do continente. A própria decisão alemã de bloquear o gasoduto Nord Stream 2 com a Rússia tem um significado mais político do que concreto: este gasoduto nunca entrou em operação.

Mas o melhor está por vir.

O aumento do consumo e dos investimentos em 2021 e outros fatores contribuíram para a multiplicação do preço do gás na Europa de quatro a cinco vezes.

Assim, a Rússia também multiplicou o faturamento da Gazprom, mesmo reduzindo significativamente a oferta. A isto acrescentamos que Moscou continua a ser o principal fornecedor individual de petróleo na Europa, com uma quota de 25%.

Em suma, o motor da economia europeia está nas mãos de Putin e o dinheiro europeu está financiando o esforço bélico russo.

Sairemos disso?

 

Alberto Negri | ISPI

.

Alberto Negri

Fonte: https://www.ihu.unisinos.br/78-noticias/616449-putin-e-os-europeus-unidos-no-paradoxo-artigo-de-alberto-negri

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>