A dança da influência russa na América Latina

CONFLITOSRÚSSIA
Bombardeiro russo TU-160 na Venezuela, em 2018
Gabriel González Zorrilla – 17 fevereiro 2022 – Foto: DW
Bolsonaro foi a Moscou duas semanas após o presidente argentino oferecer seu país como “porta de entrada” para Rússia na região. Líderes da Venezuela e Colômbia também tentam usar crise da Ucrânia na política interna.

No início de fevereiro, o presidente argentino, Alberto Fernández, já havia manifestado, de forma enfática, o desejo de que a Rússia tivesse um papel mais forte na região:

“Queremos ver como a Argentina poderia se tornar uma porta de entrada para a América Latina, de modo que a Rússia possa ganhar uma posição mais importante na América Latina”,

disse o argentino durante uma reunião com Putin em Moscou.

Pouco antes, a Rússia parecia estar disposta a corresponder esse desejo, em termos militares. Em resposta ao que Moscou vê como um desrespeito aos interesses de segurança russos na Europa, a Rússia estaria cogitando aumentar sua presença militar em Cuba e na Venezuela.

“Não quero confirmar nem descartar nada”,

disse em meados de janeiro o vice-ministro russo do Exterior, Sergei Ryabkov.

 

Alberto Fernandez cumprimenta Vladimir Putin em Moscou
Presidente argentino Alberto Fernández fez declarações enfáticas a Putin em Moscou no início de fevereiroFoto: Sergei Karpukhin/TASS/dpa/picture alliance 

Ameaça de nova crise dos mísseis?

No Ocidente, tais palavras evocam a memória da crise dos mísseis em Cuba, em 1962. Na época, a instalação de mísseis russos em Cuba levou o mundo à beira da guerra nuclear. Ao final, chegou-se a um acordo.

  • Os navios russos com mísseis a bordo deram meia-volta,
  • e os Estados Unidos retiraram da Turquia os mísseis de médio alcance que poderiam alcançar Moscou.

A Rússia busca um acordo semelhante na crise da Ucrânia?

Günther Maihold, especialista em América Latina da Instituto Alemão de Assuntos Internacionais e de Segurança (SWP), em Berlim, é bastante cético em entrevista à DW:

“Criar uma nova crise dos mísseis cubana tem pouco potencial de inovação. Seria apenas uma cópia ruim.”

Ele avalia que

  • segue baixa a chance de a Rússia realmente aumentar sua presença militar na América Latina,
  • por exemplo com mísseis ou bombardeiros de longo alcance.

Cuba e Venezuela são hoje países muito fracos e sem peso na região para isso, afirma:

“No campo do discurso, porém, a construção de um cenário de ameaça por parte da Rússia certamente funciona.”

 

Provocações fazem parte do jogo diplomático

Também não é a primeira vez que a Rússia sugere aumentar seu envolvimento militar na América Latina.

  • Em 2008, a Rússia ameaçou estacionar bombardeiros nucleares Tu-160 de longo alcance em Cuba e na Venezuela, em reação a planos do Ocidente de instalar um sistema de defesa antimíssil na Polônia e na República Tcheca.
  • Em 2014, a mídia russa informou sobre a possível reativação da antiga base soviética Lourdes, perto de Havana.
  • A estação de escuta segue desativada até hoje, mas aparentemente serve à Rússia vez ou outra como uma ameaça para advertir os EUA para que não ultrapasse certos limites na Europa.

Venezuela e Colômbia exploram o conflito

Além das ameaças simbólicas de Moscou, os países latino-americanos e os atores regionais têm seus próprios interesses e estão tentando se beneficiar da crise da Ucrânia. Por exemplo, o governo de Nicolás Maduro, na Venezuela.

“Maduro tem interesse em colocar seus problemas em cima desse confronto, a fim de parecer interessante para a Rússia e possivelmente ganhar vantagens”,

explica Maihold.

Uma dessas vantagens seria, por exemplo, encontrar outro pretexto para finalmente enterrar as rodadas de diálogo com a oposição venezuelana.

 

Nicolás Maduro fala em evento da ONU

Presidente venezuelano Nicolás Maduro busca proximidade à Rússia – Foto: picture alliance/dpa/Prensa Miraflores

 

A vizinha Colômbia, o único “parceiro global” da Otan na América Latina, aparentemente também descobriu a possibilidade de fazer da crise da Ucrânia um capital político. Em sua atual viagem à Europa, o presidente Iván Duque não perdeu a oportunidade de apontar o perigo que a Rússia representaria na região.

Na segunda semana de fevereiro, o ministro do Exterior colombiano, Diego Molina, mencionou a presença de militares russos na Venezuela, na região fronteiriça com a Colômbia, e falou de “interferência estrangeira”. Perigo real ou manobra de político interna?

A Colômbia realizará eleições parlamentares em março e presidenciais no fim de maio, nas quais um candidato de esquerda é considerado o mais provável sucessor do direitista Duque.

  • “Iván Duque mencionou a presença russa como uma ameaça à Colômbia por razões políticas domésticas”, afirma Maihold.
  • “Foi uma manobra para associar um determinado candidato da campanha eleitoral a uma ameaça comunista fictícia.”

 

Abstinência autoimposta do México

Segundo Maihold,

  • o fato de atores regionais da “segunda e terceira fila” estarem tentando aparecer no cenário mundial
  • também se deve ao fato de a América Latina ter perdido muito espaço na política internacional.
  • Os pesos-pesados regionais México e Brasil praticamente não desempenham nenhum papel no palco mundial, no momento.

No México, por exemplo, o presidente Andrés Manuel López Obrador, que comanda a segunda economia mais importante da América Latina, fez da não-interferência um princípio. O perfil da política externa mexicana perdeu tanta força, que dificilmente se pode esperar alguma influência no cenário internacional.

 

 

López Obrado
Governo de López Obrador negociou 24 milhões de doses da vacina russa Sputnik V para o MéxicoFoto: Luis Barron/Eyepix/NurPhoto/picture alliance

 

Contudo, no início de 2021, López Obrador convidou Putin para ir ao México. Na ocasião, ambos discutiram ao telefone a entrega de 24 milhões de doses da vacina russa Sputnik V.

A diplomacia da vacina na América Latina poderia valer muito mais a pena e ser mais sustentável para a Rússia do que o custoso e politicamente arriscado envio de aeronaves e mísseis.

Argentina busca saída para sua crise

Alberto Fernández também tinha a vacina russa em mente. Era possível quase adivinhar isso ao vê-lo elogiando efusivamente o país, durante sua visita a Moscou:

 “Estamos muito gratos por o senhor ter estado presente quando ninguém mais quis nos dar vacinas”,

disse o presidente da Argentina a Putin.

“A maneira como Fernández declarou seu país uma porta de entrada para a Rússia na América Latina me surpreendeu”,

disse Maihold.

  • Mas o mandatário também está buscando seus próprios interesses, ao se aproximar da Rússia:
  • seu país está muito endividado com o Fundo Monetário Internacional e busca maneiras de se livrar dessa dependência.

Apesar da atual atenção às atividades da Rússia na América Latina, em conexão com a crise na Ucrânia, a presença de Moscou na região não é, de qualquer forma, concorrência para a China, assegura Günther Maihold.

De maneira silenciosa, há longo tempo o gigante asiático já ganhou influência muito maior.

Gabriel González Zorrilla

Fonte: https://www.dw.com/pt-br/a-danca-da-influencia-russa-na-america-latina/a-60806299

 

 

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>