Canonista alerta os padres para o ‘mundanismo espiritual’: preocupação excessiva com correção litúrgica, ortodoxia radical, vestimentas, carreirismo

Elise Ann Allen Foto: 15 Fevereiro 2022 – © Wong Maye-E/AP
Antes de uma conferência de alto nível sobre o sacerdócio, o proeminente canonista jesuíta Pe. Gianfranco Ghirlanda alertou para os riscos das mídias sociais e o apego excessivo às devoções externas, enfatizando a importância do serviço.

A reportagem é de , publicada em Crux, 14-02-2022. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

 

Scheda - Pontificia Università Gregoriana

Pe. Gianfranco Ghirlanda – Foto: Scheda – Reprodução

Falando ao CruxGhirlanda disse que a vida espiritual de um padre é essencial para seu ministério, e o maior perigo que ele vê para uma vida espiritual saudável é aquilo que o Papa Francisco chamou de “mundanismo espiritual”.

O mundanismo espiritual, disse ele, significa

“esconder-se atrás de formas externas de devoção, correção litúrgica, ortodoxia radical, de modos sempre corretos, de estar sempre em ordem, mas para proteger a própria busca de segurança e benefício pessoal”.

Trata-se de uma obsessão pelos detalhes externos, como

  • as abotoaduras extravagantes nas mangas de uma camisa,
  • e de uma atitude espiritual que “pode levar ao carreirismo, perdendo de vista o fato de que o ministério é um serviço aos outros e não a si mesmo”, disse ele.

Ex-reitor da Pontifícia Universidade Gregoriana, administrada pelos jesuítas, e renomado conselheiro do Vaticano  para assuntos canônicos, Ghirlanda falou antes de um grande seminário vaticano sobre o sacerdócio, agendado para os dias 17 a 19 de fevereiro e intitulado “Rumo a uma teologia fundamental do sacerdócio”.

O próprio Ghirlanda proferirá uma conferência sobre a “Vida santa dos clérigos: perspectiva teológico-canônica” no último dia do seminário, que será aberto pelo Papa Francisco, que falará sobre “Fé e sacerdócio hoje”.

O seminário irá explorar vários aspectos da vida sacerdotal, incluindo o voto do celibato.

 

O cardeal canadense Marc Ouellet, prefeito da Congregação para os Bispos do Vaticano, disse que

  • o seminário ouvirá várias perspectivas sobre o celibato sacerdotal e sobre o sacerdócio casado.
  • No entanto, no passado, ele defendeu o voto como um dom para a Igreja e como um ato de fé, e disse que a discussão no seminário não se limitará apenas a esse tema.

Em sua entrevista ao CruxGhirlanda  alertou para o perigo que a “eficiência” representa para a vida espiritual de um padre, dizendo que ela se torna um problema quando um padre está

  • “exercendo o ministério como se os efeitos positivos dependessem dos seus próprios esforços e dos meios aplicados,
  • esquecendo-se de que só se é eficaz pela ação da graça,
  • embora combinada com tudo o que o sacerdote põe à disposição”.

“É perder de vista que tudo deve ser feito como se dependesse de nós, conscientes de que tudo depende de Deus”,

disse ele, citando a passagem bíblica:

“Quando tiverem cumprido tudo o que lhes mandarem fazer, digam: Somos servos inúteis”.

Ghirlanda também alertou para o uso indevido das mídias sociais na era digital, dizendo que elas “podem distrair muito um padre” e podem “tirar muito tempo, desnecessariamente”.

“Não quero demonizar as mídias sociais, porque, quando bem usadas, também podem ser um instrumento apostólico muito válido”,

disse ele, mas podem levar à “armadilha” daquela que ele chamou de curiosidade doentia.

A tela, disse ele,

“gera uma curiosidade que nunca é satisfeita e, portanto, gera outra curiosidade sobre notícias, informações etc., que nem sempre é necessária”,

enquanto uma vida espiritual saudável requer um tempo longe do mundo digital voltado para a oração e a meditação sobre as Escrituras e a vida de Jesus.

“Às vezes, a intrusão das redes sociais elimina” esse espaço de “silêncio interior” necessário a uma oração genuína, disse ele.

Ghirlanda apontou para

  • a natureza hiperpolitizada, polêmica e muitas vezes tóxica do debate público hoje,
  • especialmente no mundo online,
  • e observou que a própria Igreja não está imune a isso.

“A Igreja e, portanto, os padres vivem na história e em uma sociedade específica. Infelizmente, o espírito da divisão e da polêmica também penetra na Igreja, disse.

As polarizações, disse ele,

“são criadas onde todos acreditam que têm a verdade absoluta e não estão dispostos a ouvir os outros”.

Isso, disse Ghirlanda, é aquilo que o Papa Francisco chamou deautorreferencialidade”,que é uma atitude na qual

“eu encontro a verdade apenas em mim mesmo e não preciso de nenhuma verificação externa, de nenhuma objetificação”.

“Isso fecha todo diálogo, leva a uma atitude polêmica e excludente em relação aos outros que não pensam como eu”,

o que não é saudável para a vida e o ministério sacerdotais, disse ele.

Na visão de Ghirlanda, o sinal mais forte de uma vida espiritual saudável para um padre

“é o serviço, é passar a vida inteira a serviço dos outros, não reservando nada para si mesmo”.

“É claro que isso não é fácil, e a busca de implementação é para toda a vida”,

disse ele, dizendo que um verdadeiro espírito de serviço

“é aquele ‘abandonar tudo’ que Jesus pede e que esperamos conseguir realizar pelo menos no fim da vida.”

 

Imagem

 

https://cruxnow.com/vatican/2022/02/top-canonist-warns-against-dangers-of-social-media-forriests?utm

 

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>