Governo Bolsonaro ‘abriu a porteira’ para agrotóxicos perigosos em 2021

Ambiente – “Boiada” tóxica


Cida de Oliveira, publicada por RBA, 30-01-2022. – Foto: Reprodução

 

O governo de Jair Bolsonaro deu um forte impulso à liberação de agrotóxicos dos mais perigosos em 2021, segundo parecer da professora Sonia Corina Hess, titular de Química da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Campus de Curitibanos.

O estudo foi encomendado pelo Ministério Público Federal, Ministérios Públicos Estaduais, órgãos do Poder Judiciário federal e dos estados, além do Fórum Nacional e fóruns estaduais de combate aos impactos dos agrotóxicos e transgênicos, entre outras instituições.

A reportagem é de Cida de Oliveira, publicada por RBA, 30-01-2022.

 

Os dados levantados pela professora apontam para uma escalada na aprovação de produtos altamente perigosos no ano passado. O pacote

  • inclui itens banidos na União Europeia (UE) há mais de 20 anos
  • ou que jamais conseguiram ser liberados justamente por causar sérios danos à saúde humana.

“A proibição desses produtos na UE está associada aos efeitos adversos a humanos e a outros organismos resultantes da exposição aos ingredientes químicos de agrotóxicos”,

destaca em seu parecer.

 

Agrotóxico imagens de stock, fotos de Agrotóxico | Baixar no Depositphotos

Foto: DAQUI

É o caso da atrazina, usada para matar as chamadas ervas invasoras.

Foi princípio ativo de 25 dos mais de 500 produtos liberados no ano passado, enquanto o país assistia ao aumento de mortes causadas pela covid-19 e ao retorno do Brasil ao vergonhoso mapa de fome, de onde havia saído em 2014.

  • Em 2019, o composto estava em 12 dos “novos e menos tóxicos” agroquímicos liberados para uso no país. No ano seguinte, em outros nove.
  • Não é à toa que a atrazina tenha sido banida na União Europeia em 2004.
  • O princípio ativo está associado a diversos tipos de câncer – estômago, próstata, ovários, tireoide –, ao desenvolvimento da Doença de Parkinson e do Mal de Alzheimer. Também à infertilidade e malformação congênita.

 

quimioterapia

Pesquisas em todo o mundo apontam os agrotóxicos como causador de vários tipos de câncer – Foto: DAQUI

Outro exemplo é o fipronil. Desenvolvido para matar insetos, formigas e cupins, é o terror das colmeias, segundo diversos estudos.

  • O produto é associado a alterações bioquímicas no sangue
  • e é tóxico ao fígado e ao sistema nervoso central.
  • Mesmo assim, é princípio ativo de 21 produtos liberados para o agronegócio no ano passado.
  • Em 2019 foram nove e em 2020, 15.

Sua salada altamente tóxica

  • De 1º de janeiro a 31 de dezembro de 2021 foram aprovados 552 agrotóxicos para uso no Brasil, dos quais 96 eram produtos contendo ingredientes ativos biológicos.
  • Outros 181 eram produtos técnicos com ingredientes ativos químicos que entram na produção de outros agrotóxicos.
  • Finalmente, 275 eram produtos com ingredientes ativos químicos formulados (49,8%).

Tereza Cristina: ministra da Agricultura ligadisima ao agronegócio. Chamada pelos europeus: Miss Desmatamento e Musa do Veneno. O rato tomando conta do queijo. – Foto: DAQUI

 

Conforme o parecer, o maior número de “novos agrotóxicos”, como prefere a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, e seus apoiadores ruralistas, são destinados às culturas de soja, milho, algodão e cana-de-açúcar. Conforme a pesquisadora Larissa Bombardi, citada no parecer, 52% dos agrotóxicos utilizados no Brasil são aplicados nos latifúndios de soja;

  • 10% nos de milho;
  • 10% em cana-de-açúcar;
  • e 7%, no algodão.

Ou seja, mais de 80% daqueles produtos agrícolas

  • não são destinados a produtos para alimentação humana,
  • mas sim à alimentação animal.
  • Ou ainda, à produção de commodities que, juntamente com café, maçã e citros, constituem a base do agronegócio brasileiro.

Brasileiros consomem 7 litros de agrotóxicos por ano – AUTOSSUSTENTÁVEL

Imagem: Reprodução

 

No entanto, a professora Sonia Hess alerta para o fato de que

  • muitos desses agrotóxicos registrados no Brasil em 2021
  • têm usos autorizados também para muitas culturas agrícolas até de hortaliças e frutas.
  • E isso apesar dos comprovados efeitos tóxicos dos ingredientes ativos presentes.

Um exemplo é o inseticida, formicida e acaridicida de nome bifentrina, princípio ativo de 15 agrotóxicos liberados em 2021. Segundo pesquisas recentes ele é tóxico ao sistema nervoso central, está ligado ao desenvolvimento de obesidade e à desregulação endócrina.

Mesmo assim,

  • está livre para ser aplicado em alimentos como
  • acelga, agrião, alface, almeirão, brócolis, centeio, cevada, chicória, couve, couve-chinesa, couve-flor, couve-de-bruxelas, espinafre, repolho, rúcula, tomate
  • e muitas outras hortaliças recomendadas para mais saúde e perda de peso.

 

Cida de Oliveira

Fonte: https://www.ihu.unisinos.br/616084-governo-bolsonaro-abriu-a-porteira-para-agrotoxicos-perigosos-em-2021

 

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>