Izkia Siches, a médica que garantiu a vitória de Gabriel Boric no Chile

Izkia Siches fala durante o encerramento da campanha de Gabriel Boric, em 16 de dezembro de 2021 em Santiago do Chile.
Izkia Siches fala durante o encerramento da campanha de Gabriel Boric, em 16 de dezembro de 2021 em Santiago do Chile.CRISTOBAL OLIVARES (BLOOMBERG)

Estrela da luta contra covid-19, o gerente de campanha do presidente eleito está despontando como uma figura poderosa do novo governo.

Quando a pandemia covid-19 consumiu o prestígio dos líderes chilenos com infecções e mortes, um médico que agora tem 35 anos estava emergindo como uma figura na cena política. Izkia Siches esteve em março de 2020 à frente da Faculdade de Medicina, entidade sindical, e de canais de televisão, rádios e redes sociais alertou quem quisesse ouvi-la da seriedade do que estava por vir.

Na terceira semana daquele mês fatídico, Siches conversou pessoalmente com o presidente, Sebastián Piñera, reuniu à mesma mesa os líderes de todos os partidos políticos e se reuniu com os legisladores.

Ela ordenou que todos eles coordenassem uma quarentena nacional para prevenir a propagação do vírus.

Houve então menos de 200 casos positivos de covid e Siches estava semeando no deserto. Mas as evidências provaram que ele estava certo.

 A médica Izkia Siches logo se tornou a mulher mais popular do país.

 

Izkia Siches em uma selfie durante um evento de campanha.
Izkia Siches em uma selfie durante um evento de campanha.CORTESIA

 

Siches despertou paixões em cada cidade e mobilizou jovens e mulheres, setor tradicionalmente abstencionista em um país sem voto obrigatório desde 2012.

Em 19 de dezembro, Boric venceu entre as mulheres com menos de 30 anos com quase 70% dos votos contra seu rival, o far- certo José Antonio Kast.

Siches renovou a campanha do candidato e, com palavras simples, convenceu os eleitores centristas que temiam Boric por sua aliança com o Partido Comunista.

A mulher que durante a pandemia alertou para os riscos e recomendou claramente as soluções, era agora uma das figuras mais poderosas do Approve Dignity, a aliança do novo Governo.

Izkia Siches é uma líder fora do comum desde o berço. Filha de técnica médica e contadora, nascida em Arica (norte), sua mãe queria um nome que chamasse a atenção.

“É por isso que ele inventou”, Izkia disse há muito tempo. A mulher misturou

  • Iskra, nome de origem croata,
  • com Iskay, número dois em quíchua.

 Izkia é a segunda filha do casamento. A mais velha, também médica, chama-se Vinsja, em homenagem a uma Miss Chile da época. Se era preciso se destacar, era no documento de identidade.

A jovem Izkia não decepcionou a mãe. Formou-se na Universidade do Chile, onde pôde ingressar em 2004 graças às suas brilhantes notas em uma escola secundária inadequada para quem deseja seguir uma carreira.

Siches sempre temeu que o Instituto Bernardo O’Higgins não fosse “emblemático” o suficiente para os padrões do elitismo educacional chileno e que suas qualificações não fossem suficientes para ingressar na carreira de Medicina. Seu esforço pessoal, porém, acabou quebrando a barreira.

 

Izkia Siches fala com Gabriel Boric durante uma coletiva de imprensa para apresentar sua incursão à equipe antes da segunda rodada em 26 de novembro de 2021 em Santiago, Chile.

Izkia Siches fala com Gabriel Boric durante uma coletiva de imprensa para apresentar sua incursão à equipe antes da segunda rodada em 26 de novembro de 2021 em Santiago, Chile.AGÊNCIA MAKRO (GETTY IMAGES)

Na universidade, tornou-se líder estudantil, ingressou e se desfiliou da Juventude Comunista (que considerava dogmática demais) e se aproximou dos jovens da Frente Ampla que anos depois vieram ao La Moneda como representantes da nova esquerda latino-americana.

Na lista estavam Boric e também Giorgio Jackson, parlamentar e atual braço direito do presidente eleito.

Formada por jovens nascidos no final da ditadura de Augusto Pinochet, a Frente Amplio não carrega o peso do medo de um retorno do autoritarismo para atrasar as mudanças que, considera, os partidos tradicionais da transição democrática não puderam ou fizeram. não sei como aplicar no Chile.

Esses jovens políticos pedem mais igualdade e um estado de bem-estar que distribua os frutos do crescimento econômico com eqüidade.

Como médica, Siches se dedica ao cuidado de pacientes com HIV em hospitais. Promove a legalização total do aborto (hoje é apenas em três casos), se declara feminista e defende uma agenda de mais direitos para a comunidade LGTBI. Em 2017, ela se tornou a primeira mulher presidente da Faculdade de Medicina em 70 anos, e a mais jovem.

“Os presidentes da Faculdade de Medicina sempre foram homens, brancos e em sua maioria conservadores. Sou uma mulher, jovem, de esquerda, de cabelos escuros, de Arica, meio aimará, de olhos puxados, criada em Maipú [comuna de classe média de Santiago], educada em uma escola de temperos que ninguém conhece ”,

disse ela então.

Siches havia vencido nas eleições sindicais com 53% dos votos o candidato apoiado pelo presidente cessante, Enrique Paris, com seis anos de mandato. Paradoxos políticos, Paris é hoje o Ministro da Saúde de Piñera e, como o timoneiro da pandemia, ele teve que suportar a marca pessoal de Siches.

Seu trabalho durante a pandemia a tornou uma celebridade, embora ainda apolítica.

  • Em fevereiro de 2021, ela foi escolhida pela revista Times como um dos 100 líderes emergentes do mundo.
  • Sua análise foi escrita pela Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos e ex-presidente socialista do Chile, Michelle Bachelet.

“Com apenas 34 anos, a Dra. Izkia Siches Pastén já demonstrou uma liderança incrível e um potencial enorme. Milhões de eleitores chilenos compartilham seus sonhos de um serviço de saúde moderno, dando esperança de que Izkia veio para ficar ”,

escreveu Bachelet.

Sem saber, a médica estava recebendo a bênção da política tradicional chilena para abrir caminho até o topo.

 

Gabriel Boric cumprimenta Izkia Siches, em 26 de novembro de 2021.
Gabriel Boric cumprimenta Izkia Siches, em 26 de novembro de 2021.AGÊNCIA MAKRO (GETTY IMAGES)

No encerramento da campanha anterior ao segundo turno, no dia 19 de dezembro, na Plaza Almagro, em Santiago, Siches

  • subiu ao palco sob gritos e aplausos da torcida do Boric.
  • A reação foi espontânea, prova de sua popularidade.
  • Enquanto Boric falava, a multidão convocou uma candidatura presidencial para Siches em 2026.

Na noite da vitória eleitoral, Boric já havia anotado o trunfo que havia escolhido como ato de abertura.

  •  Ele pegou a mão de Siches e a ergueu entrelaçada com a sua enquanto o povo celebrava a vitória da nova esquerda.
  • Dias depois, Siches estava lá novamente, junto com o presidente eleito, para a primeira visita oficial ao La Moneda, onde o presidente Piñera os esperava.
  • Boric ainda não definiu os nomes de seu gabinete de ministros, mas não há dúvida de que Siches estará na lista.
Federico Rivas Molina
É editor da edição América do EL PAÍS de Buenos Aires, onde é correspondente do jornal desde 2016. É formado em Ciências da Comunicação pela Universidade de Buenos Aires e mestre em Jornalismo pela Universidade Autônoma

Fonte: https://elpais.com/internacional/2022-01-09/izkia-siches-la-medica-

Mais informação:

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>