Religião a mais? Deus e dignidade

Obras de misericórdia espirituais - Irmãos de Jesus Misericordioso - Contemplativos

Só quando for vivida adequadamente no “templo” do mundo a religião verdadeira da justiça e do amor, terá sentido pleno celebrar nos templos a alegria gozosa da vida e da fraternidade em Deus.

 

1. O filósofo Henri Bergson, na obra famosa As Duas Fontes da Moral e da Religião, mostrou a distinção entre dois tipos de religiosidade.

A primeira – a religiosidade estática –

  • tem a sua base na angústia da morte e no sentimento de abandono perante uma Natureza tantas vezes cruel,
  • e, a partir do instinto de sobrevivência, procura protecção divina para a pequenez humana.

A outra – a religiosidade dinâmica –

  • assenta na intuição do Mistério Último experienciado como amor.
  • Esta exprime a grandeza do ser humano e apoia-se na experiência de pessoas excepcionais – os místicos.

Mas a mística autêntica e completa é acção, pois o místico verdadeiro, “através de Deus, por Deus, ama a Humanidade inteira com um amor divino”.

Não há corte radical entre as duas formas, mas é necessário reconhecer que há vivências mais e menos perfeitas da religião e uma consciência de nível mais alto neste domínio.

Quando o núcleo da religião é vivido no amor, não só termina a intolerância como se impõe a compreensão entre as pessoas, independentemente da sua confissão religiosa.

Foi assim que, por exemplo, no sufismo, corrente mística do islão,

  • houve a visão clara de que, insistindo no aspecto amoroso da religião,
  • se dava a aproximação com Jesus, sem necessidade de abandonar a profissão islâmica.

Kamil Hussein escreveu:

Se sentes no profundo de ti mesmo / que isso que te incita ao bem é o teu amor por Deus / e o teu amor pelos homens que Deus ama; / se pensas que o mal consiste em afastar-se dos homens / porque Deus os ama, como te ama a ti, / e que perdes o teu amor a Deus se causas dano àqueles que Ele ama, / isto é, a todos os homens, / tu és discípulo de Jesus, seja qual for a religião que professes.”

Há um tremendo equívoco na afirmação corrente “católico não praticante”, referida só à prática dos rituais religiosos.

De facto, como escreveu Nietzsche, 

“só uma vida como a d’Aquele que morreu na cruz é cristã”.

No Juízo Final,

  • não se pergunta se se foi à Missa ou a Fátima, mas se se foi ao encontro dos mais necessitados:
  • deste-me de comer, de beber, de vestir, foste ver-me ao hospital, na cadeia…

Os primeiros cristãos tiveram de defender-se da acusação de ateísmo:

  • de facto, não só recusaram o culto oficial romano como não tinham aqueles sinais que aparentemente fazem parte da essência da religião: templos, altares para o sacrifício…
  • Mas amavam Deus e Jesus e o seu sinal distintivo era o amor: “Vede como eles se amam”, diziam os pagãos.
  • E celebravam com alegria o memorial que Jesus deixara na Última Ceia, a Eucaristia.

Na perspectiva cristã pode e deve perguntar-se:

  • para quê o culto oficial, em ordem a aplacar a divindade e propiciar a sua benevolência, se Deus se revelou definitivamente como amor?
  • Só quando for vivida adequadamente no “templo” do mundo a religião verdadeira da justiça e do amor,
  • terá sentido pleno celebrar nos templos a alegria gozosa da vida e da fraternidade em Deus.

Por isso, enquanto “a prática cristã” a que se referia Nietzsche for anémica, poder-se-á dizer com razão que no sentido corrente de ritos e cerimónias até há religião a mais.

 

2. Nestes tempos conturbados, é urgente insistir na questão da religião e da dignidade.

De facto, tantos homens e mulheres e crianças que foram escravizados, humilhados, torturados, física e espiritualmente, com base na religião! Pense-se na Inquisição, na tragédia dos abusos de menores… E ainda se degola gente da forma mais bárbara, argumentando com o Alcorão…

  • Houve, e há ainda, homens e mulheres para quem teria sido preferível nunca ter ouvido falar em Deus,
  • melhor: não ter tido contacto com certas formas de religião.

De facto, a religião foi muitas vezes para muitos causa de desgraça, de infelicidade, de tortura física e interior: pense-se nas guerras de base religiosa, na queima das bruxas, nos escrúpulos, nos traumas sexuais…

Mas, depois desta constatação, é preciso também proclamar bem alto:

  • o Deus em nome do qual se humilhou, se torturou, se escravizou, não é Deus.
  • É apenas um ídolo que os seres humanos criam para satisfazer as suas loucuras, afugentar os seus medos e legitimar a sua ânsia de dominação.

Uma religião que conduz à menoridade mental, que escraviza, que faz andar de rastos, das duas uma: ou é uma religião falsa ou os crentes interpretam-na mal.

A razão é simples:

  • Deus tem de ser, repito constantemente, pelo menos, melhor do que nós.
  • Ora, um ser humano sadio não pode querer a menoridade de ninguém, não pode tolerar a humilhação, a injustiça, a escravatura, a indignidade…

Por isso, é preferível não acreditar em Deus a acreditar num Deus que humilha o Homem, o escraviza, o torna menor…

Se o crente, pelo facto de o ser,

  • não se sente mais humano, mais livre, mais digno,
  • com uma obrigação acrescentada de lutar por mais dignidade, por mais liberdade, por mais fraternidade, por mais alegria,
  • só tem uma coisa a fazer: deixar de acreditar.

Nisto, os ateus, não os ateus vulgares, mas os que sabem o que isso quer dizer, vêem por vezes mais claro do que os próprios crentes.

Ernst Bloch, por exemplo, viu bem, quando, aliás na linha de Hegel, escreveu que na religião autêntica se exprime a infinita dignidade de ser Homem.

Foi ele também que disse que até ele se inclinaria perante um cardeal ou bispo que dissesse e praticasse aquela palavra de Jesus, referente ao Juízo Final:

“Aquilo que fizestes a um destes meus irmãos mais pequeninos foi a mim que o fizestes.”

 

.

Anselmo Borges

Padre e professor de Filosofia. Escreve de acordo com a antiga ortografia

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>