Papa deve enviar Greta Thunberg para a COP26 em seu lugar

A reportagem é de Thomas Reese, jornalista, jesuíta, publicada por National Catholic Reporter, 12-10-2021.

 

 

26a. Conferência das Partes, conhecida como COP26, será praticamente a mesma, com cerca de 30.000 pessoas chegando a Glasgow, na Escócia, para a reunião anual da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, que foi estabelecida em Eco Rio – 1992.

Cerca de 200 países são signatários desta convenção e serão representados por altos funcionários do governo, incluindo

  • o presidente dos EUA,  Joe Biden,
  • o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson
  • e outros líderes mundiais.

Foi na reunião da COP21 de 2015 em Paris que os governos concordaram em cortar suas emissões de carbono para lidar com o aquecimento global.

A reunião deste ano, de 31 de outubro a 12 de novembro, analisará o progresso dos países no cumprimento de suas promessas no acordo climático de Paris e decidirá quais ações adicionais precisam ser tomadas.

Papa Francisco não comparecerá à reunião.

No início deste mês, ele se juntou a cientistas e líderes religiosos para

“implorar à comunidade internacional, reunida na COP26, para tomar uma ação rápida, responsável e compartilhada para proteger, restaurar e curar nossa humanidade ferida e o lar confiado à nossa administração”.

Representando a Santa Sé na COP26 estará o secretário de Estado, Pietro Parolin, Secretário de Estado do Vaticano.

Nenhuma explicação  foi dada para a ausência do papa, o que é uma reversão dos planos anteriores.

  • Alguns repórteres especularam que era por motivos de saúde, já que ele fez uma cirurgia de cólon em julho.
  • Mas isso não o impediu de visitar a Áustria e a Eslováquia em setembro.

Talvez ele tenha ouvido a ativista sueca do clima Greta Thunberg, que tem sido muito crítica à resposta dos líderes mundiais à crise climática. Em uma cúpula do clima da juventude em 5 de outubro, em Milão, Itália, ela os acusou de falarem e não agirem.

  • “Reconstrua melhor, blá, blá, blá”, disse ela em uma referência clara a Biden. A retórica vazia dos líderes europeus também foi criticada.
  • “Economia verde, blá, blá, blá. Emissões de carbono zero até 2050, blá, blá, blá. Clima neutro, blá, blá, blá.

Isso é tudo que ouvimos dos nossos chamados líderes. Palavras, palavras que parecem ótimas mas até agora não levaram a nenhuma ação”.

Talvez o papa tenha decidido ficar de fora da reunião e com os marginalizados, em vez de participar do “blá, blá, blá” e deixou isso para o Cardeal Parolin, um diplomata profissional.

Mas seria bom levar Greta para a sala para que ela pudesse falar com os líderes mundiais.

Tenho uma sugestão:

dê a Greta a cadeira do papa na reunião. Que ela faça parte da delegação do Vaticano à COP26 com todas as credenciais diplomáticas para que ela possa ir a qualquer lugar, comparecer a qualquer reunião e falar pelas crianças do mundo.

Que Parolin seja o diplomata; que Greta seja Greta.

Chega de “blá, blá, blá”. As crianças do mundo exigem ações que protejam seu futuro. Isso significa cumprir com os compromissos assumidos em Paris para reduzir as emissões de carbono e ajudar os países mais pobres na transição para uma economia verde.

 

 

Leia mais:

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>