O Chile mostra que ainda podemos despertar

.

OUTRASPALAVRAS – MOVIMENTOS E REBELDIAS

por  08/10/2021 – Foto: DAQUI

Como o país sulamericano mais submetido ao fascismo e às políticas neoliberais insurgiu-se? Livro desnuda o processo surpreendente que, em poucos meses, sacudiu a desesperança, levou à Constituinte e pode refundar o país.

 

Este artigo é a introdução do livro Chile em chamas: a revolta antineoliberal, de Tinta Limón, recém-publicado pela Editora Elefante, parceira editorial de Outras Palavras.

“O que se abriu em 18 de outubro [de 2019] é de tal intensidade que é difícil pensar que em curto ou médio prazo possa se fechar.”

Assim o jovem prefeito de Valparaíso, Jorge Sharp, avalia a profundidade das mudanças que estão em curso no Chile.

 

  • “Esta explosão é fortemente territorial”, explica.
  • Nela se levantou um amplo “julgamento histórico popular”, diz Javiera Manzi, da Coordinadora Feminista 8M,
  • cuja “dimensão destituinte é chave”, completa Alondra Carrillo.

Para ambas, a revolta social chilena de 2019 escancarou os caminhos para uma nova “imaginação política radical”.

“As pessoas se cansaram da democracia representativa e demandam participação”,

  • resume Luís Mesina, porta-voz do movimento No+AFP,
  • que luta contra as associações de fundos de pensão,
  • expressão da previdência privatizada no Chile.

“É o paradigma neoliberal chileno que pode ser despedaçado pela cidadania”, aposta.

O coletivo Vitrina Dystópica complementa:

“Há um componente transversal nas lutas e no mal-estar […]. O elemento disparador dessa transversalidade é o movimento feito pelos estudantes secundaristas” para denunciar a “armação frágil do endividamento”.

Feministas, estudantes, aposentados, trabalhadores, desempregados, indígenas, indignados, empobrecidos, endividados…

Entre outubro de 2019 e março de 2020,

  • as ruas chilenas foram ocupadas por um gigantesco “baile de los que sobran” [dança dos excluídos],
  • como dizia a canção de Los Prisioneros em 1986.

Na perigosa “primeira linha”,

  • jovens com pedras e escudos coloridos, audazes,
  • treinados durante uma década e meia de enfrentamentos com os carabineros, a polícia chilena.

Pela primeira vez, os “radicais” do corpo a corpo foram aplaudidos como heróis anônimos de uma rebelião de massas contra o sistema neoliberal.

A revolta chilena “politizou o mal-estar”.

Sua consequência mais visível foi

  • a possibilidade histórica de enterrar o neoliberalismo de Augusto Pinochet, Sérgio de Castro (1)e Jaime Guzmán, (2)
  • abolindo a atual Constituição do país criada em 1980 pela ditadura
  • e jogando no lixo o conceito de “subsidiariedade do Estado”,
  • refundando o país em bases profundamente populares e verdadeiramente democráticas.

Neste livro,

  • todas as vozes vêm das ruas, trazendo consigo a potência política dos combates verdadeiros.
  • Das periferias, dos territórios espoliados, das vidas precárias, dos sem-teto e sem-aposentadoria.

São as vozes

  • dos transgressores, daqueles que conscientemente querem escapar ao controle neoliberal
  • e, para isso, confeccionam uma nova historicidade solidária que alimenta a luta coletiva.
  • São os criadores de uma “poética da rebelião”,
  • artífices da disputa pelo poder que se expressa com simbolismo nas palavras dos muros,
  • nas performances feministas, nos murais, na derrubada dos monumentos,
  • em cada palmo dos territórios convertidos ao utilitarismo do capital.

Esta obra oferece ao leitor brasileiro dezesseis capítulos de autoria individual e dois de autoria coletiva, que apontam as múltiplas dimensões de uma grande transformação. Uma polifonia orientada a um mesmo horizonte histórico da recomposição do comum.

Por isso, Chile em chamas é um retrato representativo da diversidade e da inteligência plural do novo sujeito popular que se formou no país.

 

  • Há pelo menos trinta anos, o “modelo chileno” é tratado pelas elites neoliberais latino-americanas como um primoroso exemplo de desenvolvimento e liberdade de capitais.
  • O “tigre” do continente, um paraíso estável dentro de uma região caótica, o vizinho que deu certo.

Pelo menos desde 2006, quando eclodiu a revolta dos estudantes secundaristas contra a educação neoliberal e o endividamento — a chamada Revolta dos Pinguins, em referência ao terninho usado como uniforme escolar —,

  • os chilenos acenderam um estridente sinal de alerta sobre a farsa da normalização do “pinochetismo sem Pinochet”.
  • Em 2019, essa farsa perdeu qualquer base lógica de sustentação.

O “modelo” é baseado

  • na dessocialização radical do trabalho,
  • na desagregação de qualquer associativismo solidário,
  • na sociabilidade individualista,
  • na capitalização da previdência
  • e, sobretudo, no endividamento generalizado como dispositivo de controle social.

No Chile,

  • os direitos sociais são inconstitucionais, pois os mecanismos de gratuidade e as garantias de direitos pelo Estado ferem as “liberdades do mercado”.
  • O Estado subsidiário atravanca o uso do fundo público para o bem-estar comum.
  • A classe trabalhadora foi convertida ao status de consumidora empobrecida e desamparada.

Não são só trinta anos, são 47 (ou talvez mais de quinhentos, como ensinam os povos indígenas).

No recrudescimento do mal-estar chileno, reinava

  • o “masoquismo do mérito”,
  • a espoliação dos territórios,
  • a delinquência normalizada dos ricos.

Faz parte do pacote o cinismo das promessas individualistas, o triunfo do egoísmo, o desalento popular.

Nunca se deve esquecer que, para criar o “modelo chileno”, a ditadura de Pinochet

  • matou pelo menos 3.216 pessoas,
  • torturou 38.254,
  • roubou mais de sete milhões de hectares de camponeses e indígenas,
  • demitiu 230 mil trabalhadores
  • e exilou duzentos mil compatriotas.

Isso é o que dizem os relatórios das Comissões da Verdade de 1991, 2001, 2004 e 2011.

Entre outubro de 2019 e janeiro de 2020, para proteger o “modelo”,

  • o governo do presidente Sebastián Piñera prendeu 22 mil pessoas,
  • feriu quatro mil (sendo 282 crianças),
  • torturou mil cidadãos (ou mais, pois este número diz respeito aos que tiveram coragem de denunciar),
  • produziu traumas oculares em 460 chilenos,
  • violentou sexualmente 183 vítimas
  • e assassinou 27 vidas.

Tudo isso em quatro meses, dentro de uma “democracia protegida”, blindada contra experimentos populares de tipo allendista. (3)

Muito mais do que narrar perspectivas políticas e compartilhar imaginações radicais, as vozes das ruas que falam neste livro mostram que o Chile pode ser a fronteira de uma revolução epistemológica dos paradigmas anticapitalistas na América Latina.

Ali, protagonizam as esquerdas

  • que trocam o centralismo e o estatismo do século XX pela diversidade, pelas economias do cuidado e pela recriação do comunitário;
  • que dispensam as formas hierárquicas pelas horizontais;
  • que apostam na pluralidade de vozes anônimas e desconfiam dos poderes excessivamente individuais;
  • que disputam o Estado como poder popular destituinte, jamais para fazer pactos com as nuances brandas do sistema.

Mas não basta destituir. A revolta chilena também foi constituinte.

Foto: Reprodução

Não falo apenas da nova Constituição, que será gestada pela maioria antineoliberal da Convenção Constituinte — cuja presidência será ocupada por Elisa Loncón, uma mulher mapuche.

Falo também

  • da “constituição” de novos sentidos de solidariedade cotidiana nos bairros periféricos impactados pela crise do coronavírus, pela fome e pelo desemprego;
  • da “constituição” de novos laços sociais e históricos entre os derrotados de muitas gerações;
  • da “constituição” de perspectivas, práticas, valores e afetos da humanidade que se quer ser, construída coletivamente a partir de agora.

Há um giro epistemológico das esquerdas no Chile, impulsionado por feminismos alternativos (ecológicos, indígenas, plurais, cuidadores e combativos). Os feminismos e as perspectivas indígenas cumprem um papel pedagógico na reinvenção das infraestruturas do bem-estar comunitário.

O poder destituinte das ruas aponta uma dialética das lutas revolucionárias, nas quais destruir o poder vigente do neoliberalismo em seu berço demanda simultaneamente

  • forjar os novos sentidos solidários para a vida popular
  • e recriar a estratégia anticapitalista no calor da luta:
  • destituir e constituir, como parte dos mesmos gestos políticos.

O modelo chileno está virando do avesso. Agora somos nós, os precários do Brasil e da América Latina, que podemos aprender com o Chile.

Chile em chamas: a revolta antineoliberal é um pequeno passo para essa longa aprendizagem.

______________

(1) Ministro da Fazenda do Chile entre 1976 e 1982. [n.e.]

(2) Senador, fundador do partido conservador Unión Demócrata Independiente, colaborador jurídico de Augusto Pinochet e um dos principais artífices da Constituição de 1980. [n.e.]

(3) Referência a Salvador Allende, presidente do Chile entre 1970 e 1973, quando se suicidou dentro do Palácio La Moneda ao ser vítima do golpe de Estado liderado por Augusto Pinochet. [n.e.]

 

Joana Salém Vasconcelos - Loja Cult

JOANA SALÉM VASCONCELOS

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>