Papa Francisco visitará Glasgow para as negociações climáticas da COP-26?

UN Climate Change Conference (UNFCCC COP 26) | La Communauté du Pacifique

Proteger o ambiente e encorajar urgentemente os líderes mundiais a agirem para combater as mudanças climáticas foram algumas das marcas registradas do papado de Francisco.

A reportagem é de Christopher Lamb, publicada em The Tablet, 25-02-2021. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

 

Papa Francisco cronometrou a publicação da sua histórica encíclica ecológica, Laudato si’, para influenciar na cúpula do clima em Paris em 2015, a COP-21, que levou a um acordo histórico para reduzir as emissões globais de carbono.

De 1º a 12 de novembro de 2021, o Reino Unido, em parceria com a Itália, sediará a conferência da ONU sobre as mudanças climáticas COP-26 em Glasgow. Será o encontro mais importante de líderes mundiais para tratar do aquecimento global desde Paris, e os organizadores estão planejando que seja um evento presencial.

Visto que as viagens papais vão recomeçar na semana que vem, será que o papa poderia fazer uma visita a Glasgow? Fontes da Igreja disseram à The Tablet que a ideia está sendo avaliada.

Vale ressaltar que,

  • no dia 15 de janeiro de 2021, a embaixadora do Reino Unido junto à Santa SéSally Axworthy, foi recebida em audiência privada por Francisco.
  • Presume-se que a COP-26 fez parte da conversa, embora não se saiba se uma visita foi discutida.

Obviamente, a programação da COP ainda não foi confirmada, e planejar qualquer viagem durante uma pandemia é algo cheio de incertezas. Neste momento, os escritórios vaticanos relevantes estão focados na próxima visita do papa ao Iraque.

No entanto, Francisco não precisa de convite para ir à COP.

  • Todos os países signatários da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima têm o direito de participar do evento em Glasgow, incluindo a Santa Sé, Estado observador da ONU.
  • No entanto, cabe a cada Estado decidir que nível de representação enviará.
  • O cardeal Pietro Parolin, o diplomata mais importante do Vaticano, liderou as delegações da Santa Sé nas cúpulas anteriores.

Uma viagem papal a Glasgow também estaria de acordo com o papel mais ativo que a Santa Sé desempenhou na ONU durante o pontificado de Francisco e apoiaria o “multilateralismo”.

O papa nunca quis que a Igreja ficasse à margem do debate sobre as mudanças climáticas. Falando aos diplomatas no Vaticano no início deste mês, ele disse esperar que

“a próxima Conferência das Nações Unidas sobre o Clima (COP-26), prevista para Glasgow em novembro próximo, permita encontrar um entendimento eficaz para enfrentar as consequências das mudanças climáticas. Esta é a hora de agir, pois já podemos tocar com as mãos os efeitos de uma inação prolongada”.

Dias antes da COP de Paris,

  • Francisco fez um discurso no escritório da ONU em Nairóbi,
  • alertando que o fracasso em chegar a um acordo para proteger o planeta seria uma catástrofe.
  • Mais tarde, após a realização da cúpula, houve rumores de que ele ajudou a resolver o impasse, ao telefonar para o presidente da Nicarágua, encorajando-o a assinar o acordo.

A mudança para uma diplomacia vaticana mais pró-ativa também foi mencionada recentemente pelo cardeal Parolin, que descreveu

  • o papel da Santa Sé no cenário mundial como de “neutralidade positiva”,
  • que não se limita a olhar pela janela, mas constrói um diálogo entre os países.

Do ponto de vista do governo do Reino Unido, uma visita do papa teria vantagens óbvias.

  • A presença de Francisco tornaria a cúpula uma ocasião histórica
  • e ajudaria a construir um consenso sobre os esforços para proteger o planeta.

Para o primeiro-ministro, Boris Johnson, a presença do papa poderia desviar a atenção do outro convidado especial esperado em Glasgow, o presidente Joe Biden.

  • A relação de Johnson com o presidente dos EUA não tem sido tranquila,
  • enquanto Biden, um cético em relação ao Brexit, supostamente teria descrito Johnson como “um clone físico e emocional” do ex-presidente Donald Trump.
  • Um papa em Glasgow tiraria o foco das dificuldades de Johnson com Biden.

Nicola Sturgeon, primeira-ministra da Escócia e líder do Partido Nacional Escocês (SNP, na sigla em inglês), pode não estar tão entusiasmada com esse cenário. No entanto, suas objeções seriam temperadas pelo apoio católico que o SNP recebeu.

Se o papa realmente viajar para a Escócia, é provável que seja algo curto, e o voo de três horas e meia entre Roma e Glasgow possibilitaria uma viagem de um dia. O papa já fez esse tipo de visitas antes, quando voou para Estrasburgo para discursar no Parlamento Europeu e à Suíça para comemorar o 70º aniversário do Conselho Mundial de Igrejas. Ambas foram viagens de um dia.

  • Se o papa for à Grã-Bretanha para encorajar as negociações sobre as mudanças climáticas, ele será apoiado pelo arcebispo de CanterburyJustin Welby,
  • que trabalha em estreita colaboração com Francisco.
  • Nessa quarta-feira, 24, ele anunciou que o bispo de NorwichGraham Usher, assumiria o comando do esforço ambiental da Igreja da Inglaterra.

Quando se trata de proteger o planeta, Francisco tem se mostrado disposto a usar todas as alavancas disponíveis para fazer mudanças. Por esse motivo, uma viagem papal a Glasgow, a segunda de um papa em uma década, não deve ser descartada.

 

Zoom with Christopher Lamb Wednesday February 10th 2021 at 7.00pm. Association of Catholic Priests

 

 

 

Leia mais:

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>