A América em declínio

A distopia política dos anos Trump não é explicável como um mero acidente eleitoral numa democracia, como uma escolha absurda de cidadãos mal informados. Vai além das causas imediatas, como o perigoso populismo demagógico e manipulador de Donald Trump.

É também o resultado de uma conjugação extraordinariamente negativa de circunstâncias políticas, económicas e identitárias, só apreensível olhando para os sinais de tensões e declínio da América das últimas décadas.

 

1.Poderia ter sido uma cena de um enredo distópico de um filme de Hollywood passado numa América quase irreconhecível. Poderia ter sido também um episódio ficcional da Marvel com as suas inúmeras histórias fantásticas de super-heróis bizarros (Batman, Homem de Ferro, Super-Homem, etc.) que actuam numa América e num mundo repleto de poderosos vilões e de justiceiros incorruptíveis.

Mas o reality show que foi a Presidência Donald Trump, um entertainer, provocador e governante de facção, acabou num real e absurdo clímax de pesadelo:

  • o assalto ao Capitólio pelos seus partidários extremistas do Make America Great Again (MAGA),
  • que se vêem como defensores da ordem contra a corrupção e anarquia da América liberal e dos Antifa (movimento antifascista).

Apesar do insólito que foram os seus anos no poder, Trump conseguiu deixar estupefactos os amigos e os aliados dos EUA e todos aqueles que se habituaram a admirar as suas instituições democráticas.

  • Para além da atitude de enorme irresponsabilidade democrática e politicamente (muito) perigosa deste Presidente — que, com as reiteradas acusações de fraude eleitoral feitas sem provas substanciais, encorajou os seus apoiantes mais radicais a tomarem de assalto o Capitólio —,
  • há uma longa engrenagem de fractura e declínio da América.
  • Para a compreender não basta olhar o imediato, nem os anos turbulentos do Governo de Donald  Trump.

Existe um problema estrutural mais profundo e multifacetado pelos motivos que vou explicar em seguida.

2. Há 30 anos, na imagem da América vencedora do final da Guerra Fria, a generalidade do mundo viu a mais formidável hiperpotência da história da humanidade — a expressão foi popularizada nos anos 90 pelo ministro dos Negócios Estrangeiros francês da época, Hubert Védrine.

Como sempre aconteceu com as grandes potências ao longo da história humana,

  • tal percepção de poder originou no mundo exterior sentimentos muito ambivalentes de admiração, de respeito e de vontade de imitação,
  • mas originou também medo, desprezo e um profundo ódio.
  • No centro desses sentimentos contraditórios encontrava-se também o american way of lifeprojectado pela nascente globalização.

Era vista pelos críticos mais cáusticos como um disfarce de uma americanização imposta. Em qualquer caso, para amigos e inimigos, a América era, ou parecia ser, uma hiperpotência imbatível.

Foto: Fachada do edifício do Capitólio, EUA KENT NISHIMURA/LOS ANGELES TIMES VIA GETTY IMAGES

 

Todavia, na complexidade interna do seu funcionamento existiam já engrenagens de dissensão e de declínio em marcha, ainda que poucos se apercebessem da sua real importância.

Ao longo das últimas décadas,

  • essas engrenagens aumentaram de intensidade e convergiram entre si,
  • originando fortes tensões políticas, económicas e sociais-identitárias.
  • As guerras do Afeganistão e do Iraque tiveram também aí um papel que não pode ser ignorado.
  • Não trouxeram ganhos estratégicos de relevo para o país (funcionaram até como distracção para a ascensão da China),
  • mas dissiparam avultados recursos financeiros e provocaram perdas de vidas humanas, como acontece sempre em conflitos militares.

A partir de 2016, sob a acção de Donald Trump, todas essas tensões latentes se tornaram fracturas expostas, mas esse é apenas o lado óbvio e visível da engrenagem de fractura e de declínio. É necessário alargar a perspectiva de análise e olhar para a América nas suas múltiplas facetas, num período temporal mais longo.

3. Provavelmente não é possível compreender a América de hoje sem olhar também para o extraordinário sucesso que o país teve durante o século XX. Especial atenção merece o período entre a I e a II Guerra Mundial, onde passou de um Estado quase ausente das grandes questões internacionais para uma potência dominante e incontornável na política mundial. As duas guerras mundiais, que foram essencialmente grandes guerras europeias, tiveram um papel decisivo nessa enorme transformação.

  • Enquanto a Europa — a área mais avançada do mundo em termos intelectuais, científicos e tecnológicos — se afundava nessas guerras desastrosas,
  • a América recebia milhões de europeus à procura de melhores condições de vida material, ou fugindo de perseguições políticas e de lutas bélicas.

Nessas migrações em massa — e especialmente devido aos totalitarismos nazi, fascista e estalinista —,

  • uma grande parte da elite intelectual, artística, científica europeia deslocou-se para a América.
  • Provavelmente nunca na história humana um país acolheu um fluxo migratório tão grande de pessoas.
  • Mas em momento nenhum da história da humanidade um país recebeu, no meio de um enormíssimo fluxo migratório de todos os tipos, tanta gente tão altamente qualificada num período tão curto de tempo.

É necessário dizer que

  • a América recebeu essa extraordinária injecção de capital humano qualificadíssimo também pelos seus próprios méritos,
  • pois a atracção que exercia no mundo exterior, como terra de liberdade, de bem-estar material e de futuro, era enorme.

Todavia, sem qualquer dúvida, o imenso salto científico e tecnológico que os EUA deram, sobretudo entre os anos 20 e 50, tem também conexão com esse fluxo migratório. Apenas um exemplo:

  • o Projecto Manhattan, que levou os EUA a serem o primeiro Estado a dispor da bomba atómica,
  • provavelmente não teria sido possível sem as migrações que levaram Albert Einstein, Enrico Fermi e J. Robert Oppenheimer (neste caso, os seus antepassados), entre muitos outros, para a América.

Foto: Einstein no momento em que recebe a cidadania norte-americana, em 1940 – DIVISÃO DE GRAVURAS E FOTOGRAFIAS DA BIBLIOTECA DO CONGRESSO DOS EUA

 

4. Essa conjugação única de circunstâncias deu lugar a um poder, influência e prosperidade material ímpares da América no mundo.

  • A memória desse período, ainda muito próximo temporalmente,
  • projecta-se no início do século XXI e cria uma profundíssima insatisfação para muitos americanos com o actual rumo do seu país.
  • É necessário lembrar que foi nessa altura que as instituições federais e democráticas, refundadas após a guerra civil dos anos 1860, se consolidaram e ganharam grande prestígio interno e internacional.

Ao mesmo tempo, a crescente prosperidade material permitiu um optimismo contínuo e generalizado na população americana, mesmo entre os mais pobres e desfavorecidos oriundos de sucessivas vagas migratórias. A expectativa era de poderem vir a enriquecer e a ascender socialmente, se não eles próprios, pelo menos os seus filhos. 

A América do pós-guerra surgiu também numa posição internacional única, de primazia política, económica, comercial e financeira.

  • A Organização das Nações Unidas (ONU) foi fundamentalmente uma criação americana.
  • As organizações de Bretton Woods (FMI, Banco Mundial e o GATT – Acordo Geral sobre Tarifas Aduaneiras e Comércio),
  • tal como o dólar no centro do sistema monetário internacional,
  • são expressões internacionais dessa posição única.

Por outras palavras, o sistema internacional de instituições multilaterais foi largamente uma criação americana, com ganhos de poder, influência e prosperidade material, mas também, naturalmente, com custos para o país.

5. Colocando o problema da América actual em perspectiva, há também uma extraordinária ironia histórica.

Tradicionalmente, era comum os europeus menosprezarem a América pela sua falta de passado.

Comparada com a sofisticação cultural e histórica europeia, a América era criticada

  • pelo seu vazio cultural
  • e pelo seu novo-riquismo confrangedor,
  • sem verdadeiro passado nacional.

Os americanos contra-argumentavam

  • com a ausência dos terríveis conflitos nacionais dos europeus;
  • e também com a ascensão social com trabalho árduo, exemplificada no self-made man — termo cunhado no século XIX nos EUA —,
  • em contraste com a estratificação e peso dos privilégios herdados entre os europeus.

Na América, podia ser-se alguém importante pelo seu próprio valor; na Europa, raramente quem não vinha das famílias privilegiadas conseguia ascender socialmente e ser importante. Quanto à identidade americana, não era vista à maneira das velhas nações europeias que acabaram por se (auto)destruir em sucessivas guerras. Era um novo e promissor melting pot,um caldeirão de culturas e de raças que se fundiam numa nova identidade americana (a popularização da expressão deve-se a uma peça de teatro de Israel Zangwill, The Melting Pot).

Foto: Manifestantes pró-Trump às portas do Capitólio, do dia 6 de Janeiro MICHAEL NIGRO/PACIFIC PRESS/LIGHTROCKET VIA GETTY IMAGES

 

Nessa identidade nacional, o passado

  • dosPilgrimsque viajaram  em 1620 a bordo do Mayflower para se estabelecerem na América;
  • dos pais fundadores da República (George Washington, Benjamin Franklin, Thomas Jefferson, Alexander Hamilton, etc.) e do Estado federal contra a opressão da potência colonial britânica;
  • e das múltiplas vagas de migrantes (europeus) que se estabelecerem no território americano e o expandiram continuamente para oeste até ao Pacífico

eram um passado orgulhosamente partilhado e celebrado. Unia as elites das grandes cidades da costa Leste e Oeste, as populações suburbanas e as populações rurais da imensidão territorial do interior da América.

Mas essa orgulhosa (auto)imagem identitária desagregou-se ao longo das últimas três ou quatro décadas e hoje não há nenhuma narrativa nacional amplamente partilhada.

A América está envolvida numa disputa identitária que parece quase saída de uma distopia orwelliana onde quem controla o passado controla o futuro; quem controla o presente controla o passado”.

  • Há visões cada vez mais intolerantes e extremadas sobre o que é ser americano,
  • as quais são, simplificadamente, a narrativa histórica anteriormente descrita, ancorada no tradicional melting pot;
  • e a multicultural, que substitui essa narrativa por múltiplas narrativas de grupos anteriormente ignorados — povos indígenas, afro-americanos, hispânicos, asiáticos, muçulmanos, etc.
  • apagando a tradicional visão do passado e transformando os antigos heróis da histórica americana em novos vilões.

6. Por razões simultaneamente políticas, económicas e identitárias, para muitos americanos

  • a América de hoje defrauda a imagem que se habituaram a ter do país e de si mesmos,
  • incluindo as expectativas de bem-estar material e de ascensão social.
  • Tudo isso provoca profundas frustrações que convergem ao mesmo tempo, com grande intensidade.

Um caso que merece aqui atenção

  • é o do sistema político-partidário, que contraria a ideia de contínua renovação e fácil ascensão política e social.
  • No passado, esse foi um dos grandes factores de atracção da América para muitos.
  • Mas no lugar de um sistema meritório e aberto emergiu uma oligarquia que funciona em círculo (quase) fechado.

O elevado tempoa de permanência em cargos políticos cimeiros e a idade avançada dos principais protagonistas políticos são dois indicadores claros.

  • No Partido Republicano vemos isso, por exemplo, em Mitch McConnell: tem 78 anos, sendo uma presença no Senado desde os anos 80 (chefia desde 2007 os republicanos nessa câmara parlamentar).
  • Quanto a Donald Trump, tem 74 anos e chegou a Presidente dos EUA em 2016. Anteriormente, não tinha ocupado qualquer cargo político a nível federal, sendo, nesse aspecto, uma excepção, o que lhe permitiu seduzir (e iludir) os eleitores fartos do establishment.
  • Já o seu vice-presidente, Mike Pence, tem 61 anos e está na política federal desde os anos 2000.

No caso do Partido Democrata,

  • quem chefia o partido na Câmara dos Representantes é Nancy Pelosi, actualmente com 80 anos. Será novamente chefe parlamentar durante os próximos dois anos, ocupando desde a década de 80 cargos federais e no Congresso.
  • Quanto ao futuro Presidente, Joe Biden, do Partido Democrata, tem 78 anos e desde a década de 80 ocupa cargos no Senado e nos círculos dirigentes de Washington.
  • Por sua vez, o seu principal rival nas eleições primárias, Bernie Sanders, com 79 anos, é membro da Câmara dos Representantes e depois do Senado desde o início dos anos 90.
  • A única renovação, ou a aparência dela (veremos), é Kamala Harris, que, com 56 anos, chegou ao Senado nas últimas eleições de 2016 e foi agora eleita vice-presidente.

7. O problema

  • não é só o sistema político-partidário com tonalidades oligárquicas que dificulta a renovação política (e a ascensão social),
  • nem a fractura identitária que perpassa a América.

A globalização impulsionada pelas elites do país no final dos anos 80 e década de 90

  • provocou significativas rupturas e amplificou as disparidades na sociedade norte-americana.
  • Promoveu a deslocalização de muitos empregos, sobretudo industriais, para o mundo exterior, onde os custos de trabalho eram mais baixos,
  • do vizinho México à cada vez mais poderosa e rival China.

Foram assim eliminados milhões de postos de trabalho razoavelmente bem pagos e que permitiam progressão social e bem-estar para uma classe média-baixa.

Ao mesmo tempo,

  • as contínuas vagas migrações não-qualificadas, agora oriundas do resto do mundo não-europeu, especialmente da América Latina pela proximidade geográfica,
  • pressionaram permanentemente os salários para uma contenção ou redução.

Para além disso, a maioria dos empregos que a economia americana criou nas últimas décadas é relativamente mal paga e/ou precária.

A tudo isto acresceu a crise financeira de 2008 e as marcas profundas que deixou na economia e na sociedade.

Foto: Agentes da Guarda Nacional, dormem no Capitólio pouco antes do início do debate sobre o impeachment contra Donald Trump, que viria a ser aprovado pela Câmara dos Representantes JOSHUA ROBERTS/REUTERS

 

Assim, as classes médias-baixas suburbanas e as populações do interior da América estão entre os maiores perdedores da globalização.

  • Os maiores ganhadores estão sobretudo em Wall Street (banca e sector financeiro) e em Silicon Valley (as grandes empresas de tecnologia ligadas à economia digital).
  • Ambos são grandes financiadores dos dois partidos — os primeiros tipicamente dos republicanos e os segundos esmagadoramente dos democratas.

Não é surpreendente que entre os milhões de americanos que sofreram perdas de bem-estar, que viram as suas expectativas de ascensão social interrompidas — e que sentem os valores culturais e religiosos em que acreditam menosprezados e atacados —, se tenha instalado um sentimento de revolta contra as elites que tradicionalmente governam o país. Também não é surpreendente que, nessas circunstâncias, o centro político tenha quase desaparecido.

8. A distopia política que foi a Presidência de Donald Trump não é explicável como um mero acidente eleitoral. Nem pode ser só vista como uma escolha absurda de eleitores mal informados numa democracia pluralista onde há liberdade efectiva de escolher quem governa.

  • A compreensão do que se passou na América vai além das causas óbvias — desde logo, o populismo demagógico e manipulador de Donald Trump.
  • Vai também além do radicalismo ideológico de direita ou de extrema-direita que esteve na origem do assalto ao Capitólio. Seria mais simples (e mais fácil de ultrapassar) se fosse só assim.

É uma conjugação extraordinariamente negativa de múltiplas circunstâncias políticas, económicas e identitárias, na qual republicanos e democratas têm também grandes responsabilidades.

Nesse passado, como foi explicado, uma extraordinária conjugação de circunstâncias favoráveis, particularmente entre os anos 20 e os anos 50, projectou a América para uma situação única de prosperidade material e de poder no mundo.

Nos anos 2020 — veremos como será a seguir — a história trouxe à América um amargo processo inverso:

  • uma extraordinária conjugação de circunstâncias negativas, internas e internacionais, que a está a fazer declinar.
  • Entre estas últimas, reveste-se de particular importância a ascensão da China a grande potência global, algo que inevitavelmente ensombra o papel a que a América se habituou no mundo.

É neste contexto particularmente difícil, ao qual acrescem agora os efeitos disruptores na saúde pública e na economia da pandemia da covid-19, que Joe Biden assume a Presidência dos EUA, a 20 de Janeiro de 2021. Veremos como ficará na história futura de uma América em (in)evitável declínio.

José Pedro Teixeira Fernandes

.

Investigador do IPRI-NOVA – Universidade NOVA de Lisboa

Fonte: https://www.publico.pt/2021/01/17/mundo/noticia/america-declinio-1946378

 

 

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>