EUA: por dentro do coração de treva. Artigo de Alessandro Portelli

EUA: por dentro do coração de treva. Artigo de Alessandro Portelli - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

Alessandro Portelli – 09 Janeiro 2021n – Assalto ao Coliseu incitado por Trump – Fonte: Daqui

“Foi justamente a normalidade de ontem que preparou o desastre de hoje. O trumpismo é o resultado de meio século de demolição do sentido do bem comum e das instituições: quando Reagan dizia que o Estado é o problema e não a solução, ele abria as portas para uma antipolítica qualquer, legitimada por uma ideologia neoliberal à qual a esquerda não soube opor uma resistência significativa (às vezes, permanecendo enfeitiçada por ela, veja-se Clinton)”.

O artigo foi publicado em Il Manifesto, 08-01-2021. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

O comentário é de Alessandro Portelli, historiador italiano referência nos estudos de História Oral, ex-professor da Universidade de Roma “La Sapienza” e fundador do Circolo Gianni Bosio, um coletivo dedicado ao estudo do folclore, história oral e cultura popular.

Segundo ele, as raízes da atual situação “estão no lado obscuro da mais luminosa tradição estadunidense: por exemplo, em uma visão da liberdade conjugada desde o início em termos individuais (sem fraternidade, sem igualdade) e, portanto, disponível para ser lida em termos antiestatais”.

 

Eis o texto.

Muitos anos atrás, desarmado diante da tragédia do 11 de setembro, eu começava um artigo no jornal Il Manifesto citando Kurt Vonnegut: “Não há nada de inteligente a ser dito sobre um massacre”.

Diante dos fatos de hoje, sinto-me do mesmo modo: não há nada de inteligente a ser dito, porque não sabemos suficientemente como e por que aconteceu aquilo que aconteceu.

  • Ouço comentaristas renomados que insistem nas mentiras de Trump e no fato de que os seus seguidores vivem em uma realidade alternativa feita de notícias falsas;
  • tudo verdade, mas a maldade de um homem e a credulidade das massas não bastam para nos fazer entender como foi possível e como é possível que isso ainda aconteça
  • – ainda mais em um país nascido do Iluminismo, onde se pensava que a democracia estivesse interiorizada e o analfabetismo havia sido erradicado há dois séculos.

Mas existe um coração de treva nos Estados Unidos.

Vemos os seus contornos, mas não conseguimos ver o que há dentro dele.

  • Se hoje há mais de 70 milhões de cidadãos estadunidenses que votam em Trump, e milhares deles (até mesmo dentro da polícia) prontos para pegar em armas em seu nome,
  • devemos nos perguntar de que modo nós, progressistas e liberais cultos, contribuímos para tornar possível essa realidade.

Por isso, trata-se de entrar nesse coração de treva e tentar entender, não para lhe dar razão, mas para reconhecer as causas e tentar enfrentá-las e resolvê-las.

Falar de “caipiras”, de “bárbaros”, de “inimigos da democracia”

  • só serve para exorcizá-los, para afastá-los de nós,
  • para dizer que nós não temos nada a ver com isso (talvez cutucando implicitamente os velhos preconceitos sobre um EUA totalmente feito de caubóis ignorantes, violentos e ingênuos)

–como se não fôssemos um país onde metade das pessoas se recusam a se vacinar, como se as mesmas pulsões que desencadearam a agressão em Washington não atravessassem toda a Europa, hoje de forma nem tão direta e violenta, mas não menos assustadora.

  • Por que cada vez menos pessoas acreditam na mídia?
  • Por que cada vez menos pessoas confiam nas instituições e no Estado?
  • Por que cada vez menos pessoas acham que têm os meios para decidir sobre sua própria vida?
  • Que mídia, que instituições, que democracia estamos lhes oferecendo?
  • Por que, enquanto enchemos a boca para falar dos valores da democracia, há tão pouca democracia, e cada vez menos, na vida das pessoas?

E por que

  • a essa demanda implícita de importar alguma coisa, de ter algum controle sobre a própria vida,
  • não somos capazes de dar respostas democráticas, de esquerda, de igualdade, dignidade e direitos,
  • e deixamos que o pior da direita alimente e cavalgue o rancor disforme com as suas explicações envenenadas e falsas?

Olhando as imagens na TV, fiquei impressionado com uma coisa que não foi enfatizada por ninguém: havia muitíssimas mulheres (três das quatro vítimas mortas nos confrontos são mulheres).

O que elas estavam fazendo lá? E me lembrei de uma manchete que havia lido no dia anterior no site da Bloomberg Wealth, não exatamente uma fonte de esquerda:

“Milhões de estadunidenses esperam perder suas casas na tempestade da Covid”.

Isso tem algo a ver?

  • Diretamente, talvez não,  mas, como estado de ânimo generalizado, certamente sim.
  • Isso só acontece lá, depois da crise de 2008?
  • O que nós fazemos diante disso?
  • Elas também não são mulheres?
  • Ainda tem alguém que fala de direito à moradia?

Ashly Babbit, a primeira vítima dos confrontos, era uma ex-militar que se definia como patriota, amante do seu país e da liberdade (e não vinha de um Estado vermelho de caipiras do Sudeste, mas sim da rica, culta, moderna e democrata Califórnia).

Paradoxalmente,

  • enquanto agridem aquele que os nossos colunistas chamam de “templo da democracia”,
  • os manifestantes pró-Trump estão convencidos de que eles são os defensores de uma democracia “roubada” pelas fraudes eleitorais –
  • que eles são “we, the people”. (Nós, o Povo – NdR)

Obviamente, é um erro trágico. Mas como é possível que

  • – apesar de 51 comissões, Estado por Estado, republicanas e democratas, e até expoentes da direita dura do Partido Republicano terem confirmado que as eleições foram justas
  • – eles estão tão obstinados em acreditar no contrário?
  • O fato é que a sensação de se estar jogando um jogo manipulado é uma sensação crescente.

Por outro lado,

  • há quatro anos, não foram os líderes do Partido Democrata que lançaram dúvidas sobre a eleição de Trump,
  • defendendo que ela havia sido manipulada e falseada por interferências indevidas?

Essa também foi uma primeira vez na história estadunidense e certamente não contribuiu para fortalecer a confiança no sistema eleitoral e na transparência das instituições.

E deixemos de lado a eleição de 2000,

  • os votos contestados de Bush,
  • a decisão da Suprema Corte que conferira autoridade à vitória de Bush…
  • São coisas que vêm de longe. Trump é mais um efeito do que uma causa (um efeito que retroage e agrava as causas).

Dizer que tudo isso

  • é culpa de Trump,  que é um mentiroso corrupto,
  • ou dos “caipiras” ingênuos que vivem na realidade alternativa das notícias falsas
  • é uma forma de dizer que nós não temos nada a ver com isso (não é apenas uma doença estadunidense; SalviniBrexitOrbán ensinam isso),
  • para não pôr em discussão a normalidade, como se valesse para o trumpismo aquilo que Benedetto Croce dizia sobre o fascismo, uma invasão dos hicsos, uma interrupção temporária depois da qual voltamos ao “business as usual”, (à normalidade da vida – NdR), ao “heri dicebamus”. (Ontem dizíamos- NdR)

 

Em vez disso, foi justamente a normalidade de ontem que preparou o desastre de hoje.

O trumpismo é o resultado de meio século de demolição do sentido do bem comum e das instituições:

  • quando Reagan dizia que o Estado é o problema e não a solução,
  • ele abria as portas para uma antipolítica qualquer,
  • legitimada por uma ideologia neoliberal à qual a esquerda não soube opor uma resistência significativa (às vezes, permanecendo enfeitiçada por ela, veja-se Clinton).

Mas, antes ainda, as raízes também estão no lado obscuro da mais luminosa tradição estadunidense:

  • por exemplo, em uma visão da liberdade conjugada desde o início em termos individuais (sem fraternidade, sem igualdade)
  • e, portanto, disponível para ser lida em termos antiestatais.

E certamente não foi Trump quem inventou

  • a guerra civil e o seu infinito pós-guerra,
  • as bandeiras sulistas desfraldadas nessa semana em Washington pelos manifestantes,
  • o escravismo, a segregação,
  • “southern strategy” de Nixon, a supremacia branca – ainda celebrada por inúmeras estátuas e monumentos corajosamente defendidos dos inimigos do politicamente correto…

 

Uma tradição literária de mais de um século prefigurou riscos de involução autoritária nos EUA –

  •  “Caesar’s Column”, de Ignatius Donnelly (1890),
  • “O salto de ferro”, de Jack London (1907),
  • “Um milhão conta redonda”, de Nathanael West (1934),
  •  “Não vai acontecer aqui”, de Sinclair Lewis (1935),
  • até “A parábola dos talentos”, de Octavia Butler (1998),
  • “Plot Against America”, de Philip Roth (2004 e a relativa série de TV),
  • e meia ficção científica distópica.

O inimaginável já havia sido imaginado; lá não havia acontecido isso (na Itália sim), mas podia acontecer e pode acontecer. As provas gerais já haviam ocorridos.

  • Em 2016, uma milícia armada ocupou um parque nacional no Oregon por 41 dias para contestar o uso federal das terras públicas;
  • no dia 1º de maio de 2020, uma multidão armada invadiu o parlamento de Wisconsin para protestar contra o confinamento,
  • e a polícia (como nessa semana em Washington) os deixou entrar.

Ninguém reconheceu, então, esses fatos de armas como sintomas de algo mais amplo, mais profundo e grave – “você sabe como são os estadunidenses…”.

Hoje, encontramos alívio na civil tranquilidade de Biden.

O novo presidente fala de reconciliação e de recuperação,

  • mas me vem à mente “Dos Passos vs. Sacco e Vanzetti”, há quase um século:
  • “Bem, somos duas nações”.

Foram necessárias gerações para dividir assim os EUA. Colocá-los novamente juntos será um processo longo e difícil, e de resultado incerto.

Eu não espero tanto em Biden, mas sim na possibilidade de que alguém entre as pessoas que estão ao seu redor tenha aquela imaginação e radicalidade necessárias para apontar um caminho novo.

Não por acaso, muitos dos textos distópicos que eu mencionei acima foram escritos nos anos 1930 ou fazem referência a eles: a época de outra crise, na qual não faltaram pulsões de extrema direita, mas à qual Roosevelt soube responder com uma reviravolta, uma mudança de paradigma, um New Deal centrado

  • na construção do Estado social,
  • na força do movimento operário,
  • na orientação à esquerda de grande parte dos artistas e dos intelectuais.

As condições mudaram (e nós também contribuímos para desmontá-las),

  • mas é preciso um salto de imaginação do mesmo tipo e da mesma amplitude,
  • um New Deal diferente, capaz de começar a recompor o país
  • não a partir da mediação a partir de baixo,
  • mas reconhecendo a principal lição do “Black Lives Matter”:
  • o coração da democracia é o conflito, e a democracia não consiste em zerá-lo, mas em fazer com que ele possa ocorrer sem que uns atirem nos outros.

A reconciliação começa com o restabelecimento das regras, mas, acima de tudo, com a reinvenção delas, para que sejam verdadeiramente compartilhadas.

 

Fase 25 Alessandro Portelli | il manifesto

Alessandro Portelli

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>