Consistório. O papa continua a revolução contra a Cúria Romana, que ainda sofre de “bertonismo”

http://www.ihu.unisinos.br/images/ihu/2020/12/01_12_consistorio_2020_foto_vatican_media.jpg

Fabrizio D’Esposito – 1 Dezembro 2020 – Foto: Cardeais na Cúria Romana / Vatican Media

 O sétimo Consistório de Francisco em sete anos de pontificado é certamente um dos sinais mais evidentes da revolução do Papa Bergoglio na Igreja Católica. Com efeito, os treze novos cardeais nomeados no sábado passado continuam a reduzir o peso da Cúria Romana no próximo Conclave, como assinala o jornal da CEIAvvenire.

A reportagem é de Fabrizio D’Esposito, publicada por Il Fatto Quotidiano, 30-11-2020. A tradução é de Luisa Rabolini.

 

O que conta, é claro, é o número de cardeais eleitores que agora sobe para 128, tendo em vista a exclusão de Angelo Becciu, o ex-número dois da Secretaria de Estado expulso por Francisco por mais um sórdido caso de dinheiro e investimentos imobiliários. E entre os 128, os italianos são apenas 22, 17,2 do total, enquanto os “curiais” (no sentido mais amplo do termo entre escritórios e organismos semelhantes) são 29 no total.

Mas inclusive a geografia dos italianos está mudando radicalmente, em um sentido periférico e não centralista: entre os dez “residenciais” de 22, estão os “ordinários” de AgrigentoBolonhaL’AquilaPerugia-Città della PieveRoma (o cardeal vigário) e Siena-Colle Val D’Elsa-Montalcino.

De 2013 até hoje,

  • Bergoglio nomeou 73 cardeais eleitores,
  • o restante deve ser dividido entre Bento XVI (39) e São João Paulo II (16).
  • E as suas escolhas apenas confirmam os indícios que saíram das congregações gerais que se realizaram antes do Conclave de 2013, em que foi unânime a exigência de reduzir o poder da Cúria Romana.

Após a clamorosa renúncia de Bento XVI, a Igreja se viu consternada e dilacerada pelas repercussões do primeiro Vatileaks, provocado pela sede de verdade do mordomo do apartamento pontifício Paolo Gabriele, falecido na semana passada.

 

Un Altro Papa. Ratzinger, Le Dimissioni E Lo Scontro Con Bergoglio, Marco Ansaldo. Editor: Rizzoli. Foto: internet/Reprodução

Era o tempo deletério do Cardeal Tarcisio Bertone, o “primeiro-ministro” vaticano apaixonado pelo mundanismo e que representou plasticamente suas ambições terrenas em um famoso jantar na casa de Bruno Vespa, em 10 de julho de 2010, na companhia de BerlusconiDraghiCasiniGianni Letta e o banqueiro Geronzi.

Também nestes últimos dias foi publicado o livro Un altro Papa de Marco Ansaldo, em que D. Georg Gänswein, histórico secretário do Papa Ratzinger, revela um detalhe decisivo sobre o clima pesado e doloroso que motivou a renúncia de Bento XVI.

E diz respeito justamente a Bertone (aliás “mestre” de Becciu), considerado o objetivo principal do Vatileaks. Claro, não foi isso que determinou a escolha de Ratzinger, mas dom Georg explica que

  • o pontífice havia sido mantido no escuro sobre a decisão de Bertone
  • de avocar para si as relações com a política italiana quando o reinado de Ruini terminou na CEI e Bagnasco foi nomeado presidente.

Acontece que, ontem no jornal Il Tempo, foi o católico-maçônico Luigi Bisignani quem “queimou” o projeto de reforma de Francisco para a Cúria Romana, que daria mais espaço à caridade e menos à doutrina.

O mesmo Bisignani, antigo “carteiro”andreottiano do escândalo das propinas Enimont no Ior, o banco do Vaticano, que foi o nexo entre Bertone e a “empresa” Letta-Geronzi. E que, como Vittorio Feltri revelou aos magistrados, teria entregado a Alessandro Sallusti em nome de Bertone o “envelope” sobre a condenação de Dino Boffo, o então diretor do Avvenire, detestado pelo Secretário de Estado.

Existe algo de antigo entre os inimigos de Bergoglio.

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>