Atentados na França: “São jovens criados no ódio e radicalizados na rede.” Entrevista com Gilles Kepel

http://www.ihu.unisinos.br/images/ihu/2020/11/03-11-2020-atentados-na-franca-sao-jovens-criados-no-odio-e-radicalizados-na-rede-entrevista-com-gilles-kepel-Foto-Vatican-News.jpg

Lorenzo Cremonini, – Foto: Vatican News

 Gilles Kepel não hesita em traçar diferenças claras entre os perfis dos responsáveis pelos recentes atentados na França e os do passado. O célebre cientista político francês falou conosco por telefone, da sua casa em Menton, a poucos quilômetros de Nice.

A reportagem é de Lorenzo Cremonini, publicada em Corriere della Sera, 30-10-2020. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

 

Eis a entrevista.

Terror in France: The Rise of Jihad in the West with Gilles Kepel | Policy Exchange

Gilles Kepel. Foto: Policy Exchange

Você conhece a igreja de Notre Dame, onde ocorreu o massacre?

Sim, é na periferia de um bairro habitado por muçulmanos. Uma construção em estilo napoleônico, com vista para a estação ferroviária na zona que une o centro histórico e as áreas periféricas. Foi muito fácil para o assassino chegar até ela sem ser perturbado. Parece que agiu sozinho, sem nenhuma organização por trás dele.

 

Nem o ISIS, nem a Al-Qaeda?

Eu não acredito. Esses novos extremistas não são filiados a nenhum grupo. Não são filhos da raiva dos ex-migrantes da Argélia, ou da estrutura piramidal da Al-Qaeda, nem da rede fiel ao ISIS.

Em vez disso,

  • eles se alimentaram da atmosfera em que nasceram e cresceram.
  • Suas ações são ditadas pelas mensagens que leem na rede.
  • Assim foi para o assassino de origem chechena de Samuel Paty, o professor que havia mostrado as charges sobre o Profeta.

Alguns postam o nome do próximo alvo a ser atingido, outros o retuítam em sites bem conhecidos no ambiente. Assim, desenvolve-se um clima de ódio, com muitas sugestões práticas e endereços. Portanto, basta pouco para encontrar o criminoso que passa à ação em nome de Alá.

 

Macron denunciou a existência de uma sociedade paralela perigosa para o Estado.

Concordo.

  • Existem comunidades muçulmanas inteiras organizadas quase como um Estado dentro do Estado.
  • Administram escolas, hospitais, sociedades de caridade à sombra das mesquitas,
  • a ponto de criarem reservatórios de votos e determinarem o resultado das eleições.

Na Itália, o problema quase não é percebido. Vocês têm uma tradição municipal desenvolvida. Entre vocês, são os poderes locais que lidam com os grupos islâmicos, e, em geral, prevalece o interesse econômico. Mas a tradição estatal francesa é muito forte e permeada pelo valor da laicidade.

 

Consequências?

Estamos enfrentando uma guerra cultural importante. Há 30 anos, combatia-se a batalha contra o véu. Hoje, é mais grave.

  • Os grupos islâmicos pretendem mudar os currículos escolares e impor os religiosos.
  • Eles ensinam que a laicidade e valores como a democracia ou a liberdade de imprensa são anti-islâmicos.

 

Qual o papel da Turquia de Erdogan?

Não é tão errado acusá-lo de islamofascismo. Seu modelo é o Califado, um farol para os muçulmanos. Especialmente após a transformação de Santa Sofia em mesquita no dia 23 de julho passado, Erdogan também se erigiu a defensor dos grupos islâmicos espalhados pela Europa.

 

Mas desta vez a Turquia condenou o atentado.

Erdogan deu um passo atrás por motivos pragmáticos. Ele não quer um choque frontal com a Europa neste momento. Ele precisa do Ocidente, teme que o seu amigo Trump seja derrotado nas eleições, então trabalha para manter boas relações com a Alemanha e a Itália. Mas com a França os atritos continuam altos.

 

Lorenzo Cremonini

Fonte: http://www.ihu.unisinos.br/78-noticias/604276-atentados-na-franca-sao-jovens-criados-no-odio-e-radicalizados-na-rede-entrevista-com-gilles-kepel

Leia mais:

 

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>