Mike Pompeo: o elefante na loja de cristais

Lorenzo Prezzi– 22 Setembro 2020

“A referência mais adequada para colocar suas palavras parece ser a construção da “guerra fria” com a China.

  • Da formação de uma aliança antichinesa nos países limítrofes com o “império do meio” ao rearmamento assegurado para Taiwan,
  • das pressões sobre os aliados ocidentais às defesas das minorias internas,
  • dos limites dos mercados internacionais para os chineses às acusações de espionagem tecnológica:

tudo converge no desejo de isolar o maior país asiático”,

escreve Lorenzo Prezzi, teólogo italiano e padre dehoniano, em artigo publicado por Settimana News, 21-09-2020. A tradução é de Luisa Rabolini.

Eis o artigo.

A grosseria e o diálogo:

  • difícil compor as observações críticas do Secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, ao Papa Francisco e à Santa Sé (First Things, 18 de setembro e seus tuites)
  • com o previsível pedido de encontro em sua próxima visita a Roma (29-30 de setembro).

Há algo tosco e excessivo

A diplomacia do Vaticano nunca recusa o pedido de diálogo dos representantes do Estado e Pompeo encontrará em Roma

  • tanto a confirmação do acordo sino-vaticano
  • quanto as consonâncias sobre algumas questões caras ao governo Trump (defesa da liberdade religiosa, oposição ao aborto e aos “direitos reprodutivos”).

A autoridade moral em questão

O artigo em First Things denuncia

  • a degradação dos direitos humanos na China e a sinização das religiões, perseguidas para
  • “subordinar Deus ao partido, promovendo o próprio Xi (Jinping) como uma divindade ultramundana”.

É claro, escreve Pompeo, que

“depois de dois anos, o acordo China-Vaticano não defendeu os católicos das depredações do partido, para não mencionar o horrendo tratamento dos cristãos, dos budistas tibetanos, dos adeptos do Falung Gong e outras religiões”.

assédio contra os cristãos continua e os próprios bispos legitimados por Roma mostram uma

“lealdade pouco clara, confundindo os católicos chineses que sempre tiveram confiança na Igreja”.

A aprovação da lei de segurança nacional que viola o tratado internacional de 1997 que garante a liberdade do território de Hong Kong

  • expõe os fiéis às intimidações e arbitrariedade das forças repressivas
  • e abandona à própria sorte figuras importantes do catolicismo local, como Martin Lee e Jimmy Lai.

“A Santa Sé tem a capacidade e o dever únicos de dirigir a atenção do mundo para as violações dos direitos humanos, especialmente as cometidas por regimes totalitários como o de Pequim”,

como aconteceu na Europa Central e Oriental e a todos que desafiaram os regimes totalitários e autoritários na América Latina e na Ásia.

“A mesma força de testemunho moral deveria ser empregada hoje em relação ao Partido Comunista Chinês”,

em coerência com a prioridade reconhecida pelo magistério aos princípios da liberdade religiosa e da solidariedade.

“Se o Partido Comunista da China conseguir colocar a Igreja Católica e outras comunidades religiosas de joelhos, os regimes que atentam aos direitos humanos serão fortalecidos e o custo da resistência às tiranias aumentará para todos os bravos fiéis que honram a Deus acima do autocrata de plantão”.

Aproximações e contradições

As aproximações e contradições do secretário de Estado, diácono de uma Igreja Evangélica Presbiteriana, são evidentes:

  • acordo sino-vaticano não é entre a Santa Sé e o partido, mas com o governo;
  • se Xi se considera uma divindade, não se vê porque deveria de ocupar com a sinização de outras religiões;
  • a Igreja na China não pode tirar proveito de um enraizamento popular de uma tradição cultural favorável aos direitos humanos, de uma sociedade pobre e de um fechamento ao Ocidente como no caso do Leste Europeu antes da queda do muro, etc.

A intervenção no estilo “carrinho”

  • lembra a exposição da administração estadunidense e do próprio Pompeo em favor da autocefalia da Igreja Ortodoxa Ucraniana,
  • paga a alto preço com um cisma no mundo ortodoxo para o qual não se vislumbra nenhuma solução.

A referência mais adequada para colocar suas palavras parece ser a construção da “guerra fria” com a China.

  • Da formação de uma aliança antichinesa nos países limítrofes com o “império do meio” ao rearmamento assegurado para Taiwan,
  • das pressões sobre os aliados ocidentais às defesas das minorias internas,
  • dos limites dos mercados internacionais para os chineses às acusações de espionagem tecnológica:

tudo converge no desejo de isolar o maior país asiático.

Diversidade, não contradição

Com a Santa Sé não faltam elementos comuns como a defesa da democracia, o tema dos direitos humanos (com alguma suspeita sobre os “novos direitos”) ou a liberdade religiosa. A dureza do confronto não destrói as muitas raízes compartilhadas.

Além disso,

  • as aberturas da Santa Sé estão cientes de tocar elementos básicos da ideologia comunista chinesa.
  • Se estão distantes da pretensão de uma implosão do poder chinês perseguido hoje pela administração estadunidense,
  • ao menos estão interessadas e coerentes com sua mudança.

Em particular, expressam a convicção

  • de que o futuro equilíbrio da paz mundial não poderá prescindir do aporte chinês
  • e que não se pode “brincar” de guerra sem, de alguma forma, propiciá-la.

O profundo contraste que atravessa a sociedade e a Igreja estadunidense não deveria impedir uma posição de autoridade dos bispos em defesa do papa.

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>