Morreu o bispo do chapéu de palha, anel de tucum e cajado de pastor

 

“Nossa terra, nosso povo perde hoje um grande defensor e exemplo de vida generosa na luta por um mundo melhor, que nos fará muita falta”.


 Abílio Louro de Carvalho – 08-08-20 – Foto: Daqui

Dom Pedro Casaldáliga – A mitra era um chapéu de palha, o cajado um remo de tapirapé e o anel de tucum

Morreu, com 92 anos de idade, a 8 de agosto, na Santa Casa de Batatais, no interior de São Paulo, Dom Pedro Casaldáliga, o bispo das causas sociais e defensor da Amazónia, um homem que é um pedaço da História do Brasil – notícia que foi confirmada pela Prelazia de São Félix do Araguaia, referindo que o Bispo emérito estava com infeção no pulmão e insuficiência respiratória agravada pelo Parkinson, doença que o acometia há mais de 10 anos.

 

Os testes feitos não acusaram a presença do novo coronavírus, causador da covid-19.

O anúncio da morte foi feito em comunicado conjunto pela Prelazia de São Félix do Araguaia (MG), a Congregação dos Missionários Filhos do Imaculado Coração de Maria (Claretianos) e a Ordem de Santo Agostinho (Agostinianos).

Em nota, Dom Walmor Oliveira de Azevedo, Arcebispo metropolitano de Belo Horizonte e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), lamentou a perda, vincando:

Dom Pedro Casaldáliga pregou o Evangelho em cada atitude. Transmitiu as lições de Jesus com o seu jeito de ser. A coragem que marcou a sua vida e o fez sempre estar, incondicionalmente, ao lado dos pobres é própria de quem cultiva no coração uma fé sólida, inabalável. (…) Dom Pedro Casaldáliga está junto de Deus, inscrito na história do Brasil e no coração de quem verdadeiramente professa a fé em Jesus Cristo.”.

E Dom Walmor pede orações para

“que o seu exemplo possa inspirar cada vez mais atitudes corajosas, sobretudo neste grave momento da nossa história, quando os povos tradicionais estão especialmente ameaçados – além dos já conhecidos interesses económicos – e sofrem com a atual pandemia”.

 

Dom Pedro Casaldáliga, com o anel de tucum – Foto: Daqui

 

Conforme pesquisa da Província Agostiniana, em Belo Horizonte, Dom Pedro Casaldáliga, desde a década de 1970, incluindo o período da ditadura militar, teve o trabalho pastoral ligado a causas como a defesa dos direitos dos povos indígenas e contra a violência dos conflitos agrários.

Os religiosos que conviveram com ele descrevem-no

como radicalmente livre e homem de fé, que só aceitou ter geladeira em casa depois que os pobres da região a puderam ter”.

A sua casa de piso de terra batida só teve melhorias depois que os mais simples com quem convivia puderam também melhorar as suas casas. Era pedra no sapato do autoritarismo.

Os freis agostinianos, que cuidaram de Dom Pedro até aos últimos dias,

  • lamentam a morte dele,
  • pois foram mais de 40 anos de caminhada amiga a viver na mesma casa, na missão de São Félix.

E, em nota, ressaltam que

  • as causas que o bispo defendeu na sua trajetória de 50 anos dedicados aos mais simples
  • representam muito para a região do Araguaia

“e para a resistência dum povo que ainda vive diversos conflitos fundiários e de violação dos direitos humanos”.

Até aos últimos dias de vida, os freis agostinianos dedicaram-lhe atenção e cuidados em tempo integral, com o apoio de médicos e equipa de enfermagem, principalmente nos últimos anos, quando a sua saúde já estava muito fragilizada.

O palco do velório é em três locais:

  • Batatais (SP), onde o corpo foi velado no dia 8, a partir das 15 horas, na capela do Centro Universitário Claretiano, unidade educativa dirigida pelos Claretianos, com Missa neste domingo aberta ao público em geral e transmitida ao vivo pelo link https://youtu.be/spto8rbKye0, disponível para à transmissão por outros veículos de comunicação;
  •  em Ribeirão Cascalheira (MT), onde o corpo será velado no Santuário dos Mártires, a partir do dia 10;
  • e em São Félix do Araguaia (MT), onde o corpo será velado no Centro Comunitário Tia Irene e se procederá ao seu sepultamento.

Foi um outro Dom Helder Câmara, “a voz dos que não têm voz”!

***

Pedro Casaldáliga, CMF, nascido Pere Casaldàliga i Pla, em Balsareny, Província de Barcelona, a 16 de fevereiro de 1928, radicado no Brasil desde 1968,

  • é conhecido pela defesa dos direitos humanos,
  • especialmente dos povos indígenas e marginalizados,
  • e pelas suas posições políticas e religiosas a favor dos mais pobres,
  • em torno do que escreveu três dezenas de livros.

Ingressou, em 1943, na Congregação Claretiana (Congregação dos Missionários Filhos do Imaculado Coração de Maria, abreviadamente CMF: Cordis Mariae Filii) e recebeu a ordenação sacerdotal a 31 de maio de 1952, em Montjuïc, Barcelona. Depois de ordenado, foi professor num colégio claretiano em Barbastro, assessor dos Cursilhos de Cristandade e diretor da Revista Iris.

Em 1968, mudou-se para o Brasil para fundar uma missão claretiana no Estado do Mato Grosso (MG), região com

  • alto grau de analfabetismo,
  • marginalização social
  • e concentração fundiária,
  • onde eram comuns os assassinatos.

Logo no primeiro dia, encontrou no local quatro bebés mortos deixados em caixas de sapato diante da sua casa para serem enterrados. Muitas vezes, sem vinho e hóstia, improvisava as missas com cachaça e bolacha.  

Foi nomeado Administrador Apostólico da Prelazia de São Félix do Araguaia (MG) a 27 de abril de 1970, ano em que

  • publicou a primeira das denúncias que o tornariam conhecido no país e fora dele, intitulada “Escravidão e Feudalismo no norte de Mato Grosso”,
  • a denunciar a situação da região de escravatura contemporânea,
  • e enviada às autoridades da Igreja e do Governo, pelo que passou a ser acusado de agente comunista.

Todavia, o Papa São Paulo VI  nomeou-o Bispo da Prelazia de São Félix do Araguaia (MG) a dia 27 de agosto de 1971. A sua ordenação episcopal deu-se a 23 de outubro de 1971, pelas mãos de Dom Fernando Gomes dos Santos, Arcebispo de Goiânia, de Dom Tomás Balduíno, OP, e Dom Juvenal Roriz, CSSR.

A sua atividade como bispo teve as seguintes caraterísticas:

  • evangelização sem colonialismos, vinculada à promoção humana e à defesa dos direitos humanos dos mais pobres;
  • criação de comunidades eclesiais de base com líderes que sejam fermento entre os pobres;
  • encarnação na vida, nas lutas e esperanças do povo;
  • e estrutura participativa, corresponsável e democrática na diocese.

Outra caraterística marcante da sua atuação como bispo foi o facto de preferir não utilizar os tradicionais trajes eclesiásticos:

  • em vez da mitra, um chapéu de palha;
  • no lugar do báculo um cajado indígena;
  • em vez do anel de ouro, um anel de tucum (uma espécie de palmeira espinhosa) – que acabou por se tornar símbolo da Teologia da Libertação.

Na década de 1970, ajudou a fundar

  • o Conselho Indigenista Missionário (CIMI)
  • e a Comissão Pastoral da Terra (CPT).

Adepto da Teologia da Libertação, adotou como lema para sua atividade pastoral:

  • Nada possuir,
  • nada carregar,
  • nada pedir,
  • nada calar
  • e, sobretudo, nada matar.

É poeta, autor de várias obras sobre antropologia, sociologia e ecologia.

Dom Pedro foi alvo de inúmeras ameaças de morte.

  • A mais grave, em 12 de outubro de 1976, ocorreu em Ribeirão da Cascalheira (Mato Grosso).
  • Ao ser informado que duas mulheres estavam a ser torturadas na delegacia local, dirigiu-se até lá acompanhado do padre jesuíta João Bosco Penido Burnier.
  • Após forte discussão com os polícias, o padre Burnier ameaçou denunciá-los às autoridades, sendo então agredido e, em seguida, alvejado com um tiro na nuca.

Após a missa de 7.º dia,

  • a população seguiu em procissão até a porta da delegacia,
  • libertando os presos
  • e destruindo o prédio.

li foi erigido, 10 anos depois, o Santuário dos Mártires da Caminhada.

Mas houve outras ameaças.

  • No início de dezembro de 2012, deixou a sua residência em São Félix do Araguaia
  • e foi levado por polícias federais para local não revelado em razão da intensificação das ameaças de morte que lhe foram feitas por invasores da Terra Indígena de Marãiwatsédé (norte de Mato Grosso),
  • área ocupada pelos Xavantes até aos anos 1960, década em que foram expulsos das suas terras para serem ocupadas por grandes projetos agropecuários.

A área foi depois comprada pela italiana Agip, que, posteriormente, durante a Eco-92, anunciou que a devolveria aos índios. No entanto

  • latifundiários, políticos e comerciantes da região
  • ocuparam a área e instalaram ali um povoado e os seus negócios.
  • Vinte anos depois, a desocupação foi iniciada, e sucedeu a intensificação das ameaças.

Por 5 vezes

  • foi alvo de processos de expulsão do Brasil pela ditadura militar,
  • tendo saído em sua defesa Dom Paulo Evaristo Arns, então Arcebispo de São Paulo,
  • e o próprio Papa São Paulo VI.

Manteve

  • relação tensa com o Papa São João Paulo II, ferrenho crítico do comunismo,
  • sendo defendido dessa vez pela CNBB.

Em 1994,

  • apoiou a revolta de Chiapas, no México,
  • afirmando que, quando o povo pega em armas deve ser respeitado e compreendido.

Em 1999, publicou a “Declaração de Amor à Revolução Total de Cuba”.

No ano 2000, foi agraciado com o título de Doutor Honoris Causa pela Universidade Estadual de Campinas.

Em 13 de setembro de 2012, recebeu honraria idêntica da Pontifícia Universidade Católica de Goiás.

O seu amor à liberdade inspirou a sua luta contra a centralização do governo da Igreja, pois considerava que

  • a visão de Roma é apenas uma entre as várias possíveis
  • e que a Igreja deveria ser uma comunhão de Igrejas.

Achava que

  • se deve falar da Igreja que está em São Félix do Araguaia,
  • assim como se fala da Igreja que está em Roma,
  • pois unidade não tem que ser sinónimo de centralização, mas de descentralização.

Sofrendo de Parkinson, apresentou a renúncia à Prelazia, conforme o Cân. 401 §1 do Código de Direito Canónico, em 2005, renúncia aceite a 2 de fevereiro de 2005 pelo Papa São João Paulo II

Porém, não perdeu a combatividade e a franqueza,

  • afirmando, por exemplo que o governo de Lula gosta mais dos ricos que dos pobres, 
  • apoiando o MST e a Via Campesina,
  • criticando a hierarquia da Igreja que se devia abrir ao diálogo em vez de excomungar e proibir,
  • defendendo a ordenação de mulheres 
  • e afirmando ser contra o celibato sacerdotal obrigatório.

Sucedeu-lhe Dom Frei Leonardo Ulrich Steiner, OFM.

Sobre as tensões no Vaticano para a nomeação do sucessor, Dom Pedro fez questão de não deixar dúvidas a respeito:

  • Há algumas semanas, o Núncio Lorenzo Baldisseri enviou um bispo a perguntar-me aonde eu iria,
  • porque se eu ficasse em São Félix, causaria um constrangimento ao novo bispo (…)
  • Não posso deixar de dizer que sou contra o sistema atual de nomeação de bispos
  • que é secreto e autoritário, que não respeita a opinião das igrejas locais.
  • Parece-me um sistema pouco evangélico.”.

E, em setembro de 2011, Dom Leonardo foi transferido para Brasília como Bispo auxiliar e, para a Prelazia de São Félix, foi nomeado Dom Adriano Ciocca Vasino.

Dele disse Dilma Rousseff:

  • É com muita tristeza que recebo a notícia da morte de Dom Pedro Casaldáliga.
  • Toda a sua vida foi de luta por Justiça Social e em defesa dos mais humildes.
  • Um homem de fé e de perseverança.
  • Um homem de esperança em meio à injustiça que envergonha a todos os que lutam por dias melhores.”.

E Lula da Silva:

Nossa terra, nosso povo perde hoje um grande defensor e exemplo de vida generosa na luta por um mundo melhor, que nos fará muita falta.

***

Deus o recompense pelo serviço sofrido e inteiramente devotado à causa do Evangelho, vendo Cristo a sofrer na pele e entranhas dos camponeses, ribeirinhos, indígenas e quilombolas.

 

.

Abílio Louro de Carvalho

Fonte: http://ideiaspoligraficas.blogspot.com/2020/08/morreu-o-bispo-do-chapeu-de-palha-anel.html

 

 

 

LEIA MAIS:

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>