75 anos após a bomba de Hiroshima, a ameaça nuclear ressurge em um novo tabuleiro geopolítico

75 ANOS DA BOMBA DE HIROSHIMA

Manifestantes com máscaras de Trump e Putin posam sobre duas bombas falsas durante protesto contra armas atômicas em Berlim, na Alemanha.PABLO GUIMÓN – |MARÍA R. SAHUQUILLO – Washington / Moscou – 06 AGO 2020 

Manifestantes com máscaras de Trump e Putin posam sobre duas bombas falsas durante protesto contra armas atômicas em Berlim, na Alemanha.FABIAN SOMMER / AP –Enquanto Trump e Putin desmantelam a rede de tratados de controle de armas nucleares, o surgimento de novas potências como a China desenha um cenário mais instável para o planeta.

 

Há exatamente 75 anos os Estados Unidos se tornaram o primeiro e único país do mundo a atacar um inimigo com uma arma nuclear, com o bombardeio da cidade japonesa de Hiroshima, durante a Segunda Guerra Mundial.

Hoje,

  • o tabuleiro geopolítico mudou significativamente,
  • mas permanecem as tensões e incertezas sobre como garantir que nenhum país volte a usar novamente as armas atômicas.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump,

  • afirma que ele e seu colega russo, Vladimir Putin, trabalham juntos para reduzir a ameaça de uma guerra nuclear,
  • mas a verdade é que ambos passaram pelo menos os últimos três anos e meio desenvolvendo armas nucleares e destruindo tratados destinados ao seu controle.

Embora a o governo norte-americano reconheça que considerou retomar os testes nucleares interrompidos há quase três décadas, ninguém descarta uma nova corrida armamentista com a Rússia e, agora, com a China.

  • O fim, no ano passado, do histórico Tratado de Controle de Armas Nucleares de Alcance Intermediário (INF), assinado em 1987 por Ronald Reagan e Mikhail Gorbachev,
  • foi o início de uma nova era.
  • Hoje, Washington e Moscou não limitam mais o armazenamento, teste ou implantação de mísseis terrestres de alcance intermediário ( entre 500 e 5,5 mil quilômetros).

Washington também decidiu abandonar o Tratado de Céus Abertos, que permitia voos de inspeção para fomentar a confiança entre os países.

  • E o presidente Trump ainda indicou que não renovará o Novo START,
  • o último grande tratado de controle de armas nucleares entre Washington e Moscou,
  • a menos que a China também aceite se vincular às limitações impostas pelo acordo.

Sem ele, não haverá tratado algum que controle os dois maiores arsenais nucleares do mundo.

O acordo expira em fevereiro, pouco depois da posse do ganhador das presidenciais americanas marcadas para novembro.

 

A cidade japonesa de Hiroshima após o ataque nuclear de 6 de agosto de 1945.
A cidade japonesa de Hiroshima após o ataque nuclear de 6 de agosto de 1945. PRISMA BY DUKAS / UNIVERSAL IMAGES GROUP VIA GETTY

 

  • Trump fez da assinatura de um acordo nuclear com a Rússia e a China uma prioridade,
  • mas Pequim até agora rejeitou os convites para participar do debate.

A responsabilidade dos Estados Unidos de liderar o controle e a eliminação progressiva de armas nucleares, como primeiro e único país a tê-las usado, baseou a política nuclear de Washington desde o início. Durante mais de 60 anos,

  • presidentes de ambos os partidos, de Eisenhower a Obama,
  • tentaram reduzir o arsenal de armas nucleares e as possibilidades de serem utilizadas.
  • Mas o presidente Trump, como em tantas outras áreas, rejeitou os vínculos históricos.

Apenas dois meses atrás,

  • Marshall Billingslea, o principal negociador norte-americano para acordos de controle armamentista,
  • confirmou que a Administração estudou a realização do primeiro teste nuclear desde 1992.

“A possibilidade de a Administração Trump retomar os testes de armas nucleares é tão temerária quanto perigosa”,

disse Joe Biden, adversário democrata de Trump.

  • A evaporação destes tratados, combinada com o surgimento de novas potências nucleares como a China,
  • desenha um cenário mais instável e com menos limites,
  • no qual as novas armas tecnológicas desempenham um papel destacado.

Robôs assassinos, mísseis hipersônicos e armas cibernéticas se juntam à corrida, como evidenciou o preciso ataque norte-americano com um drone que matou o general iraniano Qasem Soleimani em Bagdá nos primeiros dias deste ano.

Putin já anunciou novas armas hipersônicas, que viajam a pelo menos cinco vezes a velocidade do som, muito mais difíceis de rastrear e interceptar.

  • Moscou garante que seu sistema estratégico Avangard, que descreve como uma de suas “armas invencíveis”
  • e que é composto por um foguete balístico intercontinental equipado com ogivas que podem ser manobradas em planos verticais e horizontais e mudar de rumo
  • “já está em serviço”.

Rússia afirma que pode voar em 15 minutos para o território norte-americano. Além disso, garante que já estão quase prontos seus mísseis de cruzeiro hipersônicos antitanque Zirkon, que podem ser implantados em navios de superfície, atualmente na fase final de testes, de acordo com o Ministério da Defesa.

Assim como seu drone nuclear submarino Poseidon, projetado para ser transportado por submarinos, embora especialistas ocidentais tenham questionado o quão avançado está o desenvolvimento desse tipo de armas.

Também os EUA, China, Índia, Japão e outros países estão desenvolvendo mísseis hipersônicos.

E a corrida armamentista tem um novo campo de batalha: o espaço, onde as duas históricas potências se acusam mutuamente de testar armas.

PABLO GUIMÓN – |MARÍA R. SAHUQUILLO

Fonte: El Pais

 

LEIA MAIS:

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>