Uigures podem estar a ser vítimas de um Holocausto na China

uigures, China, Foto_ © Xinjiang Bureau of Justice WeChat Account

 | 16 Jul 20

Uma imagem divulgada nas redes sociais do governo chinês mostra centenas de uigures detidos num campo de educação política em Xinjiang. Foto: © Xinjiang Bureau of Justice, através da HRW.

 

O alerta foi dado por políticos e representantes de diversos grupos judaicos, na sequência da apreensão de 13 toneladas de cabelo humano no porto de Newark, EUA, que se suspeita ter sido retirado a uigures, na China:

  • os sinais de que esta minoria étnica muçulmana está a ser alvo de perseguição
  • são cada vez mais evidentes, num cenário que é já comparado ao Holocausto.

“A minha regra fundamental é que nada pode ser comparado com o Holocausto”, afirmou Alistair Carmichael, deputado liberal democrata do parlamento britânico, citado pelo Jewish News.

“Sei, no entanto, que este relato [da apreensão de cabelo humano que terá sido retirado forçadamente a prisioneiros uigures] tem muitos ecos angustiantes para quem conhece a história desse episódio terrível”,assumiu, alertando que

  • “os acontecimentos em Srebenica e no Ruanda nas últimas décadas
  • devem ensinar-nos que o genocídio ainda pode acontecer
  • e que ninguém está seguro, a menos que todos se protejam”.

Mia Hasenson-Gross, diretora da René Cassin (uma organização judaica de defesa dos direitos humanos), concorda:

  • “O comércio de cabelos humanos retirados à força tem semelhanças arrepiantes e óbvias [com o Holocausto].
  • Este é mais um exemplo da terrível desumanização sistemática dos muçulmanos uigures pelo Estado chinês”.

De acordo com a responsável da René Cassin, os relatos que têm chegado à organização sobre a situação dos uigures na China

  • incluem referências a internamentos em massa,
  • reeducação,
  • trabalho escravo,
  • esterilização forçada,
  • colheita de órgãos
  • e outros abusos.

“O Partido Comunista Chinês

  • está empenhado no genocídio em Xinjiang [região noroeste da China onde vivem cerca de um milhão de uigures],
  • tentando acabar com toda uma cultura, idioma e modo de vida”,

acusa Mia Hasenson-Gross, defendendo que a comunidade internacional tem de reagir.

  • “Chegou a hora de o mundo tomar uma posição contra esta desumanidade.
  • Não pode haver ‘negócios como sempre’ com um governo que abusa dos seus próprios cidadãos a tal escala”.

Ouvida também pelo jornal Jewish News, Edie Friedman, diretora do Conselho Judaico para a Igualdade Racial considera que os relatos

“fazem soar os alarmes para aqueles que se preocupam com os direitos humanos e desperta emoções particulares no povo judeu, dadas as semelhanças nazis”.

E deixa um apelo:

“A comunidade internacional deve pedir uma investigação totalmente independente sobre este episódio.”

No passado dia 6 de julho,

  • dois grupos de ativistas uigures no exílio fizeram chegar ao Tribunal Penal Internacional
  • um conjunto de provas de genocídio e crimes contra a Humanidade cometidos na província chinesa de Xinjiang contra a minoria muçulmana do país.

Segundo o diário britânico The Guardian, os queixosos alegam que

  • milhares de uigures foram deportados ilegalmente do Tajiquistão e do Camboja para Xinjiang,
  • onde terão sido presos, torturados e sujeitos a medidas forçadas de controlo de natalidade.

Também no final de junho, uma investigação da agência noticiosa Associated Press (AP) denunciou

  • a existência de “medidas draconianas”por parte das autoridades de Pequim,
  • visando “reduzir as taxas de natalidade entre uigures e outras minorias,
  • no âmbito de uma ampla campanha para conter a população muçulmana”.

A investigação da AP apurou que

  • as autoridades chinesas obrigam as mulheres uigures a fazer testes de gravidez,
  • forçam a colocação de dispositivos intra-uterinos,
  • submetem-nas a métodos de esterilização
  • e obrigam aquelas que engravidam a abortar.

 

Clara Raimundo agradece troféu ao Central Comics - YouTube

.

Fonte:  https://setemargens.com/uigures-podem-estar-a-ser-vitimas-de-um-holocausto-na-china/

 

 

LEIA MAIS:

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>