Brasil: Evangélicos pedem afastamento de Bolsonaro

pastor Silas Malafaia com Jair Bolsonaro, Presidente do Brasil

 

 

29 Mai 20

O pastor Silas Malafaia, que apoia Jair Bolsonaro, com o Presidente brasileiro, em Dezembro de 2019:

muitos grupos evangélicos manifestam-se agora a favor da destituição de Bolsonaro.

Foto: Isac Nóbrega/Presidência da República do Brasil.

Quatro dezenas de igrejas, comunidades, organizações e movimentos evangélicos do Brasil publicaram um manifesto pedindo o afastamento do Presidente Jair Bolsonaro, acusando-o de

  • uma “gestão inadequada durante a pandemia”,
  • que “atenta contra a vida humana”,
  • e defendendo que “ele tem dado provas de que não está à altura do cargo”.

O documento, divulgado online (ver abaixo)

  • pode ser assinado por qualquer instituição ou cidadão
  • e virá a ser entregue ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Os subscritores pedem ao TSE que

  • “assuma o seu papel constitucional e proceda ao imediato julgamento das ações de investigação social” interpostas contra Jair Bolsonaro
  • e que solicitam a demissão do Presidente da República devido à “disseminação de mentiras durante a campanha eleitoral”, uma prática que “se tem mantido durante o Governo”, alertam.

“Manifestamos publicamente o nosso repúdio e indignação em relação à forma antiética com que o Presidente da República se tem comportado nesta grave situação do país, sem assumir a conduta exigida a uma pessoa que ocupa a liderança institucional executiva da nação”,

pode ler-se no documento.

No manifesto, os diversos grupos evangélicos expressam ainda

  • ser “fundamental”que as igrejas do país “não promovam cultos públicos presenciais”,
  • apesar de Bolsonaro ter incentivado a sua realização,
  • e que sejam seguidas “as recomendações e orientações de instituições de saúde e científicas”,

repudiando assim as indicações dadas pelo Presidente, que contrariam as recomendações dos especialistas de saúde.

  • “Há tendência para associar os evangélicos com estes líderes [Jair Bolsonaro e Donald Trump],
  • mas é importante que as pessoas percebam que, dentro da mesma Igreja, nem todos temos as mesmas opiniões.
  • Uma das coisas mais importantes que a Reforma [de Lutero] nos trouxe foi a liberdade, até mesmo na interpretação das próprias escrituras”,

salientou António Calaim, presidente da Aliança Evangélica Portuguesa, quando falou ao 7MARGENS a propósito da intenção de Donald Trump de suspender o apoio à Organização Mundial de Saúde.

Segundo dados avançados pelo jornal Folha de São Paulo,

  • é no entanto entre crentes evangélicos e neopentecostais
  • que Bolsonaro continua a reunir mais apoios.

De acordo com uma sondagem feita no início de abril, os evangélicos tendem a avaliar de forma mais positiva o Presidente e a relativizar mais a pandemia do coronavírus.

O índice de ótimo ou bom atribuído à condução da crise por Bolsonaro

  • passa de 33% na população em geral
  • para 41% quando considerados apenas os evangélicos

e estes são menos favoráveis à saída do Presidente:

  • a percentagem cai de 37% na população em geral
  • para 30% entre os evangélicos.

E, enquanto apenas 37% da população considera que deverá ser permitido sair para trabalhar, entre a população evangélica o número de pessoas que discorda do isolamento sobe para 44%.

 

Clara Raimundo, autor em Sete Margens

 

 

 

 

 

O DOCUMENTO DAS IGREJAS PARA COLETA DE ASSINATURAS ON LINE

Um Clamor de Fé pelo Brasil

Nós, de diversas Igrejas, organizações e movimentos de evangélicas e evangélicos pela democracia,

Convidamos você a assinar conosco esse manifesto que será enviado para os Ministros do TSE pedindo que:

– O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) assuma seu papel constitucional e proceda o imediato julgamento das Ações de Investigação Judicial no (TSE) e que pedem a cassação da chapa de Jair Bolsonaro e de Antônio Mourão em razão da disseminação de mentiras durante a campanha eleitoral; prática que tem se mantido durante o governo, sendo agora alimentada por dinheiro público, como tem sido demonstrado e noticiado.

A preservação de vidas e da democracia exigem ação imediata. Não há motivos que justifiquem ainda mais a prorrogação desse julgamento. Para que a justiça seja feita, sob a égide do Estado de Direito e para o bem-estar social e da democracia.

Também manifestamos publicamente:

– Nosso luto e profunda solidariedade para com as famílias dos mais de 16 mil mortos que o Brasil identificou até recentemente em meio a pandemia do novo Coronavírus (Covid-19). É momento de “chorar com os que choram” (Rm 12:14-15)

Nosso compromisso cotidiano em ações solidárias de apoio ao atendimento de necessidades específicas de pessoas e famílias que se encontram em situação de vulnerabilidade nesse contexto de grave crise. “A fé, por si só, se não for acompanhada de obras, está morta” (Tg 2:17).

– Nossa gratidão e solidariedade para com os profissionais de saúde que têm experimentado grande desgaste físico e emocional por estarem trabalhando no enfrentamento direto dessa situação. Nossa oração é para que Deus os guarde e que eles “mantenham a esperança”.

– Nosso reconhecimento e apoio a Universidades e Centros de Pesquisa, bem como seus pesquisadores e cientistas que têm se dedicado na busca das melhores respostas e análises para juntos superarmos esta realidade. O momento exige que as tomadas de decisão sejam fundamentadas “no conhecimento que vem do bom senso” (Pv 1:4).

– Nosso repúdio e indignação à forma antiética com que o presidente da República tem se comportado nesta grave situação do País, sem assumir a conduta exigida para uma pessoa que ocupa a liderança institucional executiva da nação. Ele tem dado provas de que não está à altura do cargo de Presidente da República. A gestão inadequada durante a pandemia atenta contra a vida humana ao invés de “praticar a justiça e compaixão pelos pobres” (Dn 4:27).

Diante disto, consideramos ser fundamental:

– Que as respostas dos governos sejam mais eficientes em relação ao devido atendimento às necessidades das pessoas. É essencial que prefeituras e governos estaduais atuem para garantir o cumprimento do isolamento social recomendado, e que o governo federal opere de forma coordenada e adequada na execução de seus compromissos e responsabilidades.

– Que igrejas e comunidades religiosas, compreendendo a gravidade e urgência do tempo presente, não promovam cultos públicos presenciais e considerem seriamente o uso de suas estruturas e pessoal para o desenvolvimento de ações que contribuam para o apoio a população e para o enfrentamento da pandemia. O momento exige responsabilidade e coragem a fim de preservar vidas.

– Que sigamos as recomendações e orientações de instituições de saúde e científicas. Reconhecemos a ciência como dom de Deus para cuidar da vida humana e toda a sua criação. A fé e a ciência são aliadas, caminham juntas e exaltam o poder divino.

– Que o poder público – executivo, legislativo e judiciário – atue de forma coordenada para promover uma economia justa e voltada para o benefício das pessoas, a partir dos mais empobrecidos. Não há nenhuma razoabilidade em se opor a crise na saúde à crise econômica. É falsa tal divisão. O momento é de grave crise na saúde pública e todos os esforços devem convergir para maior preservação possível de vidas. Não se pode minimizar uma situação de pandemia em favor de lucros. O foco precisa ser solidariedade e proteção social em prol da preservação da vida humana.

Convidamos irmãs e irmãos a se juntar nesse clamor de fé e ação pelo Brasil.

Uma iniciativa das seguintes organizações, igrejas, grupos e coletivos:

Aliança de Batistas do Brasil – Associação Projeto Videiras – AMSK Brasil – Coletivo Abrigo – Coletivo Cristãos Pela Justiça – Comunidade Cristã da Lapa – Comunidade Cristã na Zona Leste – Coletivo Memória e Utopia – Congrega – Comunidade Presbiteriana Videiras – Cristãos Contra o Fascismo – Direitos Humanos nos Passos de Jesus – Evangélicas pela Igualdade de Gênero – Evangélicos Trabalhistas – Evangélicos pela Justiça – Evangélicos pela Diversidade – Fé e Afeto Cristão – Fórum Evangelho e Justiça – Frente Evangélica pela Legalização do Aborto – Frente de Evangélicos pelo Estado de Direito – Grupo Fé & Política: Reflexões – Igreja Batista de Direitos Humanos – Igreja Batista Nazareth – Informativo Kerygma – Instituto Guarani de Responsabilidade Socioambiental – Igrejas Libertárias! – Miquéias Brasil – Missão Aliança – Movimento Evangélico Progressista – Movimento Negro Evangélico do Brasil – Nossa Igreja Brasileira – Núcleo de Evangélicas e Evangélicos do PT – Núcleo Evangélico 23 – Paz e Esperança Brasil – Primavera Ecumênica – PSOL/PR – Plataforma Intersecções – Rede Fale – Redenção Baixada – Vozes Maria

Para novas adesões de coletivos, igrejas e organizações à esta iniciativa, envie mensagem com o seu logotipo e nome de contato para: clamorpelobrasil2020@gmail.com

Apoio individuais podem ser feitos abaixo e serão reunidos em petição à ser entregue ao TSE.

Nome Completo *

Sua resposta
Organização

Sua resposta
Estado (UF) *

Sua resposta
E-mail *

Sua resposta

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>