A oração pode nos salvar do COVID-19?

Há uma diferença entre fideísmo e encontrar força através da fé

Can prayer save us from COVID-19?

Stan Chu Ilo – 21 de março de 2020

Quando o presidente dos EUA, Donald Trump, declarou o dia 15 de março como um dia nacional de oração para buscar ajuda e força divinas diante do coronavírus, a iniciativa não recebeu muita atenção nacional.

Isso levanta uma questão interessante sobre o lugar da oração e da fé durante épocas de epidemias nacionais e globais como as que estamos enfrentando atualmente.

 

Pesquisas mostram que existe uma correlação entre a oração e um resultado positivo para a saúde.

Isso ocorre porque a fé religiosa

  • dá esperança às pessoas diante da crise.
  • Também inspira respostas éticas positivas
  • e mudanças no estilo de vida
  • que limitam o comportamento inseguro que pode expor as pessoas a doenças e infecções.

No entanto, os cristãos e as pessoas de fé têm opiniões e convicções diversas sobre a eficácia da oração para pôr fim a um surto deste tipo.

Isso se deve às diferentes maneiras com que as pessoas religiosas respondem às duas crises de fé que surgem durante uma epidemia.

Sem explicações religiosas, sem soluções religiosas

  • A primeira é a inadequação das explicações religiosas para surtos como o do COVID-19.
  • A segunda é a ineficácia das soluções religiosas para conter e mitigar a propagação e os efeitos das epidemias sem prestar atenção à teoria microbiana das doenças.

Essas duas realidades foram claramente evidenciadas no maior surto da história da humanidade, a Grande Peste (1347-50), que matou mais de um terço da população da Europa.

  • Essa epidemia causou uma crise de fé entre os cristãos sobre a capacidade de Deus para salvá-los,
  • porque os líderes religiosos estavam entre as muitas pessoas que morreram.

As orações, rituais e procissões religiosas pelas ruas para pedir intervenção divina

  • aparentemente não trouxeram cura física.
  • As pessoas rapidamente perceberam que ser religioso ou espiritual não imunizava ninguém contra as doenças, infecções e morte.

Proporcionando conforto e esperança

No entanto, as pessoas religiosas acreditam que a oração e a fé religiosa oferecem acesso à energia espiritual. A fé faz um apelo a um poder superior, que traz conforto aos cristãos pela graça curadora que – acreditam os cristãos – só Deus pode conceder.

A fé religiosa também

  • ajuda os cristãos a dar um sentido ao mal, às doenças e aos surtos como o do COVID-19.
  • Isso ajuda-os  a olhar com esperança para além das sombras dos tempos incertos atuais.

Historicamente, os cristãos de todos os lugares sempre confiaram na oração em momentos de ansiedade e incerteza.

Os historiadores religiosos americanos Daniel Reff e Rodney Stark

  • atribuem a ascensão do cristianismo no Império Romano
  • à capacidade da religião de criar uma forte rede social
  • e de oferecer às pessoas rituais de cura e de caridade e solidariedade diante das frequentes calamidades e doenças infecciosas que assediavam a população.

O papa, as orações e a solidariedade espiritual

Não surpreende que o Papa Francisco tenha visitado recentemente os santuários que guardam o ícone de Maria e o Crucifixo de São Marcelo – dois lugares importantes onde muitos católicos ao longo dos séculos foram pedir a ajuda divina durante surtos de doenças.

O papa rezou pelo fim do surto e pela cura dos doentes. Isso porque ele acredita que a oração é uma forma de solidariedade espiritual através da qual podemos estar próximos uns dos outros e de Deus.

Ao orar pelos profissionais da saúde nesses santuários, Francisco implicitamente admitiu o papel instrumental da ação humana em levar saúde aos doentes e impedir a propagação do coronavírus.

 

Fechando as igrejas para o bem ou para o mal

  • Enquanto o papa visitava estes importantes santuários em Roma,
  • as igrejas na América do Norte e na Europa estavam fechando as portas ao culto público e à missa, num esforço para conter a propagação do vírus.

Estas representam duas realidades contrastantes e mostram a tensão, até entre os cristãos e os seus líderes, sobre o que fazer em tempos como estes.

Alguns católicos expressaram reservas ao que consideram medidas extremas que lhes negam a oportunidade de experimentar o contato espiritual e a cura de Deus através do culto público, que foi a maneira da comunidade cristã de responder às calamidades no passado.

Comentadores católicos, como R.R. Reno, editor de First Things, argumentam que o fechamento das igrejas é uma traição aos cuidados espirituais. Mas a pergunta que merece resposta é

  • se realmente é falta de fé tomar precauções contra a infecção,
  • o que inclui o fechamento das igrejas para reforçar o distanciamento social.

 

Um bispo alerta contra o fideísmo e pede caridade

Na diocese de Vanne, no noroeste da França, por exemplo,

  • a resistência ao fechamento das igrejas foi tão forte
  • que o bispo local, Raymond Centène, foi forçado a fazer uma declaração pública na qual alertou que
  • “arriscar a própria saúde e a do seu próximo” para se congregar em grande número para os serviços religiosos não era um ato de caridade.

Ele também  advertiu as pessoas de que

  • orar pela ‘saúde
  • sem tomar nenhuma precaução para impedir a propagação da doença
  • não é fé, mas fideísmo”. 

A mensagem do bispo é adequada para o nosso tempo,

  • porque o fideísmo é uma fé cega,
  • que pode realmente piorar a epidemia.

Isso acontece quando as pessoas de fé

  • deixam de tomar as necessárias precauções, validadas pela ciência,
  • e ao mesmo tempo acreditam e rezam para que Deus as proteja da infecção.

É preciso também rejeitar a falsa alegação daqueles líderes cristãos que culpam Deus por este surto, dizendo que é um castigo divino pelos pecados do mundo. Em vez de pôr a culpa em Deus, num país particular, num partido político ou no governo nacional, deveria haver um esforço nacional e global para combater este flagelo.

A fé deve inspirar as pessoas

  • a verem a nossa humanidade comum sob ameaça,
  • a verem naqueles que sofrem um irmão ou uma irmã,
  • de modo que todos possamos trabalhar juntos para levantar os que são fracos, confortar os que estão morrendo e dar esperança àqueles que estão com medo.

Ciência e religião

Eu vi o poder de destruição da fé irracional, na minha experiência no setor humanitário na África durante a luta contra o HIV/AIDS e o Ebola.

Muitas pessoas acreditavam que

  • uma das razões para a alta mortalidade do Ebola na África Ocidental, durante a fase inicial do surto em 2014,
  • era devida ao fato de  as pessoas buscarem a cura espiritual
  • em vez de se auto-isolarem  e evitarem o contato físico.

Muitos dos curandeiros tradicionais e cristãos que afirmavam ter poderes sobrenaturais para curar as pessoas do vírus Ebola acabaram morrendo e infectando muitos outros.

Albert Einstein disse:

“A ciência sem religião é capenga; a religião sem ciência é cega”.

  • Eu acredito no poder da oração.
  • Mas também acredito que a oração deve andar de mãos dadas com as boas obras, a boa ciência, as melhores práticas, o bom senso, o esforço humano corajoso e a ação.

O axioma do pregador é ainda mais  verdadeiro para nossos tempos incertos:

“Reza como se tudo dependesse de Deus e trabalha como se tudo dependesse de ti”.

Portanto, todos – começando pelos nossos líderes nacionais e incluindo todos nós – devem rezar para terem a coragem de assumir total responsabilidade pelo que cada um de nós deve fazer para conter e mitigar esta pandemia.

O chamado à oração deveria ser deixado para os líderes religiosos, mas ao mesmo tempo os chefes dos nossos governos deveriam concentrar a sua energia em unir os seus países, em confortar a sua nação e em liderar a luta contra esse surto com verdade e clareza, de maneira não partidária.

 

Resultado de imagem para Fr. Stan Chu Ilo 

Stan Chu Ilo 

é padre católico da Diocese de Awgu (Nigéria) e professor de pesquisa de catolicismo mundial e estudos africanos na Universidade DePaul, em Chicago (EUA).

Fonte:https://international.la-croix.com/news/can-prayer-save-us-from-covid-19/12039?utm_source=Newsletter&utm_medium=e-mail&utm_content=21-03-2020&utm_campaign=newsletter_crx_lci&PMID=fc215d82eb6037f0eb7e8396f840a152

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>