Terrapatetismo

| 4 Mar 20

A astronauta Tracy Caldwell Dyson, a 11 de Setembro de 2010, observando a Terra a partir da cúpula de observação da Estação Espacial Internacional durante a 24ª expedição. Foto Tracy Caldwell Dyson/NASA
Os terraplanistas estão ao nível dos amantes dos extraterrestres. As pessoas têm direito às suas alucinações mas, por favor, sejam higiénicos, tirem a Bíblia e a religião do assunto. 

 

O Texas recebeu a 3ª. Flat Earth International Conference (FEIC) em Novembro do ano passado, na cidade de Dallas. Todas as palestras e tópicos abordados se relacionavam com a teoria de que a Terra é plana.

  • Nelas se defendia a ideia de que o espaço sideral é falso ou inexistente
  • e se esboçava uma interpretação do planeta através de textos bíblicos,
  • à mistura com acusações de inconsistência à NASA, subscrevendo a teoria da conspiração,
  • pois a agência espacial estaria apostada em ocultar que o planeta não é esférico, mas plano.

Como se isso não bastasse, as temáticas passavam ainda por tentar explicar o terraplanismo segundo métodos “científicos” com recurso a textos bíblicos.

A Visão adiantava dez “provas” da planicidade da Terra defendidas pelos terraplanistas:

1 – O horizonte parece sempre plano, menos nas fotografias da NASA;

2 – Para ver o horizonte, não precisamos de olhar para baixo – e se a Terra fosse redonda precisávamos;

3- Se a Terra rodasse a grande velocidade pelo espaço, a água não se manteria quieta;

4 – Se a Terra fosse um globo, os rios precisavam de correr para cima para desaguar;

5 – Se a Terra fosse redonda, os helicópteros poderiam manter-se quietos no ar e esperar que o destino viesse até eles;

6 – Se a Terra fosse redonda, os carris dos comboios não podiam ser a direito;

7 – Se a Terra fosse redonda, os pilotos teriam de ajustar as trajetórias dos aviões constantemente, para não entrarem no espaço;

8 – Se houvesse biliões de estrelas no céu, o céu estaria sempre cheio de luz;

9 – Se a Terra rodasse a altas velocidades, os aviões nunca chegariam aos seus destinos graças aos ventos de milhares de quilómetros por hora;

10 – Se a Terra rodasse, as balas disparadas para o ar deveriam cair centenas de quilómetros na direção oposta à que a terra roda – e não caem.

 

Este tipo de argumentação

  • é tão boçal e risível que seria alvo de chacota universal,
  • se não fosse triste e indicador da menoridade mental dos seus promotores.

De científico não tem nada, mas de infantil tem muito. A paranoia chega ao ponto de acusar

  • não apenas a NASA, mas os governos de todo o mundo,
  • de esconderem a “verdade” e insistirem no mito da esfericidade terráquea, com a motivação de “esconder Deus”.

Mas não me dirão porque razão peregrina Deus não poderá coexistir com um planeta redondo, mas apenas plano?…

A ignorância das boas práticas da hermenêutica dos textos antigos, e em particular da hermenêutica bíblica,

  • leva esta gente a fazer uma leitura literal dos escritos sagrados, descontextualizando-os,
  • daí resultando necessariamente uma subversão de sentido.

Antes de dizerem asneira deviam começar por entender qual era a cosmografia dos hebreus, para não falar de outros povos antigos. O problema é que

  • os literalistas nem sequer têm condições para proceder a leituras ao pé da letra,
  • visto normalmente desconhecerem as línguas em que os textos foram escritos,
  • nem as culturas da época.

Nunca o terraplanismo foi predominante na fé cristã.

  • Tomás de Aquino fala da esfericidade da Terra na sua Suma Teológica.
  • A teoria terraplanista floresce em pessoas que não possuem conhecimentos científicos nem teológicos.

Porque os defensores da Terra plana não entendem nem a Ciência nem a Bíblia é que

  • querem voltar atrás dois mil e seiscentos anos,
  • regressando ao modelo de Tales de Mileto (625-546 a.C.) que a idealizou assim.

Já agora

  • podiam esquecer a electricidade,
  • os confortos da vida moderna,
  • voltar a lavar a roupa à mão e a andar de burro.

É que a concepção da Terra esférica de Pitágoras já vem do séc. VI a. C. e tem permanecido.

E já agora vamos esquecer também a cientista Hipátia de Alexandria (séc. IV) e a circum-navegação de Fernão de Magalhães (séc. XVI).

A esdrúxula teoria não vale sequer a recente morte do temerário “Mad” Mike Hughes que construiu um foguete lançado com ele no deserto da Califórnia, para provar a planicidade do planeta. Só que a coisa correu mal e ele despenhou-se, tendo falecido na tentativa.

Mas não sejamos ingénuos.

A teoria do planeta plano

  • é intencional e motivada pela ideia de que a humanidade seria um conjunto de povos dispersos e separados,
  • facilitando as tendências racistas e xenófobas,
  • e uma geografia que afasta (sendo a Terra plana)
  • em vez de aproximar (sendo redonda),
  • combatendo assim o princípio da casa comum (daí o desprezo pelo ambiente, os ecossistemas e os equilíbrios ecológicos).

Já nos anos cinquenta aprendíamos na escola primária que o planeta é esférico através dum exercício simples de observação ao ver um navio a aproximar-se ao cais desde a linha do horizonte. Depois vieram os registos fotográficos e videográficos obtidos por sondas espaciais e foguetões tripulados. Só não vê quem não quer: o nosso planeta é redondo, azul e é lindo. As pessoas têm direito às suas alucinações, mas, por favor, sejam higiénicos: tirem a Bíblia e a religião do assunto.

 é director do mestrado em Ciência das Religiões na Universidade Lusófona e coordenador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo; texto publicado também na página digital da revista Visão.

Fonte: https://setemargens.com/terrapatetismo/

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>