“Os ricos estão sempre procurando desculpas para reduzir seus impostos”, avalia Paul Krugman, Prêmio Nobel de Economia

Ver a imagem de origem

InfoLibre – 19/02/2020 – Foto: Flickr

PaulKrugman, vencedor do Prêmio Nobel de Economia em 2008, considera que a redução de impostos sobre altas rendas não gera benefícios para os cofres públicos, nem crescimento econômico, razão pela qual a denomina uma ideia zumbi, que continua avançando, apesar de que deveria estar morta porque provou ser falsa.

A reportagem é publicada por InfoLibre, 18-02-2020. A tradução é do Cepat.

 

Essa é uma das premissas do último livro do economista, Contra los zombis, publicado por Crítica [em espanhol],

  • no qual examina, através da compilação de quase cem artigos,
  • uma série de ideias e crenças econômicas que “devoram cérebros”, apesar de errôneas.

Ver a imagem de origem

Foto: Daqui

Existem “poucos conceitos” que foram colocados à prova tantas vezes como o corte de impostos e o crescimento de impostos, explica Krugman, em entrevista à Europa Press.

  • “Fizemos isso com Reagan, fizemos com Bush, fizemos com Trump
  • Em todas essas vezes, as previsões das pessoas que disseram que os cortes de impostos teriam um efeito milagroso
  • estavam erradas”, acrescentou o autor.

Na opinião do autor,

  • está “muito claro” quem paga para essa ideia permanecer viva e o “por quê”.
  • “Os ricos estão sempre procurando desculpas para reduzir seus impostos.
  • É uma constante universal”, enfatiza.

Outra das ideias que Krugman critica nas páginas de seu livro

  • é a austeridade econômica,
  • especialmente nos momentos em que o desemprego é alto,
  • algo que ocorreu nos anos seguintes à explosão da bolha imobiliária, em 2008, e à crise subsequente.

“Todas as evidências indicam que a austeridade é ruim para a economia”, indica.

Para o Nobel,

  • a Espanha não deveria estar “muito preocupada” com a dívida,
  • porque os juros pagos por ela são inferiores à inflação e o crescimento do produto interno bruto (PIB),
  • o que faz com que, naturalmente, seu peso relativo em relação à economia seja reduzido com o passar do tempo.

Ver a imagem de origem

Bresser Pereira, economista e ex-ministro da Economia. Foto: Daqui

Salários e SMI

Recordando a situação na Espanha há mais de uma década, Krugman insiste

  • que o país estava “supervalorizado”
  • e que os salários precisavam ser reduzidos para aumentar a competitividade em comparação a outros estados membros da União Europeia.
  • “Não é justo, não é agradável, mas entender a economia não é sobre o que é justo, mas, sim, sobre o que é necessário”, afirma.

Apesar disso,

  • descarta que um aumento volumoso no salário mínimo, como aconteceu na Espanha nos últimos anos, tenha um impacto na economia.
  • “O problema não é o valor do aumento, o problema é até que valor você pode aumentar o salário mínimo, antes que se torne um problema para o emprego”, acrescenta.

Nesse sentido, Krugman

  • defende um salário mínimo nos Estados Unidos de 15 dólares por hora,
  • algo que, juntamente com os programas de auxílio social e isenções fiscais,
  • poderia garantir uma “vida tolerável”, embora não uma “boa vida”.

“A única razão para não defender maiores aumentos no salário mínimo não é porque acho que seja o suficiente, mas porque estou preocupado com a perda de emprego”, diz.

Em relação aos limites dos preços de aluguel, uma medida que começou a ganhar força em algumas cidades da Europa e que formou parte do acordo de Governo entre PSOE Podemos, o Nobel enfatiza que “isso causa muitos problemas”.

“O controle de aluguel restringe a construção de novas casas. Não sou defensor do controle de aluguel, isso claramente tem sido um problema…”, argumenta.

 

InfoLibre

Fonte:  http://www.ihu.unisinos.br/596420-os-ricos-estao-sempre-procurando-desculpas-para-reduzir-seus-impostos-avalia-paul-krugman

Leia mais:

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>