RELIGIOSIDADE, SAGRADO, RELIGIÕES. 2

Resultado de imagem para RELIGIOSIDADE, SAGRADO, RELIGIÕES

Anselmo Borges – 09 de Fevereiro de 2020 – Imagem: Daqui

Pode-se viver da religião institucional em altos cargos eclesiásticos, por exemplo, e não ser consequente com uma verdadeira experiência religiosa, se é que se fez esta experiência.

O que acontece também muito frequentemente na política: há quem se confesse ateu e participe em festas religiosas, porque isso pode dar votos…

 

Retomando a reflexão da semana passada sobre o tema em epígrafe, parece-me fundamental acentuar que é essencial distinguir aquele tríplice plano:

  • religiosidade (religioso),
  • Sagrado
  • e religiões.

Como escreveu J. de Sahagún Lucas, quando se fala de religião/religiões, religioso e Sagrado não se identificam, “não são sinónimos”.

Trata-se de realidades distintas, pois religioso refere-se ao pólo subjectivo, isto é, ao movimento de transcendimento e entrega confiada a uma realidade sagrada – o pólo objectivo —, o Sagrado ou Mistério. Diferenciam-se do profano, já que o religioso indica o modo concreto e peculiar de assumir a existência toda nas suas várias dimensões na perspectiva do Sagrado.

As diferentes formas de religião — a religião implica inevitavelmente pluralidade de religiões, surgindo cada uma num determinado contexto histórico, geográfico, sócio-económico, cultural… — coincidem no facto de remeterem o Homem para essa Realidade superior a ele e que, num primeiro momento, se pode caracterizar como um supra (acima) e um prius (anterior) (U. Bianchi).

O referente último de todas as religiões é o mesmo: o Sagrado ou Mistério, essa Realidade superior.

Na tentativa de explicitar a definição apresentada, J. Martín Velasco, um dos maiores especialistas no domínio da fenomenologia da religião, desenvolve, na sua obra Introducción a la fenomenología de la religión, os elementos ou traços essenciais do conteúdo dessa realidade misteriosa.

Em primeiro lugar, deve-se sublinhar a sua “absoluta transcendência” em relação ao homem e ao mundo. Essa transcendência exprime-se nas várias religiões, referindo

  • a sua “outridade”: “totalmente outro”;
  • a sua inacessibilidade: “altíssimo”; invisibilidade: “tu és um Deus escondido”; incognoscibilidade: “superincognoscível”; radical e absoluta diferença: “distinto do conhecido e do desconhecido”; a inefabilidade: dele só se pode dizer: “não é assim, não é assim”;
  • a sua superioridade absoluta:superior summo meo” (superior e mais alto do que a minha altura máxima).

Por isso, o homem religioso, na sua presença, sente pavor e tremor, indignidade radical. Trata-se

  • do mysterium tremendum (mistério terrível),
  • que é ao mesmo tempo fascinans (fascinante), como referiu R. Otto.

Mas, por paradoxal que pareça, o Mistério compreende simultaneamente “a sua mais perfeita imanência” ao homem e ao mundo.

  • É próximoo Alcorão diz que Alá é mais próximo ao homem do que a sua própria jugular
  • e íntimointerior intimo meo (mais íntimo do que a minha máxima intimidade), diz Santo Agostinho,
  • no interior da transcendência, a suma imanência e identidade: atman é Brahman (eu é o Absoluto), diz o budismo, “o centro da alma é Deus”.

Estas duas características implicam-se mutuamente. De facto,

“só o absolutamente transcendente pode ser imanente de forma absoluta”

ou, como diz Nicolau de Cusa, só o totalmente outro é non aliud, não outro.

Outro traço essencial do Mistério é “a sua condição de sujeito activo”.

  • Ele revela-se, dá-se a conhecer, interpela o homem, atrai-o.
  • A sua presença é anterior à procura do Homem, de tal maneira que Pascal pôde, com razão, pôr Deus a dizer: “não me procurarias, se não me tivesses já encontrado”.

Na sua presença, o Homem experiencia que

  • não é por si nem dispõe de si,
  • pois só é verdadeiramente no encontro e na entrega confiada a esse Mistério último.

Mas, mais uma vez, paradoxalmente,

  • esta entrega não significa de modo nenhum alienação, autoaniquilamento ou sujeição a uma heteronomia,
  • pois, “devido à abertura radical do ser humano ao Infinito,
  • o consentimento neste Além de si mesmo é a condição da sua realização plena”.

Explicitando, dever-se-á, portanto, distinguir entre

  • religiosidade/religioso,
  • Sagrado
  • e religiões.

Religiosidade tem a ver com o movimento de transcendimento, sendo religioso aquele ou aquela que se entrega confiadamente ao Sagrado ou Mistério, do qual espera salvação.

As religiões

  • são mediações entre os homens e mulheres e o Sagrado/ Mistério,
  • e entre o Sagrado/Mistério e os homens e mulheres.

Enquanto mediações,

  • as religiões têm, inevitavelmente, muito de humano
  • e, consequentemente, são habitadas pelo melhor e pelo pior.
  • São mediações necessárias e inevitáveis.
  • Referem-se ao Mistério/Sagrado, estão referidas ao Absoluto; o seu perigo permanente é pretenderem tornar-se elas próprias o Absoluto.

As diferentes religiões configuram de modo diferente o Sagrado ou Mistério. Nelas, há, por princípio,

  • uma dimensão doutrinal teológica, que tenta dizer o Sagrado ou o Mistério;
  • uma dimensão ético-moral;
  • uma dimensão litúrgico-celebrativa;
  • e, evidentemente, um mínimo de organização.

Esta distinção entre religioso, Mistério/Sagrado e religiões é fundamental, pois pode acontecer que alguém

  • seja religioso no sentido autêntico e profundo de uma experiência viva e consequente do Sagrado ou Mistério
  • e tenha e mantenha distanciamento face às religiões instituídas,

como pode haver

  • quem não teve nem tem vivência autenticamente religiosa
  • e, no entanto, viva da religião institucional, se sirva dela para fins políticos, económicos, de ascensão social.

Pode-se viver da religião institucional em altos cargos eclesiásticos, por exemplo, e não ser consequente com uma verdadeira experiência religiosa, se é que se fez esta experiência. O que acontece também muito frequentemente na política: há quem se confesse ateu e participe em festas religiosas, porque isso pode dar votos…

 

Anselmo Borges

Padre, Professor de Filosofia em Coimbra, escritor, conferencista, autor de: Deus ainda tem futuro?Deus e o Sentido da Existência, entre outros

Fonte: https://www.dn.pt/opiniao/opiniao-dn/anselmo-borges/religiosidade-sagrado-religioes-2-11800693.html

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>