Ao completar 400 dias de governo, Bolsonaro anuncia seu ataque mais duro aos povos indígenas

Ver a imagem de origem

Inesc, 07 Fevereiro 2020

Utilizando como escudo o perverso argumento de que “trata o índio como ser humano”, não só seu desrespeito e ódio são explícitos, como também são evidentes os interesses que ele representa.

A reportagem é publicada por Inesc, 06-02-2020.

 

Apenas dois dias depois que um despacho oficial do Procurador-chefe Nacional da Funai ratificou a percepção de que, para a nova direção do órgão indigenista, os índios são considerados “invasores” em terras brasileiras, o governo deu novo passo para ofertar terras desses povos a grupos econômicos interessados na exploração mineral, na construção de hidrelétricas, na extração de óleo e gás, na exploração agrícola e pecuária.

Lamentavelmente, tudo isso ocorreu na semana que marca o Dia Nacional da Luta dos Povos Indígenas no Brasil. Datado de 7 de fevereiro, o dia é uma homenagem ao líder indígena Sepé Tiaraju, morto ainda jovem em 1756 durante uma luta sangrenta contra a dominação espanhola e portuguesa no Rio Grande do Sul. O conflito que durou três anos resultou na morte de mais 1.500 indígenas.


Indígenas no Acampamento Terra Livre 2019. Foto: Webert da Cruz

 

Passaram-se 264 anos e aqui estamos nós diante de um governo que não passou uma semana dos seus 400 dias de trabalho sem proferir ataques verbais e golpes institucionais contra os povos indígenas. Utilizando como escudo o perverso argumento de que “trata o índio como ser humano”, não só seu desrespeito e ódio são explícitos, como também são evidentes os interesses que ele representa.

Na semana desta data simbólica, o governo enviou ao Congresso Nacional um projeto de lei que busca regulamentar diversas atividades econômicas em terras indígenas. São atividades, como o mencionado, altamente impactantes do ponto de vista ambiental e social.

Em terras indígenas,

  • a abertura para estas atividades vai muito além,
  • é parte do projeto etnocida do Estado brasileiro, que neste governo se aprofunda radicalmente,
  • de destruição sistemática dos modos de vida e pensamento de povos diferentes daqueles que empreendem essa destruição.

A política de morte comandada pessoalmente pelo chefe de governo não responde aos interesses destes povos. Em vídeo publicado em seu Twitter, a coordenadora executiva da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIBSônia Guajajara destaca:

“o seu sonho, senhor presidente, é o nosso pesadelo, é o nosso extermínio. Pois o garimpo provoca mortes, doenças, miséria e acaba com o futuro de toda uma geração”.

A negação do direito “a qualquer centímetro de terra demarcada” é prova de que governo e povos indígenas encontram-se em lados opostos da história.

Sonia Guajajara

@GuajajaraSonia

Nós dizemos NÃO ao garimpo e às hidrelétricas em nossos territórios!

Vídeo incorporado

1.042 pessoas estão falando sobre isso

Ódio e vilania disfarçados de boas intenções em plena segunda década do século XXI e depois de tantos massacres e violência na nossa história, passada e presente, é o que os povos indígenas recebem neste dia 7 de fevereiro.

Nosso presente e futuro não precisam carregar esta tragédia como uma sina. Se o que se quer é um debate sério sobre como garantir que os povos indígenas tenham direito de escolher o que fazer com suas terras, respeitando suas culturas e seus escolhas, esse, evidentemente, não é o caminho.

A sociedade brasileira não pode se furtar a este debate.

  • E precisa estar junto aos povos indígenas na sua luta pelo direito de existirem e viverem nas suas terras, como quiserem,
  • com o apoio que precisarem por parte do Estado,
  • de dizerem não e de serem respeitados como parte fundamental do que nós somos como sociedade.

Já passou da hora de rediscutirmos os sentidos do desenvolvimento nacional, incluindo a comunidade política na sua complexidade e fazendo escolhas políticas responsáveis a respeito de atividades altamente impactantes e com baixo retorno social para o país.

desenvolvimento baseado na superexploração de recursos naturais precisa, igualmente, passar pelo crivo de um debate econômico sério sobre seus reais efeitos para nós, brasileiros, e para toda a humanidade.

 

INESC

Fonte: http://www.ihu.unisinos.br/596144-ao-completar-400-dias-de-governo-bolsonaro-anuncia-seu-ataque-mais-duro-aos-povos-indigenas

 

Leia mais:

1 comment to Ao completar 400 dias de governo, Bolsonaro anuncia seu ataque mais duro aos povos indígenas

  • Beto

    INESC é um orgão não governametal vendo os seus interesses se evaporarem. O atual governo está dando direito aos índios de explorarem os bens em baixo dos seus pés, antes que sejam devorados por estranhos. Isto nunca teve na história do Brasil. Vocês acham em sã consciência que o Bolsonaro iria prejudicar os índios, se ele está empenhado com pleno sucesso em arrumar o Brasil que foi destroçado pelos governos anteriores? Por que não publiquem o discurso espetacular do Onix sobre as inúmeras obras de todos os Ministérios nos 400 dias do governo Bolsonaro em vez de publicar estes lixos, apenas para denegrir um Governante de fibra e de sucesso, escolhido pela esmagadora maioria do povo.

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>