A esquerda, os militares, o imperialismo e o desenvolvimento

José Luís Fiori –08 Janeiro 2020 – Foto: FUP

 “Os militares brasileiros seguem no mesmo lugar, ocupando a mesma posição que ocuparam nos golpes de 1954 e de 1964:
  • aliados com as mesmas forças conservadoras e com a extrema-direita religiosa,
  • e alinhados de forma incondicional e subalterna com os Estados Unidos.
  • E é por isto exatamente que não representa nenhum constrangimento para eles o fato de terem sido ‘nacional-desenvolvimentistas‘ na segunda metade do século XX,
  • e serem agora ‘nacional-ultraliberalistas‘ neste início do século XXI”.

O artigo é de José Luís Fiori, professor titular de Economia Política Internacional, Instituto de Economia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, coordenador do GP do CNPq “Poder Global e Geopolítica do capitalismo” e do Laboratório “Ética e poder global”, do Nubea/UFRJ e pesquisador do Instituto e Estudos Estratégicos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis (INEEP)

 

Eis o artigo.

As grandes potências são aqueles Estados de toda parte da Terra que possuem elevada capacidade militar perante os outros, perseguem interesses continentais ou globais e defendem estes interesses por meio de uma ampla gama de instrumentos, entre eles a força e ameaças de força, sendo reconhecidos pelos Estados menos poderosos como atores principais que exercem direitos formais excepcionais nas relações internacionais. 

Charles Tilly, Coerção, Capital e Estados Europeus. São Paulo: EDUSP, 1996, p. 247
————————————————

Foi depois da Primeira Grande Guerra que o movimento socialista internacional

  • repudiou o colonialismo europeu
  • e transformou o “imperialismo” no inimigo número um da esquerda mundial.

Assim mesmo,

  • quando os socialistas chegaram pela primeira vez ao poder, na Europa, e foram obrigados a governar economias capitalistas,
  • não conseguiram extrair consequências da sua própria teoria do imperialismo para o plano concreto das políticas públicas.

E quando foram chamados a comandar diretamente a política econômica, como no caso de Rudolf Hilferding, entre outros, seguiram o receituário vitoriano clássico, do “sound money and free markets” – até muito depois da Segunda Guerra, quando aderiram, já nos anos 60 e 70, às ideias, propostas e políticas keynesianas. Mas na década de 80, estes mesmos partidos

  • se converteram ao programa ortodoxo da austeridade fiscal e das reformas liberais
  • que levaram à desmontagem parcial do Estado de Bem-estar Social.

Esse mesmo problema reapareceu de forma mais dramática quando lhes tocou aos socialistas e às forças de esquerda governarem países “periféricos” ou “subdesenvolvidos”. Também nestes casos, os teóricos do imperialismo e da dependência

  • tiveram muita dificuldade para decidir qual seria o modelo de política econômica “ideal”
  • para as condições específicas de um país situado no “andar de baixo” da hierarquia mundial do poder e da riqueza.

 

No caso da América Latina, a CEPAL

  •  formulou nos anos 50 uma teoria “estruturalista” do comércio internacional e da inflação,
  • e propôs um programa de industrialização por “substituição de importações”
  • que lembrava as teorias e propostas de Friederich List, economista alemão do século XIX,
  • com a diferença de que as ideias cepalinas não tinham nenhum tipo de conotação nacionalista, ou de coloração anti-imperialista.

Na prática, entretanto, dentro e fora da América Latina,

  • os governos de esquerda dos países periféricos acabaram, quase invariavelmente, derrubados ou estrangulados financeiramente pelas grandes potências do sistema mundial,
  • sem terem conseguido descobrir o caminho do crescimento e da igualdade, dentro de uma economia capitalista subdesenvolvida,
  • e no contexto de um sistema internacional assimétrico, competitivo e extremamente bélico.

Apesar de tudo, essas experiências deixaram um ensinamento fundamental:

  • que os modelos e as políticas econômicas que funcionam em um país do “andar de cima”
  • não funcionam necessariamente em países situados nos escalões inferiores do sistema,
  • e menos ainda, quando estes países do “andar de baixo” tiveram a ousadia de querer mudar sua posição relativa dentro da hierarquia mundial do poder.

Desta perspectiva, para poder avançar neste debate, é útil distinguir pelo menos quatro tipos ou grupos de países, [1] do ponto de vista de sua estratégia de desenvolvimento e de sua posição com relação à potência dominante em cada um dos grandes tabuleiros geopolíticos e econômicos do sistema mundial.

  • No primeiro grupo, encontram-se os países que lideram ou lideraram a expansão do sistema mundial, em distintos níveis e momentos históricos, as chamadas “grandes potências”, do presente e do passado, desde a origem do sistema interestatal capitalista;
  • o segundo grupo, estão os países que foram derrotados e submetidos pelas grandes potências, ou que adotaram voluntariamente estratégias de integração econômica com as potências vitoriosas, transformando-se em seus dominiums econômicos e protetorados militares;
  • no terceiro grupo devem ser situados os países que lograram se desenvolver questionando a hierarquia internacional estabelecida e adotando estratégias econômicas nacionais que priorizaram a mudança de posição do país dentro do poder e da riqueza mundiais;
  • e por fim, no quarto grupo, podemos situar todos os demais países e economias nacionais situadas na periferia do sistema e que não puderam ou não se propuseram sair dessa condição, ou mesmo sofreram um processo de deterioração ou decadência depois de terem alcançado níveis mais altos de desenvolvimento, como no caso de alguns países africanos e latino-americanos.

No caso da América Latina, a potência dominante sempre foram os Estados Unidos. E desde a Segunda Guerra Mundial, até o final da década de 70 pelo menos, os Estados Unidos defenderam e patrocinaram na sua “zona de influência” um projeto de tipo “desenvolvimentista” que prometia

  • rápido crescimento econômico e modernização social,
  • como caminho de superação do subdesenvolvimento latino-americano.

Mas depois da sua crise dos anos 70, e em particular na década de 80,

  • os norte-americanos mudaram sua estratégia econômica internacional
  • e abandonaram definitivamente seu projeto e patrocínio desenvolvimentista.

Desde então, passaram a defender, urbi et orbi,

  • um novo programa econômico de reformas e políticas neoliberais
  • que ficou conhecido pelo nome de “Consenso de Washington”,
  • que se transformou no núcleo central de sua retórica vitoriosa depois do fim da Guerra Fria.

Combinavam

  • a defesa dos mercados livres e desregulados
  • com a defesa da democracia
  • e da desestatização das economias que haviam seguido seu ideário anterior,
  • que propunha um crescimento econômico rápido e induzido pelo Estado.

Foi o momento em que o neoliberalismo se transformou no pensamento hegemônico de quase todos os partidos e governos da América Latina, incluindo os partidos socialistas e social-democratas.

Na segunda década do século XXI, entretanto, os Estados Unidos voltaram a redefinir e mudar radicalmente seu projeto econômico para a periferia latina e mundial,

  • defendendo um ultraliberalismo radical e com forte viés autoritário,
  • sem nenhum tipo de preocupação social ou promessa para o futuro,
  • seja de maior justiça ou de maior igualdade.

É nesse contexto hemisférico que se deve ler, interpretar e discutir a trajetória econômica brasileira da Segunda Guerra Mundial até hoje, começando pelo sucesso econômico do seu “desenvolvimentismo conservador”, que foi sempre tutelado pelos militares e apoiado pelos Estados Unidos.

Em troca, durante todo esse período, os militares brasileiros submeteram-se à estratégia militar dos Estados Unidos durante a Guerra Fria, transformando-se no único caso de sucesso no continente latino-americano daquilo que alguns historiadores econômicos costumam chamar de “desenvolvimento a convite”, que se encaixa diretamente no segundo tipo de estratégia e de desenvolvimento da nossa classificação anterior.

 

Ressalva deve ser feita ao governo Geisel,Resultado de imagem para Geisel

Foto: Colégio Web

  • que se manteve fiel ao anticomunismo americano,
  • mas ensaiou uma estratégia de centralização e estatização econômica
  • e de conquista de maior autonomia internacional,
  • que foi vetada e derrotada pelos Estados Unidos e pelo próprio empresariado brasileiro.[2]

É exatamente o período “geiselista” do regime militar brasileiro que deixa muitos analistas confundidos quando o comparam com o ultraliberalismo do atual governo “paramilitar” instalado no Brasil em 2018.

Na verdade – excluída a “excrecência bolsonarista”

  • os militares brasileiros seguem no mesmo lugar, ocupando a mesma posição que ocuparam nos golpes de 1954 e de 1964:
  • aliados com as mesmas forças conservadoras e com a extrema-direita religiosa,
  • e alinhados de forma incondicional e subalterna com os Estados Unidos.

E é por isto exatamente que não representa nenhum constrangimento para eles o fato de terem sido “nacional-desenvolvimentistas” na segunda metade do século XX, e serem agora “nacional-ultraliberalistas” neste início do século XXI.

  • Acreditam que, uma vez mais, seu alinhamento automático com os Estados Unidos
  • lhes garantirá o mesmo sucesso econômico que tiveram durante a Guerra Fria,
  • só que agora através de mercados desregulados, desestatizados e desnacionalizados.

O que os atuais militares brasileiros ainda não perceberam, entretanto, é que

  • a estratégia de desenvolvimento ultraliberal esgotou-se em todo mundo,
  • e em particular no caso dos Estados e economias nacionais de maior extensão e complexidade, como o Brasil.
  • E que os Estados Unidos já não estão em condições nem querem assumir a responsabilidade pela criação de um novo tipo de dominium canadense ao sul do continente americano.

Além disso, nesta nova fase os Estados Unidos estão inteiramente dedicados à competição entre as três grandes potências que restaram no mundo; [3]

  • não têm mais nenhum tipo de aliado permanente ou incondicional, com exceção de Israel e Arábia Saudita;
  • e consideram que seus interesses econômicos e estratégicos nacionais estão por cima de qualquer acordo ou aliança com qualquer tipo de país, que por definição será sempre passageira.

Por sua própria conta, a agenda ultraliberal pode garantir um aumento da margem de lucro dos capitais privados, sobretudo depois da destruição da legislação trabalhista, e durante o período das grandes privatizações.

Mas, definitivamente, a agenda ultraliberal

  • não conseguirá dar conta do desafio simultâneo do crescimento econômico
  • e da diminuição da desigualdade social brasileira.

No entanto, esse “fracasso anunciado” traz de volta o grande desafio e a grande incógnita da esquerda e das forças progressistas, até porque o antigo desenvolvimentismo brasileiro não foi uma obra de esquerda, como já dissemos, mas sobretudo uma obra conservadora e militar que não teria tido grande sucesso se não tivesse contado com o “convite” norte-americano.

E exatamente por isso fica muito difícil querer reinventá-lo utilizando apenas novas fórmulas e equações macroeconômicas. Talvez por isto mesmo às vezes se tem a impressão, hoje, de que a esquerda econômica vive prisioneira de um debate circular e inconclusivo, sempre em busca da fórmula mágica ou ideal que supõe ser capaz de responder por si só triplo desafio do crescimento, da igualdade e da soberania.

Nesses momentos de grandes “bifurcações históricas”,é preciso ter coragem de mudar a forma de pensar, é preciso “rebobinar” as ideias, mudar o ângulo e trocar o paradigma. Isto é muito difícil de esperar dos militares porque eles foram educados para pensar sempre da mesma maneira, e foram treinados para fazer a mesma coisa todo dia, em ordem unida.

O problema maior, entretanto, vem da resistência dos economistas progressistas que, quando ouvem falar em “imperialismo”, “dependência” ou em “assimetria do poder internacional”, preferem se esconder atrás do argumento velho e preguiçoso de que se trata de uma “visão conspiratória” da História, sem querer enfrentar a dura realidade revelada por Max Weber, quando nos ensinou que

  • “os processos de desenvolvimento econômico são lutas de poder e dominação
  • [e por isto] a ciência da política econômica é uma ciência política,
  • e como tal não se conserva virgem com relação à política quotidiana, a política dos governos e das classes no poder,
  • e pelo contrário, depende dos interesses permanentes da política de potência das nações”.[4]

 

Notas:

[1] Fiori, J.L., “História, estratégia e desenvolvimento”, Editora Vozes, Petrópolis, 2015, p: 43 e 44

[2] “O governo Geisel tentou impor um novo movimento de centralização econômica, mas já não encontrou o apoio social e político – nacional e internacional – de início do regime militar. Por isso fracassou, e apesar da aparência em contrário, seu intento acelerou a divisão interna dos militares, que cresceu ainda mais nos anos seguintes e acabou levando-os à impotência final”. FIORI, J.L. Conjuntura e ciclo na dinâmica de um Estado periférico. Tese de Doutoramento, mimeo, USP, 1985, p. 214.

[3] COLBY, E.A. e MITCHELL, A.W. The Age of Great-Power Competition. How the Trump Administration Refashioned American Strategy. Forerign Affairs This Week. December 27, 2019.

[4] Weber, M. “Escritos Políticos”, Folio Ediciones S.A., México, 1982, p: 18

 

Resultado de imagem para José Luís Fiori 

 

José Luís Fiori 

Fonte: http://www.ihu.unisinos.br/595426-a-esquerda-os-militares-o-imperialismo-e-o-desenvolvimento

 

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>