Irã, Iraque, Síria, EUA, Rússia: a história de lealdades e rivalidades que explica a crise atual

Em resultado da morte de Soleimani, os iranianos parecem ter atingido em parte seus objetivos: ver os EUA fora do Iraque.

Imagem de satélite mostra região do Oriente Médio com luzes

Direito de imagem: GETTY IMAGES – Image caption – Geopolítica do Oriente Médio tem no tabuleiro inimigos e aliados circunstanciais, disputas religiosas e o subsolo mais rico em petróleo do mundo

Convertido em palco de animosidades entre Irã e os Estados Unidos, o Iraque é hoje um exemplo de como a intrincada geopolítica do Oriente Médio produz inimigos e aliados circunstancias — que podem se converter em oponentes irreconciliáveis tempos mais tarde — e leva a reações em cadeia em toda a região sempre que alguma ação chacoalha o instável equilíbrio de forças local.

 

 

Em uma área de 7,2 milhões de quilômetros quadrados e com quase 300 milhões de habitantes,

  • parte dos governos centrais têm pouca tradição ou domínio político
  • e lideranças religiosas costumam exercer poder sobre territórios, populações e forças armadas.

região está dividida, majoritariamente, entre as vertentes

  • do islamismo — xiita ou sunita —
  • do judaísmo,
  • e de minorias católicas
  • ou zoroastras.

Há ainda as clivagens étnicas: árabes, persas, curdos, hebreus. A composição de forças políticas depende especialmente desses dois fatores. Tudo isso sobre o subsolo mais rico em petróleo do mundo, o que torna a área de interesse para diferentes potências mundiais.

“Essa tem sido uma dinâmica complicada, na qual nem sempre é claro se o inimigo do seu inimigo é seu amigo. Você vê muitas parcerias oportunistas, países trabalhando juntos em um dado lugar ao mesmo tempo em que estão abertamente em conflito em outro”,

disse à BBC News Brasil Suzanne Malloney, diretora de relações exteriores do Brookings Institute.

Iraque: fim da relação com EUA, fortalecimento da relação com o Irã

O assassinato do general iraniano xiita Qassen Soleimani após um ataque aéreo americano no aeroporto internacional de Bagdá, capital iraquiana, no último dia 3,

  • levou o Parlamento do Iraque
  • a aprovar a expulsão de tropas estrangeiras do país, dois dias mais tarde.

A medida tinha endereço certo:

  • acabar com a ocupação americana em território iraquiano,
  • que, com um curto intervalo entre 2011 e 2014, se arrasta desde 2003.

“É a morte da relação entre Iraque e Estados Unidos”,

sentenciou a analista política Emma Sky, ex-assessora do general americano Raymond Odierno no Iraque, entre 2007 e 2010, em um artigo para a publicação Foreign Affairs .

 

Grande desenho em prédio no Irã mostra SoleimaniDireito de imagemNAZANIN TABATABAEE/WANA VIA REUTERS – Image captionHomenagem a Soleimani em Teerã; morte do general parece ter fortalecido aind mais a ligação entre Irã e Iraque

 

  • Se a relação entre Estados Unidos e Iraque está por um fio,
  • a morte de Soleimani parece ter fortalecido ainda mais a ligação entre Irã e Iraque, antigos inimigos regionais.

“O Irã e o Iraque historicamente são rivais, antes da revolução islâmica e depois dela. Em 1980, o Iraque invadiu o Irã, em uma guerra que durou oito anos. E mesmo depois de negociado o cessar-fogo, o relacionamento era explosivo. Tudo isso mudou com a invasão do Iraque em 2003 pelo governo Bush, removendo Saddam Hussein e o aparato de segurança sunita do ditador”,

afirmou Malloney.

Há 16 anos, ainda sob forte impacto dos ataques de 11 de setembro de 2001, os Estados Unidos justificaram a necessidade da invasão do Iraque

  • com base na suposta proximidade entre o então ditador Saddam Hussein, do partido árabe Baath,
  • e líderes do grupo de radicais islâmicos sunitas Al-Qaeda, responsáveis pela organização dos atos contra os americanos.

O então presidente dos EUA, George W. Bush, também afirmou que

  • Saddam detinha armas de destruição em massa
  • e que era uma ameaça aos EUA e seus aliados.

Nada disso ficou comprovado com o decorrer do conflito.

Saddam era um velho inimigo dos americanos.

  • Político da vertente islâmica sunita,
  • ele liderava um movimento que misturava nacionalismo e socialismo islâmico
  • e reprimia movimentos xiitas e curdos.

Além disso, atuava para a instabilidade no Oriente Médio. Depois da guerra com o Irã, em 1990, Saddam anexou militarmente o vizinho Kuwait, quinto maior detentor de reservas de petróleo do mundo, ao território de seu país. Os EUA intervieram e conseguiram libertar o Kuwait, mas não retiraram Saddam Hussein do poder naquele momento.

Treze anos mais tarde, Saddam e os americanos viveram o capítulo final de sua disputa. Com a invasão, o ditador foi apeado do poder (e 3 anos mais tarde condenado à morte), assim como seu partido, o Baath.

 

Americanos no poder no Iraque: início do sectarismo contra sunitas

Enquanto estavam no comando no Iraque, entre 2003 e 2005, os americanos atuaram para diminuir o poder e desmoralizar os sunitas, grupo do qual Saddam Hussein fazia parte.

A prisão de Abu Graib, um enclave de sunitas no território iraquiano, se tornou mundialmente famosa depois da divulgação de registros de tortura e humilhações de soldados americanos contra jovens homens sunitas, em 2004. Os sunitas representam cerca de um terço da população do Iraque.

“A invasão dos Estados Unidos criou um vácuo de poder, que foi rapidamente preenchido por políticos e forças de segurança xiitas, muitos dos quais mantinham relações de longa data com os oficiais e o governo iraniano. E desde então, o Irã teve um relacionamento individual muito próximo com vários líderes e esteve muito envolvido, tanto diplomaticamente quanto em termos de definição de políticas internas de comércio e segurança do Iraque”, explica Malloney.

Um dos principais nomes a emergir como lideranças nesse cenário foi o do xiita Nauri Al-Maliki. Histórico opositor de Saddam Hussein, Maliki chegou a ser condenado à morte pelo regime anterior e, fugindo da sentença, passou anos exilado tanto no Irã e na Síria, de onde comandava uma rede de oposição a Saddam.

De volta ao Iraque,

  • Maliki foi capaz de galvanizar tanto o apoio dos americanos quanto dos iranianos para se consolidar como primeiro ministro do Iraque, entre 2006 e 2014 —
  • um feito, considerando-se que Irã e Estados Unidos são declaradamente inimigos há 40 anos, desde que o governo pró-ocidente do xá Reza Pahlevi foi derrubado pela revolução islâmica xiita dos aiatolás, que seguem no comando do Irã até hoje.

 

Como nasce o Estado Islâmico

Membros do Talebã e Estado Islâmico escondemo os rostos diante de mesa com diversas armas enfileiradasDireito de imagemEPA/GHULAMULLAH HABIBI – Image captionMembros do Talebã e Estado Islâmico participam de cerimônia de negociação de paz em Jalalabad; a foto é de dezembro de 2019

 

Em 2010, havia forte otimismo no Iraque.

  • Al-Maliki vencia a reeleição como primeiro-ministro, embora a maioria do Parlamento fosse sunita, do partido Iraqiya.
  • Os curdos também compunham a gestão, em uma consertação dos americanos para tentar reconciliar o país, que sofria com o sectarismo desde a sua independência, em 1932.
  • Em 2011, com a perspectiva de pacificação do país, todas as tropas americanas deixaram o Iraque.

Rapidamente, no entanto, Al-Maliki começou a colocar em prática uma política sectarista em relação aos sunitas:

  • ele é acusado de ter retirado de qualquer posto público de trabalho cerca de 100 mil sunitas.
  • Até mesmo professores de escola pública acabaram demitidos por serem sunitas.
  • Diante de protestos, o governo iraquiano respondeu com violência policial e se aliou a milícias xiitas, que passaram a exercer poder sobre a população.

A perseguição do governo

  • abriu espaço para que, dos escombros da Al-Qaeda desmembrada anos antes pelos americanos,
  • surgisse um novo grupo, radical e violento, e que prometia defender os interesses dos sunitas na região: o Estado Islâmico.

De acordo com o jornal Washington Post, o Estado Islâmico estava longe de ser uma exceção: a situação fomentou a emergência de cerca de 50 grupos armados na região.

“A perseguição de Maliki tornou a propaganda política do Estado Islâmico real e acertada”,

afirmou ao Vox Michael Knights, especialista em ações militares no Oriente Médio do Washington Institute for Near East Policy.

Por ao menos 3 anos,

  • Maliki e sua política sectária contaram com a anuência dos americanos,
  • que só retiraram formalmente seu apoio em 2014.

Àquela altura, o Estado Islâmico já controlava um terço do território iraquiano e já tinha migrado também para a Síria.

Na Síria: Rússia, Irã e Estados Unidos contra o Estado Islâmico

Na Síria, desde 2011, o ditador Bashar Al Assad tentava conter uma insurgência contra seu regime, iniciado no bojo da chamada Primavera Árabe, quando a população de países no Oriente Médio e do norte da África se levantaram contra seus governos.

  • Assad e sua família comandam a Síria desde 1970
  • e se converteram no aliado mais longevo dos iranianos na região.
  • As manifestações contra ele rapidamente derivaram para a violência e se iniciou uma guerra civil.

No início do conflito, os Estados Unidos teriam apoiado os rebeldes com recursos não militares.

“A Síria se tornou um aliado iraniano por causa de seus próprios antagonismos com outros países árabes. Essa relação se aprofundou durante a guerra entre Irã e Iraque.

  • Por muitos anos, a Síria foi o único país árabe que teve um bom relacionamento o Irã.
  • Por esse motivo, há muita lealdade entre os dois governos,
  • e é por isso que os iranianos ficaram muito nervosos quando a revolução popular estourou na Síria
  • e começaram a procurar ajudar Bashar Assad na repressão dos manifestantes”, afirma Malloney.

Com o passar dos anos e o surgimento do Estado Islâmico, de acordo com Malloney,

“coube a Soleimani o estabelecimento de vários grupos de milícias, recrutados entre partidários xiitas no sul da Ásia, no Afeganistão ou no Paquistão, e enviados para lutar na Síria”.

Em 2015,

  • quando Bashar Al Assad decide pedir formalmente ajuda à Russia para sustentar seu governo,
  • é Soleimani quem vai a Moscou discutir com os generais de Vladimir Putin como serão feitos os ataques aéreos russos contra rebeldes sírios ou do EI.

“Por muitos anos, a Rússia buscou o controle de um porto para acessar recursos em todo o Oriente Médio.

  • Os russos vinham trabalhando em vários esquemas diferentes para tentar desenvolver alianças com as potências do mundo árabe.
  • A Síria era um lugar onde os russos haviam estabelecido a presença militar no passado e foi reativado pelo presidente Putin.
  • A guerra civil foi um momento propício para restabelecer a Rússia como um poder regional”, diz Malloney.

Já os Estados Unidos começam a fazer ataques contra o Estado Islâmico na Síria a partir do fim de 2014, quando também voltaram ao Iraque. Os americanos agiram em conjunto com seus aliados na região: Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Jordânia, Catar e Bahrein.

Apenas em 2017 os Estados Unidos admitiram ter feito ataques para tentar derrubar o regime de Assad.

EUA e Irã: Velhos inimigos, parceiros eventuais

Em 2014, quando os Estados Unidos voltaram a enviar tropas ao Iraque para combater o Estado Islâmico, os americanos contaram com o Irã para chegar à vitória.

Para o governo xiita do Irã, a perda de controle de território e poder político no Oriente Médio para uma milícia sunita era mais grave do que tolerar a presença americana na região.

“Entre as forças que combateram o Estado Islâmico ao lado dos Estados Unidos estava o Kataib Hezbollah (KH), uma milícia xiita apoiada pelo Irã que foi oficialmente incorporada às forças de segurança iraquianas por meio de um grupo abrangente conhecido como Forças de Mobilização Popular. Mas uma vez derrotado o inimigo comum, essa milícia voltou as atenções para as forças americanas no Iraque — sob ordens do Irã”,

afirma Emma Sky.

Enquanto combatiam em conjunto o Estado Islâmico, a relação entre os governo americano e iraniano se deteriorava. Em 2018, o presidente americano Donald Trump se retirou do acordo nuclear feito pelo seu antecessor com Teerã. Trump recolocou ao máximo as sanções econômicas à economia iraniana.

 

Com feição fechada, Trump mostra documento assinado em que expõe sua intenção de se retirar de acordo nuclearDireito de imagemREUTERS/JONATHAN ERNST – Image captionEm 2018, Trump se retirou do acordo nuclear feito pelo seu antecessor com Teerã

Como resultado, argumenta Emma Sky, os iranianos passaram a ver no Iraque

  • não só um aliado,
  • mas uma espécie de “pulmão” econômico para aliviar o esmagamento das sanções, uma extensão territorial importante para o vínculo com a aliada Síria e o Hezbollah libanês.

 

Força política importante no Líbano atual, o Hezbollah surgiu durante a invasão israelense no país, em 1982, como uma milícia xiita treinada pelas Forças Quds, da Guarda Revolucionária Islâmica, as mesmas que o general Soleimani comandava. A ligação entre o Hezbollah — considerado uma organização terrorista pelos EUA — e o Irã se mantém forte. Ao longo do anos 2000, o Hezbollah sequestrou soldados israelenses como uma forma de pressionar pela libertação de prisioneiros palestinos do governo de Tel-Aviv. A disputa entre Israel e Hezbollah é outro enredo em que americanos e iranianos estão em campos opostos.

No Iraque, quando a luta contra os sunitas estava vencida, os iranianos passaram a se empenhar em se impor sobre os americanos.

Integrantes da milícia Kataib Hezbollah foram os responsáveis pelo ataque à Embaixada americana em Bagdá em dezembro de 2019. Considerada a maior embaixada dos EUA no mundo, o complexo chegou a abrigar 12 mil funcionários americanos em 2010, quando as relações entre Iraque e Estados Unidos estavam no auge.

Diante das imagens de depredação do complexo diplomático, Trump teria feito sua decisão final sobre Soleimani. De acordo com o Pentágono, a milícia Kataib Hezbollah obedecia aos comandos do general iraniano. Em resultado da morte de Soleimani,

  • os iranianos parecem ter atingido em parte seus objetivos:
  • ver os EUA fora do Iraque.

 

Mariana Sanches

 

 

Fonte: https://www.bbc.com/portuguese/internacional-51029316

 

Talvez também te interesse:

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>